>

7 de abr. de 2020

EZRA POUND – A Arte da Poesia



EZRA POUND, A ARTE DA POESIA
– Pedro Luso de Carvalho



EZRA POUND foi educado na Universidade de Pensilvânia e no Hamilton College. O seu primeiro livro foi publicado em 1908, em Veneza, Itália. Escreveu cerca de 90 volumes de poesia, crítica e traduções de importantes poetas. Além de suas próprias obras, Erza Pound – que definiu a boa literatura como “linguagem carregada de sentido até o último grau possível "– publicou James Joyce, foi uma espécie de protetor de T.S. Eliot, incentivou Yeats a ousar mais na sua poesia, mostrou a importância da concisão a Hemingway.
Micgael Dirda preleciona: “Em tempo algum foi negada a importância de Pound, como professor e como divulgador das artes. “Seus ensaios literários, suas cartas, seu estudo da poesia provençal intitulado The Spirit of Romance e o fascinante ABC da literatura". Diz mais Michael Dirda: "Tudo isso ainda causa um verdadeiro impacto: os textos são ao mesmo tempo acadêmicos, iconoclastas e divertidos, como podemos notar na constatação de que A França assumiu a liderança intelectual europeia quando reduziu a hora das aulas nas universidades para cinquenta minutos ”.
Extraí de A Arte da Poesia, livro de ensaios de Ezra Pound, o texto que tem por título Linguagem; sem dúvida, a intenção de Pound era a de ajudar os mais novos a desenvolver a arte da escrita, já que ele é aquele “artista mais tarimbado buscando ajudar outro artista mais jovem”, como dizia de si mesmo. Ezra Pound – poeta, músico e ensaísta de invejável erudição – foi um dos expoentes do movimento modernista da poesia do início do século XX.
Em A Arte da Poesia, no seu capítulo Linguagem, Pound ensina aos jovens escritores, poetas principalmente, como se deve tratar a difícil arte da prosa e da poesia: “Não use palavras supérfluas, nem adjetivos que nada revelam. Não use expressões como dim lands of peace (brumosas terras de paz). Isso obscurece a imagem. Mistura o abstrato com o concreto. Provém do fato de não compreender o escritor que o objeto natural constitui sempre o símbolo adequado”.
Diz mais, Pound, no capítulo Linguagem: “Receie as abstrações. Não reproduza em versos medíocres o que já foi dito em boa prosa. Não imagine que uma pessoa inteligente se deixará iludir se você tentar esquivar-se do obstáculo da indescritivelmente difícil arte da boa prosa subdividindo sua composição em linhas mais ou menos longas. O que cansa os entendidos de hoje cansará o público de amanhã”.
Não imagine que a arte poética seja mais simples que a arte da música – diz Pound – ou que você poderá satisfazer aos entendidos antes de haver consagrado à arte do verso uma soma de esforços pelo menos equivalente aos dedicados à arte da música por um professor comum de piano. Deixe-se influenciar pelo maior número possível de grandes artistas, mas tenha a honestidade de reconhecer sua dívida, ou de procurar disfarçá-la”.
Quanto à influência a que o jovem escritor não precisa esquivar-se, Pound faz esta advertência: “Não permita que a palavra influência signifique apenas que você imita um vocabulário decorativo, peculiar a um ou dois poetas que por acaso admire. Um correspondente de guerra turco foi surpreendido há pouco se referindo tolamente em suas mensagens a colinas cinzentas como pombas, ou então lívidas como pérolas, não consigo lembrar-me. Ou use o bom ornamento, ou não use nenhum”.
Obra poética principal de Ezra Pound: Os Cantos, que começou a aparecer em 1917, sendo que a sua última parte – Thrones – foi publicada em 1959. Seus poemas curtos foram reunidos no volume intitulado Personae, que foi publicado em 1926, com edição aumentada em 1950.
Ezra Pound nasceu a 30 de outubro de 1885, na cidade de Hailey, Idaho, EUA, e morreu no dia 01 de novembro de 1972, em Veneza, Itália, onde vivia com sua filha.



REFERÊNCIAS:
Pond, Ezra. A arte da poesia. Ensaios escolhidos. Trad. de Helysa de Lima Dantas e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, editora da Universidade de São Paulo, 1976.
Dirda, Michael.  . Tradução de Rodrigo Neves. São Paulo: Editora WMF. Martins Fontes, 2010.




*   *   *


38 comentários:

  1. Sabias palabras las de Pound.
    Buena entrada la tuya, don Pedro.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Muy interesante.
    No lo conocía y me ha encantado tu buena información.
    Sin duda, merece este gran recuerdo.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom e confesso, não o conhecia! Valeu! abraços, chica

    ResponderExcluir
  4. Mais um bom texto!!
    -
    Fazes-me falta...
    -
    Beijo e uma excelente dia
    "Proteja-se"

    ResponderExcluir
  5. Un articolo molto particolareggiato e interessante, che ho molto apprezzzato.
    Serena sera, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  6. Todos nós que escrevemos, temos muito a aprender com as lições de Ezra Pound…
    Gostei muito deste texto tão "pedagógico", meu Amigo Pedro.
    Uma Páscoa boa para você com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. Muy interesante la información que facilitas.

    Espero que te encuentres bien.

    Besos

    ResponderExcluir
  8. Boa noite de véspera de tríduo pascal, amigo Pedro!
    Muito bom ler um artigo assim tão bem escrito e com aconselhamento adequeado a nós, apredizes de escritores (falo por mim, apesar de usar o nós porque têm outros como eu que ele ensina).
    Gostei muito de ler.
    Tenha dias abençoados!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  9. "Oh geração dos afetados consumados
    e consumadamente deslocados,
    Tenho visto pescadores em piqueniques ao sol,
    Tenho-os visto, com suas famílias mal-amanhadas,
    Tenho visto seus sorrisos transbordantes de dentes
    e escutado seus risos desengraçados.
    E eu sou mais feliz que vós,
    E eles eram mais felizes do que eu;
    E os peixes nadam no lago
    e não possuem nem o que vestir."



    E com esta tradução de Mário Faustino de um poema ,de Ezra Pound agradeço a partilha das suas palavras.

    Feliz Páscoa

    Um abraço

    ResponderExcluir
  10. Oi Pedro, muito interessante, não conhecia o autor.
    Fiquei tentando transportar as ideias para os tempos atuais, onde "inspirações" pipocam a todo instante e podem ser facilmente reescritas mesmo sem qualidade.
    Mas acho que quem escreve realmente com prazer, não sente prazer em publicar ideias que não nasceram de suas próprias indagações emocionais, existenciais.
    Pode-se enganar os outros, jamais a si mesmo e saber disso deve ser um tapa no ego, no final das contas.
    Adorei a leitura do texto e reflexões!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  11. Um texto bastante esclarecedor e pedagógico sobre este enorme escritor e poeta desconhecido ainda de muita gente.
    Um abraço amigo Pedro e tenha uma Santa Páscoa.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  12. é sempre útil revisitar os grandes vultos da Poesia,
    não é verdade, amigo Pedro Luso?

    donde sempre se sai mais mais enriquecido

    grande abraço

    ResponderExcluir
  13. Boa noite, Pedro.
    Ezra Pound, realmente foi uma excelente escolha para publicar e compartilhar conosco, seus leitores. Admirável expoente da classe literária. Já conhecia um pouco sobre ele, mas aqui você deu uma aula maravilhosa, esclareceu-me mais, principalmente na Literatura.
    Espero que tudo esteja bem com você e família. Feliz Páscoa!
    Obs: Voltarei para continuar a leitura das outras postagens.

    ResponderExcluir
  14. Interessante e pedagógico texto sobre Ezra Pound.
    Meu amigo, para si e para a sua família desejo uma Páscoa tranquila, com saúde e alegria.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  15. O saber nunca ocupou lugar. Fiquei mais rico intelectualmente.

    Desejando uma Páscoa muito feliz, dentro dos condicionalismos que todos conhecemos

    Um dia de Paz e Amor

    ResponderExcluir
  16. P elo Amor derramado

    A paz enfim reinou

    S ó nos resta o Amado

    C om todo esplendor

    O sol nos vem calado

    A contemplar tanto Amor.

    Boa Páscoa, amigo Pedro!
    Abraço festivo, carinhoso e fraterno

    ResponderExcluir
  17. Que maravilha amigo Pedro!
    Generosa partilha à cerca de Pound por muitos desconhecido, agora fica claro com esta postagem, toda sua importância no mundo da linguagem.
    Vir aqui além de aprender poema recebe cultura.
    Grato amigo.
    Fique em casa e cuide-se bem.
    Uma nova manhã virá.

    ResponderExcluir
  18. Sempre a aprender!!!
    Pedro, gostei de aqui conhecer EZRA POUND. Obrigada por partilhares conhecimento poético.
    Meu querido amigo, também eu te desejo uma FELIZ PÁSCOA. Este ano será diferente para mim, para ti, para o Mundo todo, mas o que realmente importa é não perdermos a fé e esperança em dias melhores.
    Beijo, muita saúde.

    ResponderExcluir
  19. Pedro,
    Hoje lendo aqui tive a alegria
    e a oportunidade de aprender
    e de conhecer sobre esse poeta.
    E aguaçada provocada a mente me
    levou a esse site: http://culturapara.art.br/opoema/ezrapound/ezrapound.htm
    Creia, estou de fato grata e
    encantada.
    Bjins de Pascoa pra Você e os seus
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  20. Caro Pedro Luso

    Estive aqui embevecida a ler tudo o que nos traz sobre Ezra Pound. Confesso que sempre passei por ele apressadamente. Com este seu texto vejo o que tenho perdido, não só em relação às suas várias e talentosas valências como pelos ensinamentos que transmite quanto à escrita e a linguagem.

    No post anterior trouxe-nos José Luís Borges. Marco desde já encontro com ele, o qual se efectivará em breve.

    Boa Páscoa.
    Abraço
    Olinda

    ResponderExcluir
  21. Corrigindo o lapso;
    Jorge Luís Borges

    ResponderExcluir
  22. Excelente aula de Ezra Pound à escrita, seja qual for. Usar muitos adjetivos, alongar um texto descrevendo, dissecando uma imagem com muitas palavras, minuciosamente o que é menos relevante, torna o texto cansativo aos leitores. A objetividade não é fácil, porém necessária. Assim, após muito exercitarmos o pensamento, começamos a desenvolver um texto automaticamente numa narrativa agradável e interessante. Passar ao texto, a simplicidade das palavras, o que cada um é, na verdade, torna a leitura prazerosa. Passarmos à folha branca, o que realmente pensamos sem muitos artifícios, sem muitos rococós e dando a oportunidade para os outros entenderem o texto, o poema, o conto, crônica. Dizem, hoje em dia, que o luxo é ser simples nas maneiras, nos hábitos, no modo de viver, mas isso está longe de ser confundido com ser tosco. Penso que na literatura cabe o mesmo pensamento. É igual a um professor quando explica uma matéria, já difícil por natureza, se não afrouxar a linguagem as dúvidas não se dissiparão.
    Uma excelente postagem!
    beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  23. Lo que sabía de Pound se refería a su biografía e ideología, nunca había entrado en su poesía.
    Para eso sirven los artículos como el tuyo, para descubrirnos a los autores que ignoramos. Saludos y deseos de que estéis bien.

    ResponderExcluir
  24. Pedro
    Agradeço e retribuo reconhecida os votos de Páscoa Feliz.
    Muito obrigada!
    Beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  25. Boa tarde tudo bem? Procuro novos seguidores para o meu blog. Posso te seguir também. https://viagenspelobrasilerio.blogspot.com/?m=1

    Se você me seguir manda o link para o meu blog que eu te sigo de volta.

    ResponderExcluir
  26. Dizia um amigo poeta
    Que a arte da poesia
    Somente a alma é que cria,
    Mas a mente, se discreta,
    Corrige o rumo ou meta
    Da mensagem como nova
    Forma de dizer, com trova
    Ou não, não importa!
    O importante é uma porta
    Ao belo que à alma lota!

    Amigo Pedro, esse cara foi o bom! Mas a arte poética não se aprende na escola! Eu creiom sinceramente, ser um dom da alma! O ser já nasce com alma de poeta! Veja Fernando Pessoa - escrevia com rima ou sem; com compasso ou não; em verso ou prosa e em tudo tinha poesia! E veja os milhões de versejadores que há (me incluo entre os tais) que versejam sem a alma do poeta sem externar poesia!
    Creio mesmo ser até algo transcendental, pois Fernando dizia: Não sou eu que escrevo, uma mão escreve em mim... Abraço meu amigo e feliz Páscoa! Do teu amigo Laerte.

    ResponderExcluir
  27. Obrigado por esta partilha. A falar verdade nunca tinha ouvido falar de Ezra Pound, e gostei muito.
    Abraço e uma boa semana

    ResponderExcluir
  28. Gostei de conhecer EZRA POUND. Reforça ideias e caminhos poéticos.
    Muito grata, amigo Pedro.

    Que este tempo de ressurreição continue a repercutir-se em nós.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  29. Ao abrimos as portas da universidade, pelo menos no meu curso, Pound entra conosco e nos faz companhia por toda a vida. Mas seria boa companhia para todo aluno que prezasse a linguagem. Deveria ser ainda leitura obrigatória por todos os que amam a literatura.
    Bela partilha
    Forte abraço,

    ResponderExcluir
  30. Gracias, por dármelo a conocer, ya que nunca lo había oído nombrar.
    Voy ahora mismo a buscar algunas de sus obras en la red, para poder conocer su poesía.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  31. Olá, como está?
    Espera que esteja bem, no meio deste vendaval.
    Mas melhores dias virão e com eles as nossas boas recordações.
    Saudações poéticas!

    ResponderExcluir
  32. Hola, Pedro. No he leído nada de Ezra Pound, es más esta es la primera vez que oigo sobre él. Gracias por traerlo, me lo apunto.

    Deseando que tú y tu familia gocen de buena salud y d e
    mucha paciencia, les envío mis abrazos.


    ResponderExcluir
  33. Pedro,
    Voltei nessa publicação
    que já comentei, para agradecer
    sua visita ontem. Fiquei muito
    contente pois me senti sendo
    visitada pelo casal.
    Eu gosto desse espaço
    chamado Internet/Blogsfera
    que nos une e reúne
    ao redor da Palavra.
    Bjins de Esperança
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  34. Olá amigo Pedro.

    Eu também gosto dessa plataforma chamada blogosfera, além dos amigos ainda tenho a chance aprender e conhecer personas desconhecidas. Grata pela partilha.
    Seu cuide e cuide da preciosa Taís...

    Bjs no coração.

    ResponderExcluir
  35. Não reproduza em versos medíocres o que já foi dito em boa prosa.
    O que cansa os entendidos de hoje cansará o público de amanhã”.

    Bons conselhos!

    Obrigada pela partilha, Pedro!

    espero que tudo esteja bem consigo e com os seus
    por aqui a vida continua

    Hoje por cá temos trovoada, algo tão raro...
    Mas, aquele barulho incomoda, quem não gosta nada de "trovoadas"
    Ai...que impressão, parece que todo o Universo se "rasga"

    A chuva vai e vem
    com bátegas fortes
    depois faz uma pausa de 5 minutos
    e volta com toda a força
    é o que temos
    um dia cinzento de Inverno
    feio e frio

    Oh Primavera
    quando será que vens com toda a tua força e beleza?
    Beijinhos, boa semana  

    Tenho post novo, aqui:
    http://meusmomentosimples.blogspot.com/  

    ResponderExcluir
  36. Fabulosa partilha, Pedro!
    Um autor que me suscitou muito interesse pelo que acima li... que me pareceu privilegiar a essência, sobre a forma... e sem apego a formalidades balofas e dispensáveis, em matéria de construção poética!...
    Tentarei pesquisar sobre a sua obra... assim, que a normalidade... me devolver também as livrarias, de que tanto sinto a falta...para eu fazer as minhas pesquisas com calma... por entre os livros... senti-los ao toque... e adivinhar em cada um, o prazer de boas leituras...
    Beijinho! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  37. Gracias por esta entrada tan especial sobre un autor controvertido, como lo fue en España Machado. A los dos, se les acusaría de huir de la realidad social. No creo que fuera tan fácil. Su poesía, catalogada dentro de los "poetas malditos". Un poeta realmente "brillante". Gracias por acercarnos parte de su obra, considerada "fundamental".
    Abrazos, amigo Pedro.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho