>

12 de ago de 2019

[Poesia] PEDRO LUSO – O Velho Homem





O VELHO HOMEM
– PEDRO LUSO DE CARVALHO



Uma lágrima a luzir, clara lágrima
descia pelo rosto do velho homem,
refletido nessa nesga de luz
do sol, que via sumir no horizonte.

Havia na rua gente apressada,
gente atenta apenas ao seu mundo,
que passava pelo homem invisível,
prisioneiro do pranto contido.

A noite descia sobre edifícios.
Aflito, enxugava molhado rosto
de lágrimas brotadas no silêncio.
Então se levantou do banco o velho,

para sumir numa rua iluminada,
como somem as nuvens de verão.





*   *   *



32 comentários:

  1. Mais um belíssimo poema acompanhado de uma pintura maravilhosa de Van Gogh, que é um dos meus pintores favoritos!

    ResponderExcluir
  2. La soledad. La pena.
    Si todo lo que amó ya no está, ya nada importa.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite de paz, Pedro!
    Ha vezes que nos sentimos invisiveis e sumimos na escuridao...
    Os umbilicados estao a solta por ai... Fazendo com que os introvertidos se sintam amuados.
    O mal do seculo aqui muito bem retratado.
    Tenha dias abencoados!
    Abracos fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  4. Reflejo certero de angustia y soledad. Captación plena, amigo Pedro, de derrumbe espiritual y esperanzas truncas.

    ResponderExcluir
  5. Triste soledad.
    No prestamos atención a quien lo necesita.
    Tierno poema.
    Y muy bella la pintura.
    Un beso. Feliz semana.

    ResponderExcluir
  6. Li o seu belo poema e digo: "repito vezes sem conta a noite perturbante em que soube pela primeira vez que as lágrimas dos velhos são cristais de quebranto lapidados na secura da garganta"... De que matéria somos feitos que nos torna comovidos e inocentes perante o desejo da ternura?
    Um beijo, meu Amigo Pedro.

    ResponderExcluir
  7. Que belo poema que retrata a tristeza e a solidão das pessoas mais velhas, mais indefesas e mais sensíveis às emoções. É verdade o que mostras, os mais jovens cuidando de suas vidas apressadas não acham mais tempo para os mais velhos. Dói muito essas lágrimas silenciosas, 'lágrimas de solidão' não há quem suporte.
    Beijinho, daqui do lado.

    ResponderExcluir
  8. Comovente poema, caro Pedro! Cabe ao poeta chamar a atenção para os problemas sociais. A solidão e a tristeza na velhice devem merecer, da sociedade,especiais cuidados.
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  9. Que poema mais lindo...
    muitas vezes estamos sós, apenas nós mesmos juntos de nossa tristeza que nos acompanha de mãos dadas. Às vezes é ela mesma que coloca a mão em nosso ombro para acalentar-nos.
    Muitos passam por nós sem ver, alheios aos sentimentos dos outros, as lágrimas contidas.
    Adorei seu poema.

    Abraço,
    Parágrafo Cult

    ResponderExcluir
  10. Mais um belíssimo poema!!

    És o infinito do meu imaginário
    Beijos e um excelente dia!

    ResponderExcluir
  11. Linda e tocante tua poesia e esse velho homem invisível em meio à pressa constante...Realidade! abraços, ótimo fds! chica

    ResponderExcluir
  12. Pedro,
    Amo ler seus versos
    aqui.
    Amo também a combinação
    entre arte plastica e arte poética.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  13. Caro Pedro

    Este poema centra-nos num tema de grande importância, que assola as sociedades.
    O descaso e o abandono dos mais velhos: Vemo-los nos bancos dos jardins, em "Lares" onde são depositados sem a atenção da família, deixados em hospitais como se fossem objectos esquecidos, nas suas casas, ensimesmados numa solidão que lhes suga a vida.

    Adorei ler esta sua chamada de atenção. Como bem diz a nossa Amiga Teresa Almeida, "Cabe ao poeta chamar a atenção para os problemas sociais", ousando eu estender essa responsabilidade a todos nós, homens e mulheres de boa vontade.

    Gostei muito do seu blog. Uma organização dos temas que dá gosto. :)

    Abraço

    Olinda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei muito, Olinda, desta sua primeira visita ao meu blog. Espero que você voltei mais vezes.
      Beijo.
      Pedro

      Excluir
  14. "Para sumir numa rua iluminada"...
    Invisibilidade triste
    Que todo dia se assiste
    Em mendigos feitos nada.

    Triste, Pedro, essa maçada
    De quem há, mas não existe
    Nem mesmo a um dedo em riste
    Pra tirá-los da calçada

    Como cachorros de rua.
    A verdade crua e nua
    É o planeta lotado...

    Linda a poesia tua!
    Parabéns! Ela situa
    Esse triste resultado.

    Grande abraço, amigo! Tudo de bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O amigo Laerte, poeta e acadêmico (da Academia Catarinense de Letras) presta-me essa honrosa homenagem. Gracias.
      Um abraço.

      Excluir
  15. Tocante, mas um poema de singular beleza focando o lado sombrio da vida...
    Na terceira idade há muita solidão, falta de carinho e apoio moral, quiçá material, principalmente nos que já perderam o seu conjugue e amigos verdadeiros, porque os outros afastam-se.
    Um poema que revela a humanidade do poeta...
    Dias de inverno em paz e conforto.
    O meu abraço, Amigo.
    ~~~

    ResponderExcluir
  16. Demorei muito a chegar aqui, querido Amigo, mas não é descaso e creio que sabes bem disso. Os Amigos nunca são esquecidos, apesar das ausências mas, pelas circunstâncias que conheces o meu tempo ficou bastante reduzido e as visitas sofreram com isso. Infelizmente, este teu poema relata uma triste realidade dos nossos tempos e, como diz a minha querida Amiga Olinda, o descaso a que são votados os idosos choca-nos muito; aqui em Portugal é terrivel ver idosos serem levados ao hospital por motivos de doença e depois serem lá deixados como objectos esquecidos em cima duma qualquer
    mesa. Não consigo entender esta atitude tão desumana por parte daqueles que tanto amor receberam dos pais e, sinceramente, a velhice apavora-me porque, nunca sabemos o que nos espera. Confiamos muito nos filhos, demos-lhes uma boa educação, transmitimos-lhes valores, demos-lhes o exemplo, tratando os nossos pais com o amor e dedicação que mereciam, mas, mesmo assim, não sabemos o que nos acontecerá quando não tivermos nem forças nem lucidez bastantes para fazermos valer os nossos direitos. Como também diz a Olinda e muito bem, é responsabilidade de todos nós chamar a atenção para estes problemas sociais e também denunciar casos de abuso e violencia a idosos que conhecemos e que, por receio, calamos. Muitas vezes conhecemos casos de abandono e não somos capazes de avisar os serviços sociais que, se os conhecerem, tomarão as devidas providências. Muito podemos fazer para ajudar, mas, infelizmente nada fazemos e aqui me incluo também. Amigo, muito obrigada por teres tratado este tema tão pertinente e mais uma vez, desculpa a minha ausência. Tenho mandado e-mails à Tais e com certeza saberás o motivo. Um beijinho e tudo de bom! Boa noite
    Emilia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida amiga Emília, a Taís sempre me fala sobre a tua falta de tempo aí em Portugal, por isso compreendo bem essa tua ausência, mas mesmo assim és sempre lembrada com carinho por nós. Um bom final de semana com muita paz, Emília. Beijo. Pedro

      Excluir
  17. Apreciei o belo retrato poético, reli para confirmar ser lindíssimo, Pedro.
    Reler um destes poemas, dá para concretizar o desejo de parabenzar o poeta-autor.
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O elogio vindo de um poeta é bastante animador. Obrigado pela visita e pelo estímulo, amigo Daniel.
      Um abraço.

      Excluir
  18. É assim a solidão, excelente poema amigo Pedro e aproveito para desejar um bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  19. Te deseo un fin de semana muy feliz.

    ResponderExcluir
  20. oi, Pedro, belo poema e bem verdadeiro...quando vamos envelhecendo ficamos mais sensíveis aos fatos que nos emocionam...uma saudade , uma angústia ou simplesmente sentir que a o maravilhoso espetáculo da vida está por terminar.
    um abraço

    ResponderExcluir
  21. Poema belo, delicado!
    Gostei daqui.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom te ver por aqui, Ariana. Logo farei visita ao teu blog. Obrigado pela visita e comentário.
      Beijo.
      Pedro

      Excluir
  22. Amigo Pedro,
    Mais um belo poema!

    "... A noite descia sobre edifícios.
    Aflito, enxugava molhado rosto
    de lágrimas brotadas no silêncio.
    Então se levantou do banco o velho,..."

    Aqui, em suas casas (nos edifícios), pessoas convivem em família (até com certa felicidade), mas lá embaixo, o velho se levanta... Seguindo solitário, sumindo como as nuvens do verão.

    Um abraço!
    E até a próxima!!!
    Douglas

    ResponderExcluir
  23. Coincidências à parte Pedro, venho de uma cronica da Taís onde ela nos fala de um pedinte e sua arte e aqui vejo um lindo poema, onde o centro é mais um ser invisível para a sociedade em sua pressa.Bela inspiração para fazer olhar para dentro e ver como muitas vezes estamos e somos alheios à presença de uma pessoa com seu fardo árduo.
    Muito bela construção amigo.
    Abraços e feliz semana na paz.

    ResponderExcluir
  24. OLÁ PEDRO

    ESPREITEI e não resisti...
    ADORO essa pintura maravilhosa de Van Gogh,
    que é um dos meus pintores favoritos e porque estive em ARLES no fim de ABRIL precisamente neste café...até fico arrepiada quando recordo!
    Foi uma viagem ao Sul de França e Impressionistas
    vim de lá de alma cheia, acredite.

    Gosto deste poema, muito realista
    Havia na rua gente apressada, gente atenta apenas ao seu mundo,
    que passava pelo homem invisível
    INFELIZMENTE é mesmo este o retrato do mundo actual

    Parabéns pela sua escrita.

    Sobre mim, o que dizer?
    Apenas veja com os seus olhos

    Se poder sugerir aqui vai:
    caso queira acompanhar o resto da viagem até à Roménia, aqui:
    http://tempolivremundo.blogspot.com/

    se quiser ver algo mais recente, aqui:
    http://momentos-perfeitos.blogspot.com/

    Homenagem ao DIA MUNDIAL DA FOTOGRAFIA, aqui:
    http://meusmomentosimples.blogspot.com/

    Outras fotos com prémios, aqui:
    http://pensamentosimagens.blogspot.com/

    estão as sugestões dadas
    continuação de excelente semana
    Bjs Tulipa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou visitar os teus blogs, Tulipa.
      Beijo.
      Pedro

      Excluir
    2. Cá o espero com todo o gosto, Pedro!
      Bom domingo
      Tulipa

      Excluir
  25. caro Pedro Luso, meu amigo

    a tua Poesia reconcilia-me em muitos aspectos com a vida
    pela fecundidade da sua mensagem e pelo equilíbrio formal
    (de recorte clássico) em que se exprime.

    esse a enorme responsabilidade da Poesia e dos Poetas - nunca perderem densidade humana! como tu, meu amigo, tão eloquentemente testemunhas!

    grande abraço

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO