>

6 de out de 2019

[Poesia] PEDRO LUSO - Os Perigos da Noite







OS PERIGOS DA NOITE

-- PEDRO LUSO DE CARVALHO




O vazio domina a tarde
que se finda,
sem que se possa dizer
que há vida.

Na tarde não há sombra
para meu abrigo.
Na calçada, meu passeio
e minha fuga.

Já queimei ao sol o corpo
e também a alma
no meu andar sem rumo,
em ruas da cidade.

Vejo que agora se põe o sol
e logo a noite chega,
altera o ritmo do caminhar,
põe em risco a vida.

Tendo os passos inseguros
reajo às sombras,
faço meu caminho de volta
para meu refúgio.




*  *  *




32 comentários:

  1. Meu caro Pedro,
    Nós que vivemos em grandes urbes, sabemos dos perigos que existem nas ruas (principalmente no período noturno). Foi-se o tempo em que contemplar o céu estrelado e o luar, era cenário comum aos que estavam enamorados.

    "...Tendo os passos inseguros
    reajo às sombras,
    faço meu caminho de volta
    para meu refúgio."

    Então é isso, nada melhor que o conforto e a segurança do nosso lar, estando ao lado de quem amamos e que nos traz paz.
    Um abraço meu amigo e bom domingo!

    ResponderExcluir
  2. Momenti di incertezza, in cui, anche le luci sfumate del tramonto, trasmettono un senso d'ansia.
    Versi molto apprezzati.
    Buona domenica e un saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  3. Linda poesia,Pedro e retrata a verdade que vivemos: o medo da noite, a insegurança...Infelizmente, ela aparece e se mostra mesmo de dia! abraços, lindo domingo! chica

    ResponderExcluir
  4. Bom dia. Parabéns pelo excelente poema!!

    Hoje:- Sinto que nas nuvens estão ausentes |Poetizando e Encantando|

    Bjos
    Votos dum óptimo Domingo.

    ResponderExcluir
  5. El misterio de la noche envuelto en sus sombras.
    Tu poema es muy bueno.
    Un placer siempre tus letras.
    Un beso. Feliz domingo.

    ResponderExcluir
  6. Tristes realidades, amigo Pedro, muy bien reflejadas en palabras y sentimientos.

    Feliz domingo...de lo que le queda.

    ResponderExcluir
  7. C’è stato un tempo in cui non chiudevamo le porte con la chiave.
    Ora con il buio può capitare di rifugiarci in casa dietro alle nostre porte blindate.
    Buona settimana caro amico, un abbraccio
    enrico

    ResponderExcluir
  8. Boa noite de Domingo, amigo Pedro!
    Tenho medo da noite desde muitos anos e não saio de jeito nenhum sozinha.
    Meu horário de sair só à rua é de criança na volta da escola no truno da tarde. Primo pela segurança e temos todos muito a perder sim. Nossa vida é valiosa e qualquer dano em muitos níveis é um estrago horrível.
    Muito bom abordar temáticas assim atuais e relevantes em seus poemas.
    Tenha uma nova semana feliz e abençoada!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  9. Una gran realidad en las noches de las calles solitarias en las grandes ciudades, donde las personas no suelen pasear y todos son sombras las que parecen te persiguen hasta llegar a nuestro refugio preferido.
    Me ha gustado mucho tu poema Pedro.
    Un abrazo y feliz semana.

    ResponderExcluir
  10. Hermoso poema en el que dibujas lo que en estos momentos estamos viviendo, la noche y sus sombras.
    Buen poema amigo.
    Feliz semana.
    Un beso

    ResponderExcluir
  11. Todas as sombras da noite nos parecem qualquer coisa de cruel…
    Um bonito poema, meu Amigo Pedro.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  12. Pedro, sinto no poema um excelente fotografia de um transeunte que vagueasse na cidade. Acho o máximo quando dum poema se vislumbra uma imagem. Parabéns!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  13. A noite, só pela sua escuridão já dá medo e, apesar da iluminação que há nas cidades, o negro continua e nem sempre as estrelas brilham no firmamento, o que lhe daria alguma graça. No verão é muito bom passear à noite, pois as ruas estão cheias de pessoas que , em pequenos grupo conversam alegremente. No inverno a escuridão torna-se maior, o frio é muito, o céu fica sem estrelas e o conforto do lar aquecido convida a que esqueçamos a noite lá fora; meses de inverno que nos isolam ainda mais, que nos impedem de sentar numa esplanada convivendo com os amigos. A acrescentar a tudo isto, querido amigo, há a insegurança que se tem vindo a apoderar de todos nós. Aqui em Famalicão, cidadezinha pequena, ainda podemos " dar-nos ao luxo " de caminhar pelas ruas, de noite, sem medo, mas nas grandes cidades, a situação é pior e os perigos são muito maiores à noite do que de dia. Como sempre acontece, o perigo não está na noite, mas, sim, no ser humano; mais uma vez é ele que destrói o outro ser humano, privando-so de aproveitar a noite que, apesar da sua escuridão tem os seus encantos. Sempre, sempre o HOMEM que com a sua irracionalidade nos leva a " fazer o caminho de volta " para a segurança do nosso lar, um lar que muitas vezes esconde tantos perigos quanto os da noite escura. Também aqui o homem, perigoso, desrespeita o mais sagrado dos refúgios, o lar dos
    seus semelhantes. Muito triste esta realidade, Pedro...somos prisioneiros nas nossas próprias casas. Poema muito bom, mostrando a realidade cruel em que vivemos, de dia ou de noite, o ser humano nos cerca por todos os lados; ficamos encurralados. Boa noite, amigo e uma boa semana. Beijinhos
    Emilia

    ResponderExcluir
  14. Un bello poema, Pedro.
    Luces y sombras de nuestro andar peregrino, miedos que nos acosan siempre, y el deseo de dejar atrás el desarraigo y volver al hogar, la seguridad.
    Saludos.

    ResponderExcluir
  15. Caro Pedro Luso

    A minha leitura do seu belo poema faz-me transportar as suas palavras para certos momentos da vida em que andamos por vezes sem rumo, buscando um sentido, e o
    tempo vai passando, entardecendo cada vez mais, até que o medo de nos
    nos encontrarmos sós, em nenhures, nos leva de novo para o tal refúgio de que nos tínhamos distanciado.

    Abraço

    Olinda

    ResponderExcluir
  16. Pedro:
    creo que "andar sem rumo" es uno de los grandes placeres cuando se tiene tiempo para pasear. De noche es mejor estar quieto y contemplar el cielo.
    Abraços e ótima semana.

    ResponderExcluir
  17. todos os marinheiros, mesmo os mais temerários corsários, outra coisa não almejam que não seja um porto de abrigo.

    assim os poetas, não é verdade, Caro Pedro Luso? que como nenhuns outros, tantas vezes, navegam mares encapelados e ventos contrários.

    gostei muito, meu distinto amigo

    forte abraço

    ResponderExcluir
  18. Gostei deste excelente poema amigo Pedro e aproveito para desejar a continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  19. Pedro,
    "Voltar para o lugar seguro..."
    Eis tudo que queremos
    mesmo quando lemos poesia.
    Lindos versos
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  20. O poema é belo, puro e verdadeiro, mas as noites nas nossas cidades, nos acovardam, nos travam, nos tiram um pouco as alegrias que a vida nos oferece, é um sentimento que não deveria existir. Sabemos e sentimos quando estamos fora de casa, nas raras noites em que saímos, temerosos, pensando nos instantes seguintes. Não é a vida que sonhamos, mas é a que temos no momento. Triste isso, um pesadelo que não sabíamos o que era.
    Enfim, aguardemos e que a esperança nos ajude para que não percamos o foco da vida, da alegria, da felicidade.
    Poema lindo, expõe as mazelas de um povo alegre, mas não feliz.
    Beijinho, querido.

    ResponderExcluir
  21. Infelizmente a noite trás muitas vezes com ela a insegurança e o receio.
    Belíssimo poema.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  22. Bonito poema.

    Abrazote utópico, Irma.-

    ResponderExcluir
  23. Bela poesia Pedro

    Beijinhos e bom fim dr semana
    danielasilvaoficial.blogspot.com

    ResponderExcluir
  24. "Quem boa romaria faz/ em sua casa está em paz", dizem os antigos. Apesar... os silêncios das ruas são aconchegantes. Deambular é como ter o tempo nas mãos... E poeticamente, você traduziu uma dura realidade...
    Um forte abraço,

    ResponderExcluir
  25. La anoche y sus oscuridades genera inseguridad, aunque hoy en día no se puede decir que en tu refugio estés completamente seguro, hay personas que han sido atacadas en su propia vivienda. Si bien no conozco ningún caso pero lo he leído en las noticias de la prensa.

    Besos

    ResponderExcluir
  26. Um poema algo soturno, mas muito belo.
    As realidades deste século...
    Abraço, Amigo.
    ~~~

    ResponderExcluir
  27. Una realidad en versos muy bellos.
    Abrazo

    ResponderExcluir
  28. Por vezes somos afoitos e gostamos de um maravilhoso lusco-fusco. Mas ... depressa batemos asas em direção ao ninho.
    Gostei muito deste teu arrepio poético.

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  29. A noite que é uma criança que cresceu e embruteceu amigo.
    O romantismo da noite cedeu lugar ao impune banditismo.
    O poeta se perde no medo e os versos tremem pelas ruas escuras.
    A escrivaninha é seu ponto de apoio, seu porto seguro.
    Perfeita inspiração para o olhar sobre a vida noturna das grandes cidades.
    Belo trabalho e tela fantástica de uma noite que não se pode sentir e viver.
    Meu terno abraço e boa semana com paz na família.

    ResponderExcluir
  30. Feliz nova semana Pedro.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  31. Gostei muito deste poema, Pedro!
    Senti ao lê-lo toda a preocupação do poeta com a realidade que o rodeia.
    Quantos aos perigos da noite... os há aí, aqui, no mundo todo. E cada vez mais dramáticos!
    Beijo, querido amigo.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO