>

15 de set de 2019

[Poesia] PEDRO LUSO – Força de Vontade





FORÇA DE VONTADE
– PEDRO LUSO DE CARVALHO



O que pode minha força de vontade
no oceano de maldade que vejo
em atos de autoridades?

O que pode minha força de vontade
diante do pobre povo traído
por falsos defensores?

O que pode minha força de vontade
quando se impõe a violência –
corpos por identificar?

O que pode minha força de vontade
ao ver tantos ladrões na cidade
com suas elegantes vestes?

O que pode minha força de vontade
em frente a togados vampiros –
eles são Deus ou juízes?





 *   *   *





33 comentários:

  1. A volte la nostra volontà, è del tutto inutile, di fronte a eventi della vita che non dipendono da noi.
    Versi di grande realtà molto apprezzati.
    Buona domenica e un saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  2. Aunque aunamos voluntades, es muy difícil acabar con esa presión y maldad de aquellos que tienen el poder, poderoso caballero es don dinero y es capaz de comprar voluntades.
    Cariños.
    kasioles

    ResponderExcluir
  3. Instigantes e provocativos à reflexão teus versos,Pedro! Muito legal! abraços, ótimo dia! chica

    ResponderExcluir
  4. Um poema que é um grito contra uma realidade que vos oprime.
    Gostei de ler.
    Abraço e bom domingo

    ResponderExcluir
  5. Parece que, por vezes, a força de vontade não é suficiente... mas é o princípio...

    ResponderExcluir
  6. No puede nada la fuerza de voluntad en esos casos, amigo Pedro. No en Brasil ni en Chile. En ninguna parte.

    Abrazo.

    ResponderExcluir
  7. Creo que no sirve la fuerza de voluntad antes los males del mundo, pues uno solo no puede hacer nada por mucho empeño que se ponga.
    Bonito poema para expresar en verso ese sentimiento de querer y no poder.
    Un abrazo y buen domingo.

    ResponderExcluir
  8. Encantador poema:)!!

    -
    Coisas de Uma Vida
    Beijos, e um excelente Domingo!

    ResponderExcluir
  9. Nós não podemos nada, mas a nossa Poesia pode gritar por nós. Gostei muito da imagem.

    ResponderExcluir
  10. Así es, Pedro. Nuestra fuerza de voluntad no impide que ocurran muchas cosas.
    Excelente tu poema para describir estas situaciones.
    Un beso. Feliz domingo.

    ResponderExcluir
  11. Boa tarde dominical, amigo Pedro!
    Estamos todos no aperto do coracao.
    Quase crendo que nao adianta mais nada. Entretanto, mesmo tendo muito bem poetado a desesperanca, que creiamos num porvir mais ameno!
    Gritou por todos nos por aqui.
    Tenha uma nova semana abencoada e feliz!
    Abracos fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  12. Ao poeta compete denunciar.
    Acutilante poema!

    beijo, Pedro.

    ResponderExcluir
  13. Só a nossa força de vontade nada poderá fazer mas como é o caso em versos contundentes podemos deixar nosso grito de desesperança
    Bom final de domingo
    Um abraço

    ResponderExcluir
  14. Oi, Pedro, quando alguém brada pela justiça, outros também o fazem e todos podem fazer a diferença e cada um pode ser ' gota d'água'
    um abraço

    ResponderExcluir
  15. Es un poema hermoso, aunque parezca que lleva a la desesperanza.
    Gritarlo y denunciarlo ya es un punto de partida.
    Saludos

    ResponderExcluir
  16. Grande Pedro!
    Uma inspiração dolorosa destas verdades em forma de maldades, que tanto nos afligem neste mal estar gradativo e corrosivo da consciência da realidade e de nossa quase inércia diante os opressores e detentores do poder de anular e aniquilar sonhos e vidas.
    Muito boa partilha em poema amigo.
    Abraços e boa semana.

    ResponderExcluir
  17. Boa noite meu querido amigo poeta Pedro, eis o grito, eis a vontade de fazer algo pra amenizar a triste situação do que aí está!
    Seria muito bom se só bastasse a nossa força de vontade, mas ainda vamos crer, vamos espera que tudo fique melhor, amei seus belos versos, eis o poder do poeta, influenciar!
    Abraços bem apertados!

    ResponderExcluir
  18. Um poema cheio de interrogações dada a impotência do Poeta perante um mundo tão absurdo. Só pode indignar-se, meu Amigo Pedro e não perder a esperança…
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  19. A sua tristeza, impotência e desilusão.
    Porém, dentro do seu circulo, a sua opinião é importante e isso já é algo.
    Um poema de poderosa intervenção. Parabéns por ele, já fez muito: a sua parte, a que lhe compete.
    Uma boa semana, em paz e serenidade.
    O meu abraço, Amigo.
    ~~~~~

    ResponderExcluir
  20. La fuerza de voluntad es un arma muy potente, hace más quien quiere que quien puede.
    Gracias por tu visita y cariño Pedro.
    Un gran abrazo

    ResponderExcluir
  21. compreendo a tua desilusão e tua amargura, meu caro Pedro Luso
    e bem sabemos ambos que nada se consegue sem determinação e luta
    e que a poesia pode ajudar a despertar o caudal de energias que possam superar os bloqueios e dificuldades de momento...

    como tu tão bem praticas.
    abraço solidário, meu amigo

    ResponderExcluir
  22. Boa tarde Pedro,
    Um poema magnífico!
    O Poeta não pode calar a sua voz!
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderExcluir

  23. Que riqueza de poema!! A poesia dá o espaço exato para exprimirmos o nosso mais profundo sentimento de incapacidade sem ocupar espaço demasiado. Nesse teu belo poema mostras a nossa agonia, nosso cansaço, decepção e descrença com tanta injustiça e com os deuses togados que exigem tempo integral de nossa vigilância! Isso acontece quando a vontade é dividida, quando muitos não pensam no coletivo, e assim nada será construído. Esperemos, pois, que um dia isso acabe e que cada um vá cumprir o que lhe é devido e, possamos acreditar num país soberano, acreditar na nossa bandeira e naqueles que almejam um país forte, sem as amarras.
    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  24. Não pode nada a " Nossa força de vontade" no que respeita às desgraças que todos os dias vemos neste mundo dito " de " Deus " Não pode ser um mundo de Deus, nem um país de Deus, nem uma cidade de Deus, pois seria colocarmos essa Entidade Sagrada " em muito maus lençóis ; é um mundo de homens onde a humanidade se perdeu por completo, onde a vida deixou de ter valor , onde um simples ténis passou a ser mais valioso que um ser humano. A " Nossa força de vontade " vale para que sejamos capazes de denunciar, para que não tenhamos medo de " dar a cara " pelos mais desfavorecidos, para que à nossa volta não deixemos um ser humano passar fome.: é muito pouco, Pedro, mas é o possivel para a " nossa força de vontade " . Os poderes acima de nós são inatingiveis e, por mais que nos estiquemos não os alcançaremos ; resta-nos olhar para cima e pedir à vida que continue a dar-nos a " a força de vontade " bastante para não perdermos por completo a fé no ser humano e naqueles que nos governam. A descrença também anda por estes lados, Amigo e em Outubro teremos eleições legislativas ( governo, ou seja, primeiro ministro ) e eu, apesar de não ser obrigatório, lá estarei para dar o meu voto de confiança aquele que me parece menos ruim. Gostei da tua " força de vontade " em alertar toda a gente para o desconcerto deste mundo tão, tão desumano, tão cruel, tão violento. Se me permites, à tua, junto também a minha " força de vontade " que, sei, de pouco vale. Um beijinho e obrigada. Boa noite
    Emilia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que escreveste, querida amiga Emília, sobre o que temos de ruim nos governos, que é o tema do meu poema, certamente saiu do teu coração, que não aceita as más consequências que temos pelos desmandos. O teu comentário, Emília, diz bem do teu caráter, do teu desprendimento. Perguntas Emília, se podes somar a tua “força de vontade” à minha, digo que sim, com muita honra, pois assim somamos nossas forças, embora possam representar pouco, diante de tanta corrupção.
      Muito obrigado amiga Emília.
      Beijo.
      Pedro

      Excluir
  25. nice post :) I follow you on gfc #741 , follow back?

    https://styleoflifet.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  26. Boa tarde, amigo, Pedro.
    "O que adianta....."
    É bem por aí, o que adianta nos desgastarmos tanto, levantarmos a voz contra as barbáries da sociedade? Mas, quem sabe se formos uníssonos consigamos atingir algo, mesmo de pequenas proporções, já valerá a intenção e a junção de mais vozes. Precisamos crer. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  27. Cómo me gustaría dejarme llevar por mi naturaleza y rebatir lo que dices, pero el sentido cartesiano es terco.

    Aún así, para tu bella tierra van mis mejores deseos.

    ResponderExcluir
  28. Por muito grande que seja a força de vontade de cada um, não é fácil vencer tantas injustiças e desigualdades.
    Um poema profundo, sentido, um grito de dor e tristeza, que saí da alma do poeta.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  29. Pedro Luso a força de vontade é a mãe de todas as realizações. Já por isso o poema é apelativo, como se isso não bastasse acho a poesia bem formulada.
    Abraço

    ResponderExcluir
  30. Pelo menos pode denunciar com fez com este belo poema meu amigo, aproveito para desejar um bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  31. Não são deuses, nem juizes!
    São eméritos bandidos
    Com direção e sentidos
    Ao inferno que predizes!

    Os seus diversos matizes
    A toga esconde. E os ouvidos
    São moucos. Os olhos atidos
    Ao bolso, quais meretrizes,

    Cujos orgasmos não têm.
    Serão julgados no além?
    No mínimo, Pedro! Entendes?

    Tanta gente é solta sem
    Que pague um só vintém
    Do crime! E viva ao Mendes!...

    Belo poema de protesto do ilustre causídico Pedro Luso de Carvalho, que fala em nome da lei, do cidadão e do coração do poeta! Parabéns, amigo! Grande abraço! Laerte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinto-me homenageado, no comentário que faz em soneto o amigo Laerte Tavares, poeta catarinense de reconhecido valor, fazendo coro comigo na crítica que faço a alguns membros dos três poderes do nosso país.
      Obrigado amigo Laerte!
      Um grande abraço.
      Pedro

      Excluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO