>

2 de jun de 2017

(Poesia) PEDRO LUSO – Os desprezados






OS DESPREZADOS
PEDRO LUS- O DE CARVALHO


A ninguém conte o segredo,
a esperança saiu porta afora
meteu-se em becos imundos
breus de torpezas, vis becos
de pervertidos, condenados
todos, sentença irrecorrível
saldo de vidas consumidas,
acre cheiro, vício de pedra
fumaça a revoltear espiral
escultura para os túmulos,
renúncia insultuosa à vida,
da crueldade retrato, chaga
do país à mostra sem recato.



*   *   *



47 comentários:

  1. Caro Pedro, estamos a viver a maior crise moral deste país! Por vezes, somente a escrita para exorcizar toda essa lama, a incomodar as pessoas de bem, porque aos perdidos não faz diferença, estes estão no habitat natural.
    Um abraço. Tenhas um bom fim de semana (sem chuva).

    ResponderExcluir
  2. É uma parte da realidade que degrada o ser humano, porque a outra parte da humanidade é muito exclusivo. E nós podemos encontrar a beleza, mas ainda ver quem está nessa outra parte da realidade.
    Um abraço grande, Pedro.

    ResponderExcluir
  3. Chaga que empestia, chaga que doi, chaga que não cicatriza e são tantas as chagas por esse mundo afora que já não temos esperanças de que algum remédio as cure; são guerras, são corruptos que tiram o pão da boca das crianças, são pedradores do ambiente, são, enfim, humanos sem humanidade, sem consciência, comportando-se como serpentes venenosas, prontas a dar o note. Mas... tenho aqui que fefender as serpentes, pois elas só atacam quando se sentem ameaçadas, ao contrário o bicho homem que dá o bote pela simples satisfação do PODER . Parabéns, Pedro! Muito bom! Beijinho e um bom fim de semana
    Emilia

    ResponderExcluir
  4. Oi Pedro
    Os desprezados são assim mesmo.
    São os nadas da vida
    Abraços
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  5. DonPedro:
    triste y desesperanzado poema, que recuerda a un canto de Dante.
    Sencillo y profundo.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Que pena seres humanos serem desprezados por uma corja de vagabundos e ladrões,talvez se não houvesse essa roubalheira não teríamos tantos sofredores e o nosso País sairia desse cheiro que se alastra.
    Belo texto Pedro.
    Abraços e um ótimo final de semana.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  7. Parece que vivemos numa areia movediça, meu caro Pedro!
    Que não há mais remédio, não temos dúvida. A esperança é de que o vento traga uma semente rara que rebente em flores.
    Um final de semana,
    Forte abraço,

    ResponderExcluir
  8. Sempre com belos textos. Gostei de ler

    Beijo, bom fim de semana

    ResponderExcluir
  9. As chagas todas expostas, bem à mostra e o povo perde a esperança... Pena! Vamos ver! Mas tua poesia ficou linda! abraços, chica

    ResponderExcluir
  10. Belo poema,embora triste, nos dá a dimensão do que é a degradação, do que é o que estamos vendo e nem podemos avaliar, escrever é uma boa forma de pelo menos desabafar!
    Poetizando, vamos indo tentando colocar em escritos, são registros tristes de nossa época!
    Abraços apertados amigo poeta Pedro!

    ResponderExcluir
  11. Hermoso poema, Peter.
    Siempre es un placer visitarte.
    Buen fin de semana.

    ResponderExcluir
  12. Um belo poema amigo pedro. Uma crítica poética de uma sujeirada que veio a tona e envergonha a nação. Parabéns grande poeta!
    Uma noite de paz e um final de semana feliz e abençoado. Abraços

    ResponderExcluir
  13. Estamos mesmo vendo nossas vidas consumidas por esses pervertidos, custa-me a acreditar que melhore, não resta mais esperança, é corrupção demais, extrapolaram.
    Parabéns´Pedro pelo poema, contundente mas real.
    Abraços, Léah

    ResponderExcluir
  14. Pedro, esse teu poema é um dos mais tristes que li porque fala de abandono dos miseráveis, dos viciados, de seres desprezados pelo Estado, pois roubam e matam para sustentarem seus vícios - difícil de curar. Há dias vimos a remoção da Cracolândia do Centro de São Paulo. Saíram dali e foram para outro lugar, o que para eles dá no mesmo. Estavam ali por quê? O que o Estado fará por eles? São pessoas que se matam dia a dia e um motivo houve! É óbvio que eles são uma ameaça constante para a sociedade, mas atrás deles há um país fraco, irresponsável, corrupto, e que não está interessado nos seus cidadãos. Sim, é um país cuja chaga envergonha, é um dano atrás do outro. Vergonha, estamos na lista dos piores países do mundo em muitos quesitos. Orgulho Nacional...
    Belo, forte poema, parabéns!
    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  15. Buenos días, Pedro... Lo he traducido para entenderlo y aunque la traducción pierda algo el ritmo, me ha parecido muy bonito. Buen fin de semana mi querido amigo

    ResponderExcluir
  16. A torpeza saiu à rua e hoje povoa não só o becos imundos e viciantes, mas também os palácios, onde deveriam desfilar os inteletuais mais impolutos e honrados do país...
    Contristado, mas interessante poema de denúncia e intervenção, dever meritória dos intelectuais.
    Abraço, estimado Amigo.
    ~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  17. Mis saludos y que pases un feliz fin de semana.

    ResponderExcluir
  18. O mais recatado senhor
    É um ministro do Supremo...
    Declara seu voto ao extremo
    Do ridículo e do pudor.

    E o miserável, ao horror
    Do que vê e do que eu tremo,
    Se amofina, solta o remo,
    E que vá a nau aonde for...

    Cabe a nós tomar o rumo
    Ir ao timão, por a prumo
    A adernada embarcação,

    Pois o povão, em resumo
    Chupa o caroço que o sumo
    Foi chupado por ladrão.

    Grande abraço, Pedro! Muito bom o teu poema de protesto e contestação. Parabéns! Laerte.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, meu amigo Laerte, vens dar o teu brilho poético a esta minha postagem, pelo que agradeço, como grato fico com as tuas palavras de estímulo.
      Um grande abraço.

      Excluir
  19. Gran poema, Pedro, envuelto en una realidad cada día más ostensible.

    Abrazo austral.

    ResponderExcluir
  20. Um excelente retrato da realidade atual, feito poema.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  21. Palavras intensas e sentidas, retratando uma triste realidade.
    Belissimo poema
    Bom fim de semana
    Um abraço
    Maria

    ResponderExcluir
  22. Vim agradecer tua honrosa visita ao meu blog e dizer o quanto fiquei feliz e também por estar a me seguir. Amei teu espaço, tua poesia que mostra o quanto és talentoso, tens alma poética e a usa para, poeticamente, expor sentimentos, indignações e um grito de socorro pelas injustiças que existe no mundo. Abraços!

    ResponderExcluir
  23. Purtroppo esistono persone crudeli, che si muovono agilmente, in questa
    dimensione di mondo, sempre più in degrado...
    Sempre bello leggerti, Pedro, buona domenica e un sorriso,silvia

    ResponderExcluir
  24. E cada vez em maior número, os desprezados são um produto da sociedade atual.
    Excelente poema, gostei imenso.
    Bom domingo e boa semana, caro Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  25. A dura e atual realidade! Versos profundos, que dizem muito!
    Pedro, desejo-lhe uma ótima semana e que tenhamos coragem, para passar por estes tempos ocos e trágicos em nosso país.
    Um grande abraço a você e família.

    ResponderExcluir
  26. Un poema muy bueno.

    Excelente.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  27. "chaga do país à mostra sem recato". Um poema perturbador, a denunciar uma realidade terrível e sufocante...
    Uma boa semana, meu Amigo Pedro.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  28. Olá Pedro, agradeço por seguir meu blog, sua visita muito me alegrou. Alegrou-me também o seu grito sobre a imundice e falta de vergonha que assola o Brasil, ninguém merece essa sujeirada toda. Mais que oportuno seus versos. Chega mesmo !!
    Boa semana.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  29. Pedro Luso
    Belo e bem conseguido poema de intervenção. As metáforas utilizadas, o tornam suave, mesmo para os poderes políticos, para quem o poema não seria inócuo.
    Abraço

    ResponderExcluir
  30. Hay poemas que por muy optimista que seas te dan un portazo en la cara.
    Sobre todo si sabes que están cargados de razón.

    Pero el termostato te grita que no te rindas, que abras puertas y ventanas y te pongas en marcha. Saludos, Pedro.

    ResponderExcluir
  31. ¡Hola Pedro!!!

    Caramba, nos dejas unos bonitos y profundos versos, aunque también has sabido darle un toque sutil entre metáforas lo real, como si lo hubieras visto a través de un rayos equis. Difícil será extinguir la pobreza los despreciados como tú bien dices, es triste pero es lo que hay en todas partes de este mundo cruel sin conciencia.

    La pintura es un abstracto que acompaña tus letra a la perfección totalmente de acorde.

    Me ha gustado mucho este post y te felicito.
    Te dejo mi gratitud y mi estima.
    Un abrazo y feliz semana.

    ResponderExcluir
  32. Una visión triste y melancólica de una realidad que nos abofetea día a día, en nuestros paseos rutinarios por cualquier gran ciudad del mundo.
    Un saludo

    ResponderExcluir
  33. Boa tarde, Pedro,
    seu poema tão bem construído, mas triste pela situação que nos revela, e a qual
    é a realidade de nosso país.Somos tantos os desprezados, e quem sabe quantos ainda virão a ser. Suas palavras nos levam a quase desesperança pela falta de opção, porque a chaga de nosso país a cada dia aumenta mais, e a dor também.É bom saber que existem as palavras, com as quais podemos gritar o nosso pesar e nos juntarmos aos demais para juntos mostrarmos que precisamos e queremos um Brasil melhor. Abraço!

    ResponderExcluir
  34. um poema que é um grito
    a mexer na ferida
    e denunciar o que salta à vista
    triste mas a realidade nua e crua

    um bom poema

    beijo

    :)

    ResponderExcluir
  35. Bom dia, Pedro
    Versos duros, incisivos, retrato perfeito duma realidade triste e assustadora!
    O Brasil atravessa um período muito complicado.
    É necessário e urgente gritar bem alto a revolta que vai nos corações do povo.
    Que cada um o faça com as armas de que dispõe - que o poeta use a poesia, como você, amigo Pedro, está fazendo.
    Parabéns.

    PS – Obrigada pela gentil presença.

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  36. Hola paso por agreferte tu fidelidad en mi blog.
    Gracias.
    Besos

    ResponderExcluir
  37. Olá...
    Poesia bem construída a respeito de uma triste realidade. Mas, há esperança... Depende de nós, sociedade...
    Abraço e obrigada pela visita no Ciranda de Frases...

    ResponderExcluir
  38. Una realidad Pedro y el dolor en cada verso que grita su verdad.

    mariarosa

    ResponderExcluir
  39. Uma triste realidade bem mostrada em sua poesia.
    Um abraço.
    Élys

    ResponderExcluir
  40. Quando morre a esperança...é o início de uma realidade menos morta.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  41. TU POEMA MUY COHERENTE.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  42. O triste momento que passamos aliado aos problemas mundiais, não como fugir de sentimentos de humanidade,que anda esquecida numa lata de lixo ou sob um tapete imundo onde eles pisam e massacram toda uma população. Perfeita repudia mestre à toda esta onda de injustiça e desumanidade que assistimos, envolvidas em papeis sujos de locupletações e corrupções.
    Belo trabalho de usa lucidez e arte da escrita com sensibilidade.
    Meu terno abraço e bom fim de semana com paz.

    ResponderExcluir
  43. Nua e crua a realidade.
    Bendita!
    Bem dito!!

    ResponderExcluir
  44. Algo de errado ocorreu mesmo na génese humana...
    O homem, é mesmo um bicho que se destrói a si mesmo... e se despreza entre si... que não se consciencializa de que a sua acção tem impacto nos outros, e nem se importa com isso...
    Até bicho... tem mais instinto (ou consciência) da preservação da sua espécie...
    Mais um trabalho notável, que aborda muitíssimo bem o cerne da questão... há desprezos... que contaminam o mundo... e com o tempo... parece que somos todos indiferentes e desprezíveis aos olhos uns dos outros...
    Enfim... a humanidade colhendo... o que semeia...
    Solidariedade, altruísmo, respeito... onde foi que se perderam, nesta evolução da nossa espécie?...
    Um grande abraço! Bom domingo!
    Ana

    ResponderExcluir
  45. O barómetro de uma sociedade. Um bom poema que tanto nos entristece!

    Beijinho, Pedro.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO