>

9 de jul. de 2020

[Poesia] EDGAR ALLAN POE – Um Sonho Num Sonho


PEDRO LUSO DE CARVALHO

EDGAR ALLAN POE não foi o nome anotado no registro civil, onde constava apenas Edgar Poe, nascido no dia 19 de janeiro de 1809, em Boston, Massachusetts, Estados Unidos da América, filho de artistas ambulantes, o pai um ator que teve uma vida obscura, falecido logo após o seu nascimento, a mãe, uma atriz inglesa, que morreu no ano de 1811, em extrema pobreza, quando o filho Edgar não tinha completado ainda três anos de idade.
Órfão, o menino Edgar foi adotado por Elizabeth e David Allan, casal escocês, sem filhos, que vivia na cidade de Richmond. Seu pai adotivo, comerciante abastado, deu-lhe o nome de família “Allan”. Então, ao juntar ao seu nome de registro a “Allan” ficou o nome que se tornaria famoso e que resistiria a passagem do tempo: Edgar Allan Poe. Esse genial contista, poeta, ensaísta faleceu a 7 de outubro de 1849, em Baltimore, Maryland, EUA, aos 40 anos de idade.
A nova família mudou-se para a Inglaterra em 1815. Poe passou a estudar na escola particular Stoke-Newington, no subúrbio de Londres. De volta aos Estados Unidos, em 1820, passou a estudar em Richmond, Virginia. Depois foi admitido na aristocrática Universidade de Virginia, fundada por Thomas Jefferson, poucos anos antes do seu ingresso.
Poe nunca se enquadrou com o modo de vida da Universidade, que estava habituada à férrea disciplina; ele, ao contrário, pessoa inquieta, tinha conduta irregular, se vista segundo a cultura desse grupo social. A bebida, o jogo, as maneiras pouco convencionais logo repercutiram no seio das famílias aristocráticas, que passaram a exigir do diretor a sua expulsão, o que acabou se concretizando.
No ano de 1829 morreu sua mãe adotiva. Nesse mesmo ano, Poe lançou a primeira edição de “Tarmelane and other poems”. Após o rompimento com seu pai passou a viver sob a proteção de Maria Clemm, sua tia. Com esta e sua prima, mudou-se para Baltimore. Em 1835 casou com a prima Virginia, que contava com apenas treze anos de idade. Virginia faleceu aos 27 anos, vítima da tuberculose, em consequência da pobreza em que vivia o casal.
Edgar AllanPoe obteve o reconhecimento na Europa, como escritor, primeiramente na França, onde teve como divulgador de sua obra, e o primeiro a traduzi-la para o francês, o conceituado poeta Charles Baudelaire (1821-1867). Mallarmé (1842-1898), um dos expoentes do Simbolismo francês, continuou a fazer a divulgação das histórias de mistério e de elementos macabros, que deram ao estilo gótico americano uma outra face. William Carlos Williams dizia que Poe foi o primeiro autor verdadeiramente americano.
A prosa de Edgar Allan Poe, com seus contos, mudou a literatura dos Estados Unidos da América, até então presa às convenções ditadas pela moral e pela religião. Influenciou escritores importantes, como diz, André Maurois, que estão ao seu nível: Kafka, Wells, Chesterton e Borges. Diz ainda Maurois: "Poe escreveu contos perfeitos de horror fantástico e inventou a narração policial”.
Mallarmé, um dos expoentes do Simbolismo, continuou a fazer a divulgação das histórias e poesias de Poe, que se viu consagrado nos dois anos que antecederam sua morte. Essa consagração deveu-se não apenas ao conto, mas também a sua poesia, cujos versos falam apenas de mundos interiores, sem qualquer menção ao mundo exterior, como, por exemplo, o magistral poema O Corvo, que Poe escreveu inspirado em Vírgínia Clemm, sua prima, que viria ser sua esposa.
Os CONTOS mais conhecidos de Edgar Allan Poe, são: A Máscara da Morte Rubra, O Poço e o Pêndulo, O Gato Preto, O Palácio Assombrado, O Crime da Rua Morgue.
Edgar Allan Poe pouco antes de ingressar em West Point, onde estudou durante dois anos, para seguir a carreira militar, da qual desistiu, já havia publicado o seu segundo volume de versos com uma revisão de Tamerlane e Al Aaraaf, que, em 1831 foi reeditado – os versos Israfele e Para Helena denunciavam o poeta que viria ser. Em 1833 ganhou um prêmio literário instituído pelo Saturday Visitor, com o conto Um manuscrito encontrado numa garrafa; nessa época, que contava com vinte e quatro anos de idade, Poe vivia em extrema pobreza. No ano de 1847, teve algumas de suas histórias traduzidas para o francês; Charles Baudelaire ao lê-las, assim se exprimiu: “experimentara estranha emoção”. Baudelaire aguardava as revistas norte-americanas que chegavam com a publicação dos contos e poesias de Poe.
Os POEMAS mais conhecidos de Poe, são: O Corvo (obra-prima de Poe), Tarmelão, Israfel, Para Helena, Ulalume, Os Sinos, Al Aaraaf Annabel Lee, entre outros.
No que respeita à poesia de Edgar Allan Poe, escreveu Charles Baudelaire: “Como poeta, Edgar Poe é um homem à parte. Representa quase sozinho o movimento romântico do outro lado do oceano. É o primeiro americano que, propriamente falando, fez do seu estilo uma ferramenta. Sua poesia, profunda e gemente, é, não obstante, trabalhada, pura, correta e brilhante, como uma jóia de cristal. Edgar Poe amava os ritmos complicados e, por mais complicados que fossem, neles encerrava uma harmonia profunda”.
Edgar Allan Poe era dotado de extraordinária imaginação, qualidade que se somava a outra, qual seja, a de ter sido intransigente no tocante à qualidade literária de sua obra; daí ter despertado o interesse na sua tradução do inglês para muitos idiomas – para o português, o poema O Corvo também foi traduzido por nomes famosos como Machado de Assis e Fernando Pessoa.
No que respeita à poesia de Poe, escreve Baudelaire: “Como poeta, Edgar Poe é um homem à parte. Representa quase sozinho o movimento romântico do outro lado do oceano. É o primeiro americano que, propriamente falando, fez do seu estilo uma ferramenta. Sua poesia, profunda e gemente, é, não obstante, trabalhada, pura, correta e brilhante, como uma joia de cristal. Edgar Poe amava os ritmos complicados e, por mais complicados que fossem, neles encerrava uma harmonia profunda”.
Vai transcrito abaixo o poema Um sonho num sonho, de autoria do  nosso homenageado, Edgar Allan Poe:

UM SONHO NUM SONHO
                Edgar Allan Poe




Este beijo em tua fronte deponho!
Vou partir. E bem pode, quem parte,
francamente aqui vir confessar-te
que bastante razão tinhas, quando
comparaste meus dias a um sonho.
Se a esperança se vai, esvoaçando,
que me importa se é noite ou se é dia...
ente real ou visão fugidia?
De maneira qualquer fugiria.
O que vejo, o que sou ou suponho
não é mais do que um sonho.

Fico em meio ao clamor, que se alteia
de uma praia, que a vaga tortura.
Minha mão grãos de areia segura
com bem força, que é de ouro essa areia.
São tão poucos! Mas fogem-me, pelos
dedos, para a profunda água escura.
Os meus olhos se inundam de pranto.
Oh! meu Deus! E não posso retê-los,
se os aperto na mão, tanto e tanto?
Ah! meu Deus! E não posso salvar
um ao menos da fúria do mar?
O que vejo, o que sou ou suponho
será apenas um sonho num sonho?




             *  *




REFERÊNCIAS:
MAUROIS, André. De Aragon a Montherlant. Tradução de Paulo Hecker Filho. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1967, pg. 99-100.
POE, Edgar Allan. Poemas e ensaios. Tradução de Oscar Mendes e Milton Amado, 3ª ed. Revista. São Paulo: Editora Globo, 1999, p. 11-13, 45-46.
POE, Edgar Allan. Dictionnaire Encyclopédique Pour Tous. 24ª tirage. Paris: Petit Larousse, 1966.
POE, Edgar Allan. Antologia de Contos. Tradução de Brenno Silveira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1959.



         *  *  *



35 comentários:

  1. Mais uma publicação com um poema muito bom!!
    .
    Chegas devagar ao meu mundo

    Beijo e um excelente dia!

    ResponderExcluir
  2. Ótima biografia apresentaste aqui, seguida de linda poesia! Valeu a homenagem.Merecida! abração, ótimo fds no friozão! chica

    ResponderExcluir
  3. O saber nunca ocupou lugar. Poema lindíssimo que me extasiou ler.
    .
    Que a vida seja um sorriso
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
  4. He leído hace bastante tiempo, sus cuentos. Es un gran escritor.

    Besos

    ResponderExcluir
  5. El mundo de los sueños siempre es fascinante, don Pedro.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. "sonho num sonho", ideia que, ao que julgo, se reflecte em Mário Sá-Carneiro
    e no próprio Pessoa...

    uma verdadeira lição sobre Edgar Allan Poe, caro amigo
    que apreciei sobremaneira.

    forte abraço, Poeta.

    ResponderExcluir
  7. Boa notie de paz interior, amigo perdro!
    "... comparaste meus dias a um sonho"...
    "O que vejo, o que sou ou suponho
    não é mais do que um sonho."
    "O que vejo, o que sou ou suponho
    será apenas um sonho num sonho?"
    Aqui é cultura e poesia a cada postagem. Não conhecia o poema, obrigada por tê-lo me dado a conhecer.
    Tenha dias abençoados!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  8. Pedro,
    Como sempre uma maravilhosa
    e completa publicação.
    Aprecio e sou leitora de
    Allan Poe.
    Bjins de ótima sexta-feira
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  9. Pedro,
    A vida de Edgar Allan Poe foi difícil, vida sofrida, e isso aparece em seus inúmeros poemas genialmente escritos. Poemas românticos que diziam apenas do universo interior humano deixando em cada um de seus poemas, resquícios de sofrimento.
    Perdeu a mãe, depois a mãe adotiva e a esposa. Vida sofrida sim, no entanto, buscou seu sonho, dedicou-se à poesia e aos contos misteriosos e macabros, tornando-se, segundo, William Carlos, o primeiro autor verdadeiramente americano.
    Ótima postagem sobre o grande Edgar Allan Poe, o autor do conhecido e famoso poema O Corvo. Muitas obras desses grandes escritores fundem-se com suas vidas.
    Gostei muito de ler, uma leitura que nos leva calmamente, mas curiosos até o fim.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  10. Un buen autor del que he leído varias de sus obras.
    Triste su muerte prematura.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  11. Edgar Allan Poe é um nome que não se esquece. De reconhecida qualidade.
    Gostei muito de encontrar aqui a sua biografia. Não teve vida fácil, mas talento não lhe faltava.
    Poema maravilhoso, caro amigo Pedro.

    Abraço amigo.

    ResponderExcluir
  12. Es un maestro Allan Poe, no sabía lo de su rebeldía con la Universidad, pero a las almas inquietas les cuesta mucho regirse a eso. Saludos desde El Blog de Boris Estebitan.

    ResponderExcluir
  13. Boa noite tudo bem? Sou brasileiro, carioca e procuro novos seguidores para o meu blog. E seguirei o seu com prazer. Novos amigos também são bem vindos, não importa a distância.

    https://viagenspelobrasilerio.blogspot.com/?m=1

    ResponderExcluir
  14. Oi, Pedro...que ótima postagem! Gostei muito dos dados biográficos de um autor que foi um dos pilares da literatura. O Corvo era na minha casa um referência de citação pelo meu querido pai...um sentimento profundo do "nunca mais". Fantástico o poema postado de profunda reflexão...
    Obrigada.Um abraço

    ResponderExcluir
  15. Bom dia Pedro obrigado pelo carinho. Fico feliz em ser seu novo amigo. Parabéns pelo seu blogue. Um excelente domingo.

    ResponderExcluir
  16. Belíssimo poema de Edgar Allan Poe! Um sonho por outros sonhos repartido...
    Gostei desta forma como apresentou o autor e a sua obra.
    Um beijo, meu Amigo Pedro-

    ResponderExcluir
  17. Palavras profundas e sentidas num poema sublime.
    Excelente post sobre Edgar Allan Poe.
    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  18. Incluso para quien no conzca a Poe, leer su entrada le hará interesarse por el poeta, a quien descubrí de adolescente.

    En este reencuentro con él desde hace mucho tiempo, he vuelto a sentir la sensación de que ocultos por los pliegues de su obra, incluso los más sórdidos, vagan los anhelos de un alma pura que vivió deseando regresar junto a su amada prima. Y que por diversos que sean, sus poemas parten de esa misma referencia, formando un mandala que cobijase la experiencia más importante de su vida. Gracias por el reencuentro.

    ResponderExcluir
  19. Gostei muito de ler e saber sobre Poe, somente ano passado li alguns contos dele, são narrativas bem detalhadas, gostei demais da experiência da leitura.
    O poema aqui colocado é maravilhoso!
    Abraço, amigo Pedro!

    ResponderExcluir
  20. Muito bom vir aqui e aprender mais sobre Alan Poe.
    Um trabalho muito bonito e a escolha de poema perfeita.
    Acho engraçado como muitos artistas da época acabavam
    desenvolvendo uma doença.
    Grato Pedro e que a semana seja leve.
    Abraços Pedro.

    ResponderExcluir
  21. Grande partilha, meu caro amigo.
    Edgar Allan Poe, que influenciou franceses, italianos, espanhóis, portugueses, alemães, russos, no século XIX. E no século XX, entre outros, os brasileiros. O que já foi chamado de Profeta pelos jovens poetas franceses. E um belo poema que nos trouxe.
    É sempre bom desengavetá-los (os poetas e ficcionistas consagrados pela crítica), sobretudo para os jovens...
    Um grande abraço, meu amigo Pedro

    ResponderExcluir
  22. Boa memória e partilha

    ResponderExcluir
  23. Boa tarde, caro Pedro. Brilhante a sua postagem, Alan Poe fez e faz parte da minha seleção literária. Sempre brilhante, Poe coloca suas emoções na sua escrita, o padecimento que teve na vida serviu como inspiração em muitas de suas obras, agradeço por ter aqui em seu espaço matéria literária tão valiosa. Abraço!

    ResponderExcluir
  24. Boa noite caro Pedro!
    Lindo de se ler!
    Um sorriso sonhando ... sonhando ... sonhando.
    Megy Maia🌈

    ResponderExcluir
  25. PEdro
    Uma bela homenagem a Edgar Allan Poe, e o poema que escolheu está muito bem escolhido.
    Bela postagem!
    Bom domingo
    Beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Piedade é sempre com alegria que recebo a sua visita. Obrigado poetisa.
      Beijo.

      Excluir
  26. Caro Pedro,
    como sempre a escolha do autor foi ótima. Edgar Allan Poe ficou popularmente associado a um estereótipo mórbido através do "Corvo". Óbviamente deve-se a não divulgação mais ampla da obra desse mestre das letras. O poema para Helena é romântico.
    As minhas opiniões refletem apenas o meu pensamento, leigo literáriamente.
    Um abraço de todos do atelier

    ResponderExcluir
  27. Um texto muito informativo e muito interessante, apesar de ter repetições.

    Li muitas coisa deste excelente escritor, que tinha uma manancial imaginativo inesgotável.

    Meu caro Pedro, lhe desejo boa semana e deixo um abraço desde este lado do oceano :)

    ResponderExcluir
  28. Amigo Pedro, no me extraña que Allan Poe todo lo que escribía era trágico y de miedo, por lo menos eso me parece a mi.
    Muy interesante todo o que has escrito sobre él.Un fuerte abrazo.

    ResponderExcluir
  29. Uma homenagem brilhante a um não menos brilhante escritor. Estou estou a tentar voltar. Beijinhos amigo com carinho

    ResponderExcluir
  30. "Se a esperança se vai, esvoaçando,
    que me importa se é noite ou se é dia...
    ente real ou visão fugidia?"

    Por esta passagem se vê bem a tendência em que se inseria Allan Poe e na qual se encontram os seus contemporâneos Baudelaire e Mallarmé, aqui referidos.

    Bela essa ronda por autores famosos, de quem se ouve falar e que fazem parte do nosso imaginário, mas que nem sempre aprofundamos.

    Grata por este seu trabalho, meu amigo.

    Abraço

    Olinda

    ResponderExcluir
  31. Mais uma fabulosa publicação, que nos remete para um grande autor!
    Magnifico suporte informativo, e uma excelente escolha poética, que nos mostra na perfeição que a inquietude, e o sentimento de inadaptação, terão estado muito presentes na vida e obra deste magistral autor...
    Belíssimo post, Pedro! Mais um...
    Beijinho
    Ana

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho