>

4 de mar de 2017

[Poesia] PEDRO LUSO - Ansiedade do artista




                 ANSIEDADE DO ARTISTA
 – PEDRO LUSO DE CARVALHO

Fantasmas cercam o artista
na noite, quase madrugada.
No ateliê vestido de quadros
ainda ecoa o estampido da arma.

Na ânsia de criar, o artista fere
a tela virgem com o sangue
do homem – dançam pincéis
com tantas tintas no alvo tecido.

O artista anseia esquecer
o dia de fúria, esquecer a arma
municiada na mão tensa –
sentença irrecorrível.

Nos contornos de lúgubres figuras,
compostas em grandes telas, homens
e mulheres assombram – a criança
transborda alegria num universo de cores.





*    *    *




43 comentários:

  1. Pedro:
    Quando nos deparamos com uma obra de arte vemos o lado estético, a linguagem, a mensagem e a beleza que está inserida nessa mensagem. Vemos suas cores e seus traços. Porém, numa obra o artista passa o mais importante que sai de seu íntimo: emoções!
    Picasso passou seu pavor em Guernica;
    Goya nos deixou o relato em sua obra 'Os fuzilamentos de 3 de Maio';
    Munch passou o medo em sua obra 'O Grito';
    Otto Dix nos deixou os Mutilados de Guerra;
    Frida Kahlo deixou retratado sua vida conturbada e sua enorme dor física.
    Botero nos retratou todas as 'Dores da Colômbia' que tivemos o privilégio de ver quando veio à Porto Alegre. E a arte cemiterial? É aterrorizante para alguns, mas extremamente linda para outros. E por aí vai... Não existe artista insensível às mazelas do mundo.

    Esse teu poema relata nada menos do que a emoção do artista, poema sensível e revelador de quem conhece a alma humana.
    Adorei, beijinho!

    ResponderExcluir
  2. PEDRO LUSO,
    neste seu poema no qual, exatamente como fazem as rendeiras de bilros, você teceu pacientemente cada estrofe com a competência dos grandes mestres da sabedoria poética.
    E a estética da forma da sua poesia, vibrou em ética,preservou o essencial, afastou do todo, criando espaço próprio, para a criança e seu mundo de alegrias das cores.
    Esta eterna esperança do amanhã que deverá ser melhor.
    O que fizeram os grandes e magistrais artistas plásticos de todas as suas categorias e classificações?
    Sem dúvida, através das suas sublimações e projeções em telas ou outros materiais, todos eles vibraram em uníssono nas cordas mágicas do transcender uma realidade pouco palatável, para em êxtase de sentidos,degustarem todo o néctar da verdadeira felicidade suposta e construída em suas imaginações.
    E nenhuma outra referência pode ser maior do que aquela que vislumbra na criança o sentido maior de todas as alegrias da vida.
    Um abração carioca Pedro Luso.

    ResponderExcluir
  3. Fantástica inspiração poética.

    Bom fim de semana.

    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Literatura & Companhia Ilimitada18:22
    Olá Pedro! Fiquei muito feliz com a tua visita, teu comentário e, principalmente, por te tornares seguidor do nosso humilde espaço. Isso somente aumenta a minha responsabilidade de melhorar tudo aquilo que crio e escrevo. Espero que voltes mais vezes, pois será sempre um prazer renovado. Eu, particularmente, aqui voltarei, pois além de teres um espaço interessante e bastante aconchegante, tomei a liberdade de me tornar seguidor, isso até quando permitires, é claro.

    Adorei este teu belo e profundo poema, prova inconteste do grande poeta que és.

    Estou retornando com a esperança de continuar sendo merecedor da tua valiosa amizade.

    Abraços,

    Furtado.

    Visite também http://arteemoes.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Suggestione, e grande originalità, in questo tratto poetico di intensa e bella lettura
    Buona domenica e un caro saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  6. Una inspiración muy bonita Pedro. Has expresando en poesía el sentimiento que le lleva al pintor hacer su obra.
    Un placer pasar por tus letras tan armoniosas.
    Un abrazo y feliz domingo.

    ResponderExcluir
  7. Non è sempre facile “capire” il significato di un’opera. Spesso ci soffermiamo al primo impatto visivo perché ci manca la preparazione per cercare di capire il messaggio dell’artista.
    Felice domenica.
    enrico

    ResponderExcluir
  8. Poema forte, intenso, cheio de contraditórias emoções. A noite sempre transporta os piores fantasmas da gente, e o artista, também é gente. Talvez mais sensível que o resto da humanidade, mas também por isso sente com mais intensidade o que se passa à sua volta. O medo está presente em todo o poema, o artista não consegue despi-lo, a não ser no final quando a alegria entra, na forma da criança.
    As crianças são sempre a esperança dum mundo melhor não é mesmo, Pedro?
    Eu gostei.
    Um abraço e bom domingo

    ResponderExcluir
  9. Que bela poesia, mostrando toda a sensibilidade e inspiração que há em ti! abraços, chica, ótimo domingo!

    ResponderExcluir
  10. Hola Pedro, es un placer volver a disfrutar de tus profundas y bellas letras.

    Agradezco el cariño, la ternura y el sustento, que dispensas a mi alma mientras me ausento.
    Voy despacio, pero poco a poco iré pasando y saludando.
    GRACIAS, por tenerme en tu recuerdo.

    Desde mi refugio te leo y te doy un abrazo.
    Ambar

    ResponderExcluir
  11. Quem pinta identifica-se plenamente com este belíssimo e intenso poema.
    A ansiedade pode ser criativa mas também pode ser muito destruidora.

    Um beijinho

    ResponderExcluir
  12. Quando o artista se entrega à transpiração da arte eis que surge o inevitável rastro feito em obra. Aproveitando para convidar ida à nossa www.hellowebradio.com ... você. Vem!
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  13. El mundo del arte, es impredecible...
    Tu magnífico poema, lo retrata bien.
    Saludos

    ResponderExcluir
  14. Excelente o seu texto
    que nos transporta em todos os apeadeiros
    para reler em voz alta


    ResponderExcluir
  15. Um artista no auge de de sua ansiedade criativa transforma em arte sua dor...
    Um abraço

    ResponderExcluir
  16. Bom final de semana! Beijos

    ResponderExcluir
  17. Pedro Luso
    Pelo interessante assunto bem tratado o poema é uma boa homenagem aos pintores, que decerto se podem rever nele.
    Abraço

    ResponderExcluir
  18. É a primeira vez que admiro um registo seu, em composição poética...
    Não é um poema fácil de interpretar por mim, porque a pintura surrealista não é a minha praia...
    Acredito que um tiro possa causar um colorido surpreendente sobre uma tela revelando ansiedade; com um efeito estético infantilizado...
    Pedro, gostava de apreciar os seus poemas em temas diferentes e congratulo-me com esta sua vocação.
    ~~~ Abraço, amigo ~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Majo.
      Uma parte dos meus poemas está postada neste espaço, Blog Veredas; para conhecê-los basta ir ao ÍNDICE, que fica na barra lateral, onde está escrito Poesia - Pedro Luso.
      Um abraço

      Excluir
  19. A ansiedade na criação é sabida como natural, as vezes quando o processo desvia da inspiração e tudo pode acontecer. Um poema complexo na definição da arte com o desejo de ver formas concretizando a obra.
    Um bom fim de noite amigo e que a semana seja vitoriosa.
    Meu terno abraço de paz.

    ResponderExcluir
  20. Seguro que al traducirlo he perdido algo de la esencia del poeta, da igual, me ha gustado mucho tu sentir. Un abrazo

    ResponderExcluir
  21. Gosto de encontrar um poema aqui, Pedro. Procurei lê-lo com aquilo a que Klee chamou "olhos que pensam". Um poema é uma experiência dolorosa e muito profunda tornada expressão. Por isso, fazer da poesia um chamamento ansioso para descobrir esse rumor de palavras e silêncios, é um modo de convocar a luz para esconder as sombras. Gostei da relação com a pintura. Jackson Pollock ilustra bem o poema.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  22. Bello y trágico poema. El sufrimiento personal llega al límite y solamente nos liberamos de él expresando, canalizando emociones a través del arte, o casi siempre, mediante el arte: pintar, escribir, esculpir...en definitiva crear. A veces los monstruos que llevamos dentro se quedan reflejados en un simple papel.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  23. ... Guiño el ojo izquierdo,
    luego el derecho
    y sin reconocerlo,
    un idioma nuevo cruza las sombras...

    ...para posarse en la luz que apenas amanece...

    ResponderExcluir
  24. Muitas vezes a criação artística é um verdadeiro sofrimento.
    Um belo poema amigo Pedro de que gostei bastante.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  25. No tengo dudas, amigo Pedro, que el artista para ser tal, debe poseer sentimientos a veces opuestos, pero que son los que le dan el alma y la vida a sus creaciones.

    Abrazo austral.

    ResponderExcluir
  26. UNA GESTA MAGNIFICA!!!!
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  27. Uma agradável surpresa, Pedro!
    Um poema!... Estava à espera da habitual crónica...
    E uma vez mais... um tema brilhantemente abordado... a criação... para muitos artistas é mesmo um processo de sofrimento... e ansiedade... ou porque se têm de adaptar às regras de mercado... esquecendo a sua essência... ou porque são confrontados com falta de aceitação e reconhecimento... ou porque simplesmente não conseguem viver apenas da sua arte...
    E não raras vezes... o verdadeiro valor... surge com o desaparecimento do artista... Van Gogh... o exemplo perfeito! Creio que nunca vendeu um quadro, enquanto foi vivo... embora conste que vendeu um... dizem que se matou... mas a arma do crime nunca foi encontrada... nem indícios de pólvora ou queimaduras nas suas mãos, pelo disparo, o foram também...
    Mas o seu verdadeiro valor... começou aí... com o desaparecimento do próprio artista!
    O artista escolhido, na pintura acima, também retrata muito bem, o verdadeiro espírito primordial que leva qualquer pintor a encher uma tela... o de uma criança que transborda alegria num universo de cores... como tão bem salientou nas suas palavras...
    Adorei o poema, Pedro!
    Um grande abraço! Continuação de uma feliz semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  28. Un arma para crear un universo de colores, me gusta mucho la idea.
    Abraços, Pedro.

    ResponderExcluir
  29. Literatura & Companhia Ilimitada

    Olá Pedro! Fiquei muito feliz com a tua visita, teu comentário e, principalmente, por te tornares seguidor do nosso humilde espaço. Isso somente aumenta a minha responsabilidade de melhorar tudo aquilo que crio e escrevo. Espero que voltes mais vezes, pois será sempre um prazer renovado. Eu, particularmente, aqui voltarei, pois além de teres um espaço interessante e bastante aconchegante, tomei a liberdade de me tornar seguidor, isso até quando permitires, é claro.
    Adorei este teu belo e profundo poema, prova inconteste do grande poeta que és.
    Estou retornando com a esperança de continuar sendo merecedor da tua valiosa amizade.
    Abraços,
    Furtado.

    Visite também http://arteemoes.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  30. Pedro, poesia é isso – liberdade de expressão e de composição. Segundo penso poesia está na transmissão da mensagem do subjetivo do poeta à alma de outrem. Isto porque a mensagem subjetiva nada mais é que uma mensagem anímica do indivíduo que a produz. E a poesia está muito no modo de colocar as palavras ou seja dizer de forma que ainda não foi dita, ou com termos que sugiram ambiguidade como fez Fernando Pessoa. Isso posto: gostei imensamente das figuras criadas como – “fantasmas cercam o artista” – “dançam pinceis – no alvo tecido” (ambiguidade de alvo: o alvo é escopo ou cor branca) – “o artista anseia esquecer”... ( quem tem ânsia não é por esquecer, mas por buscar, chegar, findar...) – “Homens e mulheres assombram” (dão sombra, sombreiam figuras na tela ou aterrorizam) e “a criança transborda alegria num universo de cores” (a criança está na tela ou está a observá-la?) Em suma, sou de parecer que o amigo deva enveredar por esse viés, também, da literatura, já que tem alma de poeta e escreve textos tão bem, com o cabedal de palavras significativo que possui é fácil amoldá-las à tela a pintar, pois a poesia não deixa de ser uma pintura. Rodrigo de Haro é pintor e poeta e diz que pinta poesia e poetisa quadros. Poesia não tem regra ou escola como Parnasiana etc. Poesia é liberdade. Por isso que posso te afirmar com toda a sinceridade de nossa amizade de longa data e sem modéstia: me acho como engenheiro, um excelente versejador, mas um péssimo poeta, se é que me chamam de poeta, os amigos queridos para fazer-me um agrado. Eu não tive a graça de receber do Altíssimo uma alma de poeta. Parabéns poeta Pedro Luso, pois você demonstra ter alma de poeta! Abraço fraterno. Laerte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O teu comentário, Laerte, denuncia o amigo que tenho. Esse amigo que diz ser "como engenheiro, um excelente versejador, mas um péssimo poeta"; ao contrário, Laerte, tu és um talentoso poeta.
      Gostei da tua exposição sobre a teoria da poesia, como também gostei da tua análise do meu poema. Apenas quero acrescentar uma possibilidade de mais uma figura, no trecho que dizes: "a criança está na tela ou está a observá-la?" [“a criança transborda alegria num universo de cores”]. Nesses versos, Laerte, também se pode pensar que essa criança é o próprio pintor.
      Obrigado amigo, pelo estímulo deste comentário.
      Um grande abraço. Pedro

      Excluir
  31. Pedro,

    Excelente seu poema, um tema original abordado com
    sensibilidade e competência na construção poética
    e profundidade textual. Com uma complexa, rica e bela
    imagética.
    Uma obra de arte é inquestionável ao revelar ou não
    o talento do autor.
    Parabéns pela sua arte poética.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  32. Un profundo y excelente poema.
    Muy bueno.

    Un placer tus letras.
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  33. Me ha gustado mucho. Aunque la forma haya perdido algo con la traducción la esencia se conserva.
    Un abrazo Pedro

    ResponderExcluir
  34. Gostei, muito bonito!
    Meu abraço amigo!
    Rui

    ResponderExcluir
  35. Uau!
    Pedro, não te sabia poeta. E competente.
    Gostei do poema. Gostei do comentário da Tais.
    O poeta e a artista formam uma dupla perfeita.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  36. Boa noite Pedro.
    Que poema belo. Lhe admiro pelas suas excelentes croniças, e já sabia que era um bom poeta também. Lembro-me que foi um dos seus poemas que me fizeram daqui não sair mais rsrs. Era um poema diferente, sobre o assunto temido por muitos mas achei bem profundo. E agora meu amigo lhe dou meus parabens pelo segundo poema que achei brilhante. Conheço um pintor e posso garantir que ao pintar, não permite que nem um agulha cai no chão rsrs. Mas vale a pena as suas telas são lindas e mostram uma grandeza da alma, ao expressar seus sentimentos. Felizes dias para voces. Obrigada meu amigo pela força no momento que eu fraquejava. Abraços.

    ResponderExcluir
  37. Cuando he entrado en tu espacio y he visto ese cuadro... me quedé un buen rato contemplándolo y no sabría qué poder decir.
    Un cuadro expresionista, no conozco al autor ni sé nada de él, pero debe ser difícil interpretar los sentimientos de una persona a través de la pintura.
    ¿Qué pensará? ¿Cómo se sentirá?
    Tú, con tu talento de poeta, también creas, con tus letras, un universo de colores.
    Cariños.
    kasioles

    ResponderExcluir
  38. Bom dia, Pedro
    Surpresa agradável, muito agradável mesmo, pois não te sabia poeta.
    E que poeta!
    Belo poema. Gostei muito.

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  39. Pedro, gostei de conhecer seu blogue. Este casamento entre a pintura e a poesia encanta-me. De facto as palavras pintam-se na tela. E o Pedro soube agarrar o tema.
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  40. Acredito que todos os artistas anseiam por transmitir nas suas obras o que lhe vai na alma.
    Adorei a pintura e o poema.
    Um abraço
    Maria

    ResponderExcluir
  41. Os desespero e ansiedade que nos assaltam na labuta do dia prolongam-se pela noite fora. O poeta, ao fim e ao cabo, empenha-se numa folha branca de papel onde resolve as angústias. No divã da poesia...

    O poeta pôs-se a pintar
    como se fosse pintor
    Usou sem restrições talento
    pinceladas fortes de alento
    Usou técnica e processo:
    um dia na tela impresso

    Abraço.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO