>

24 de mar de 2017

[Crônica] PEDRO LUSO – Filhos vencedores




          
                  FILHOS VENCEDORES
                                    - PEDRO LUSO DE CARVALHO


Há pais que educam os seus filhos, às vezes com grande esforço, com o objetivo de vê-los vencedores nas lutas que haverão de travar mais adiante. Sabem eles que o êxito está reservado aos intrépidos.
É natural que se queiram para os filhos o melhor futuro do mundo. Para que isso aconteça, terão eles que passar muitos meses de cada ano sobre os livros, estudando o mais que possam.
Mas não é qualquer aluno que se dispõe a estudar com perseverança. Nem todas as meninas e meninos têm o pendor para o estudo. Esta será a pedra no caminho, qual o poema de Drummond.
O certo é que os pais sabem que não será fácil para os filhos conquistarem as melhores posições na competitiva sociedade. Também sabem, os pais, que o único caminho para o êxito é a dedicação férrea. Outro meio não há, que eu saiba.
Também é certo que alguns pais contam com o talento dos filhos para acumularem riqueza e poder. Eles conhecem muitas pessoas que atingiram esse nível. Mas é bom não contarem com tamanho sucesso para eles, embora se sintam, a priori, recompensados pelos seus tantos esforços.
Que saibam também, esses dedicados pais, que a melhor orientação aos seus filhos, no meu entender, será a de que se dediquem aos estudos, caso queiram cursar uma faculdade, na medida exata de suas condições e de suas aspirações, pois a decisão para o rumo de suas vidas deve ser unicamente deles.


  *   *   *




41 comentários:

  1. È vero, a decisão para o rumo das vidas pertence a cada um! Belíssimo texto.
    Eu diria que há três gigantescas oportunidades de inspiração para uma criança ou adolescente, e cito-as em ordem de valor crescente: 1. uma figura de destaque no mundo, de quem elas tomem ciência e, por uma razão inexplicável, queiram imitar; 2. a figura de um mestre, de um professor (embora sejam raros os professores que discirnam isto), que os aconselhe para além do estudo, que veja neles talento, capacidade, virtude, e lhes dedique conselhos particulares; e 3. os pais ou familiares mais próximos, de quem dependam, com quem convivam, e que lhes transmitam exemplo de vida. São três grandes oportunidades de uma dedicação especial a ser alguém na vida, penso eu. Um grande abraço, meu amigo

    ResponderExcluir
  2. Buenos días Pedro... Aquí,en España, padres e hijos decepcionados.Me temo que una generación perdida con una formación exquisita por la maldita crisis.
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  3. Pedro, é realmente uma longa caminhada para o sucesso numa carreira.E haja dedicação! Estudo não pode ou deve faltar! abração, lindo fds! chica

    ResponderExcluir
  4. Outro texto cheio de lucidez, amigo Pedro. Claro que os pais querem o melhor para os filhos, mas hoje em dia é um exagero a pressão que se põe em cima deles. Há pais que se esquecem que, mais importante que o sucesso, é a felicidade...
    Um bom fim de semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Como sempre uma brilhante reflexão.
    Podemos incentivar e mostrar caminhos, mas cabe aos nosso filhos escolher.
    Bom fim de semana
    Um abraço
    Maria

    ResponderExcluir
  6. Sempre bom ler os seus textos! De hoje em dia é muito difícil educar.

    Beijo e bom fim de semana.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  7. EXCELENTE TU VISIÓN DE LA ENSEÑANZA DE LOS HIJOS.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  8. Qué tema más delicado. El de cómo, en qué dirección, educar a los hijos.
    Lo que nos dirige hacia la pregunta clave: ¿Conformarse con la personalidad de cada hijo ayudándole a desarrollarla, o insistir en cambiarla?

    ResponderExcluir
  9. I genitori hanno un compito educativo assai difficile, in una società
    ove è complicato inserirsi con successo...
    Sempre bello leggerti, Pedro, buona domenica e un saluto,silvia

    ResponderExcluir
  10. Um texto brilhante como sempre amigo Pedro e é evidente que os pais querem o melhor para os seus filhos e o melhor é que eles sejam felizes.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  11. Interesante artículo.La aportación de los padres será la de educar y facilitar a los hijos medios para el estudio, según sus osibilidades y medios, pero los hijos deben poner todo el empeño posible en rendir su talento y esfuerzo, al máximo, sabiendo, como bien concluyes, que depende de ellos mismos el conseguir el éxito de sus estudios para la profesión elegida.
    Mi padre siempe nos inculcó, a mis hermanos y a mi, ser responsables de nuestras decisiones y por tanto de nuestro futuro, Y se lo hemos agradecido.
    Un afectuoso saludo.

    ResponderExcluir
  12. Un texto muy interesante, Pedro. Aquí en España, muchos jóvenes muy bien preparados, no tienen oportunidad de tener un trabajo para el que están muy preparados.
    Saludos

    ResponderExcluir
  13. Pedro, este tema toca-me particularmente, pois tenho dois filhos com cursos superiores e mestrados e a minha filha está actualmente a fazer doutoramento.
    Sempre foram alunos aplicados e a lógica é que seriam recompensados por isso, no caso de minha filha teve que emigrar para ver esse reconhecimento, quanto ao meu filho está actualmente desempregado e só tem conseguido estágios sem remuneração.
    É muita injustiça e dói muito a nós pais assistirmos impotentes a tudo isso.
    (desculpe o desabafo)

    Um beijinho

    O Toque do coração

    ResponderExcluir
  14. Boa noite Pedro.
    Interessante foi que falei a minha filha exatamente isso hoje. Ela estará em provas da faculdade na próxima semana, vem passando dias e dias estudando, hoje cansada veio se queixar rsrs. Para ter sucesso, tem que estudar, estudar. É por isso que apóie a minha filha quando ela quis sair da faculdade de medicina depois de anos de estudos. Acho que tem que seguir o caminho que realmente seja o desejo de cada um, pois para ter sucesso seja qual seja a profissão tem que amar o que faz. Bela postagem. Um feliz fds. Abraços.










    ResponderExcluir
  15. Pedro
    um texto muito interessante, e com o qual concordo em muitos pontos.
    bom domingo
    beijinho
    :)

    ResponderExcluir
  16. Pedro:
    en un país normal, las cosas deberían suceder como cuenta usted, pero en la actualidad, por lo menos en España, no ocurre así. Los mejores estudiantes tienen que irse a trabajar fuera del país y los que ganan dinero son los políticos, los amigos de los políticos y gente ignorante y zafia que aparece en los programas basura de televisión.
    Una pena.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  17. Pois é Pedro, esta é a dura missão dos pais e filhos. Aos pais o esforço de incentivar e buscar descobrir as vocações de cada filho pois isto direciona todo o ensino bem como descobrir no filho esta vocação para os estudos.A gente tem visto muitos jovens ingressarem nas faculdades sem uma vocação consolidada e assim mudam de curso, desistem de escola e cria um clima terrível na família. Ainda temos esta coisa de dinheiro "fácil e rápido" no que alguns chamam de arte, que é o futebol, dança, canto nesta onda de vários ritmos pelo país. Pais que incentivam seus filhos ao futebol desde cedo com sonhos inspirados nos Neymar, Robinho, Pato e etc o que era comum nas famílias mais pobres, mas que hoje já se vê nas famílias com mais recursos,num certo tipo de inversão dos valores. Enfim cada filho vai ter que decidir o que vai querer ser e se promover, embora num país onde as coisas estejam fora de lugar e nada inspira, principalmente que estudar é um grande investimento que muitos não tem acesso.
    Muito boa abordagem Pedro e que possamos mudar este país, para que os sonhos dos jovens não seja um aeroporto.

    Um abração e bom fim de domingo para uma semana vitoriosa.

    ResponderExcluir
  18. É um assunto sempre pertinente, especialmente para pessoas que laboram na formação de mentalidades e transmissão e orientação de aquisição de conhecimentos.
    Concordo com a finalização da sua crónica, mas nem todos os filhos gostam de estudar... imagino o desgosto dos pais e muitos não se apercebem que a sua missão é fazer dos filhos pessoas felizes...
    O marido da minha melhor amiga preparou os dois filhos para serem engenheiros, mas o segundo filho, aluno brilhante a matemática quis ser pianista... Ainda fez o 1º de engenharia, mas andava muito triste...
    Augusto Cury tem um livro fantástico: Filhos Brilhantes, Alunos Fascinantes...
    Excelente semana, amigo Pedro.
    Abraço.
    ~~~

    ResponderExcluir
  19. Pois é, está aí algo que me faz pensar muito. Vejo pais que adoram falar aos filhos sobre a profissão do futuro ou mostrar aos filhos o sonho deles (dos pais) dos filhos seguirem sua profissão, seja médico, advogado, engenheiro... Lá pela metade do curso os filhos desistem, não é o que sonharam. Não gostaram. Pois é. E quando isso acontece, não dá certo. Desistem do curso e tentam outro.
    Penso, que ver e ouvir a aptidão do filho, é de suma importância. Só se vence na vida quando fazemos o que gostamos. E não aprender a gostar do que fazemos.
    Quando se gosta, há empenho, há paixão. E tendem a vencer.
    Tenho pena disso. Tema muito bom, dá pano pra manga...
    Beijinho, daqui do lado!

    ResponderExcluir
  20. Bom dia Pedro
    Aos pais cabe orientar e educar os filhos mas os sonhos e aspirações são deles. Que eles tenham discernimento para fazerem as melhores escolhas e possam se dedica com empenho abraçando com objetividade o seu sonho para que este se torne realidade e lhe traga a tão deseja satisfação pessoal
    Um abraço e uma semana iluminada

    ResponderExcluir
  21. El tema de la educación cada cual lo entiende según sus valores en la vida. La mayoría estudian para otros, es decir según el mercado, según la carrera más solicitada, con el único fin de que no le falte dinero, pero le faltará sentido a su existencia y seguramente hasta en el aspecto económico estará mal situado. Todo por no hacer lo que de verdad siente. Es una elección difícil.
    Abrazos.

    ResponderExcluir
  22. Magnífico texto y un tema muy interesante.

    Totalmente certero.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  23. Deseamos lo mejor para nuestros hijos y algunos padres debemos preguntarnos antes que les hará ser más felices y mejores seres humanos. Prestar mucha atención en qué destacan más, qué tipo de habilidades desarrollan mejor y conducir su vida, en lo que sea posible, por ese camino.

    Es indudable que si los padres tienen prestigio social e influencias, los hijos encontrarán más puertas abiertas para su desarrollo personal pero...la vida no es fácil manipularla a nuestro antojo, y así se dan muchos casos de policías que tienen hijos que se desvían, intelectuales que tienen hijos mediocres, hombres casi analfabetos que engendran talentos extraordinarios.

    Se puede observar que en las clases más altas y adineradas, no florecen los mejores talentos ni los mejores hombres de la sociedad.

    Esta es mi opinión, no difiere de la suya solo que yo siempre busco aportar mi manera de pensar y tengo que decir que es un disfrute para mí, encontrarme con blogs donde se planteen temas de interés, como es el suyo.

    Hasta otro momento, le saluda muy afectuosamente. Franziska

    ResponderExcluir
  24. Cada hijo es una persona que nace libre, los padres no son dueños de sus hijos son su amigo, guía , compañero...la orientación profesional va íntimamente ligada principalmente a sus intereses, habilidades y aptitudes. Pobo o nada se saca que un joven siga una profesión que no va con sus interesas aún teniendo habilidades y aptitudes para ello...será un profesional muy poco feliz . También ocurre lo contrario siguen carreras por su intereses no teniendo las condiciones , van directo al fracaso, nunca llegan a titularse y si lo logran son profesionales con muy poco futuro. Tempranamente , los liceos o colegios debieran dar a sus alumnos una muy buena base de Orientación profesional y vocacional con buenos consejeros u Orientadores ,también el apoyo de los padres
    no imponiendo sino abriendo caminos, dando luces , confiando en su hijo...
    Muy buen trabajo Pedro , un tema que nunca pierde vigencia asegura el porvenir profesional y el futuro de un país en manos de profesionales que darán el verdadero desarrollo que se necesita

    ResponderExcluir
  25. Excelente texto.
    Uma realidade absoluta!
    Abraço

    ResponderExcluir
  26. Interessante texto bom para reflexão. Os pais de certa forma são responsáveis
    pela formação do futuro dos filhos. Feliz o filho que bem sabe ouvir seus pais. Um abraço

    ResponderExcluir
  27. Tudo bem, como princípio, caro amigo Pedro, mas a verdade é que, apesar de os pais orientarem da melhor maneira e os filhos se esforçarem, poderão não encontrar portas de saída. Verdadeiramente lamentável.
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  28. Tema pertinente e actual,
    Em minha opinião, os pais devem passar aos filhos valores morais e sociais, não fazer planos para o futuro deles e orientá-los nas escolhas académicas e profissionais.
    Os filhos são indivíduos com personalidade própria. E nem todos têm de ser doutores. Deixemo-los crescer, escolher caminhos e ser felizes. Que sejam uns vencedores felizes. Com ou sem “canudo”. Até porque este deixou de ser uma garantia de emprego.
    Abraço, Pedro.

    ResponderExcluir
  29. Boa noite,Pedro
    O tema postado é muito importante,pois como pais sempre queremos o melhor para os nossos queridos filhos,sendo assim,na maioria das vezes ao tentarmos ajudá-los acabamos interferindo na escolha da futura profissão, talvez até,inconscientemente, realizar um sonho nosso que ficou no passado. Tenho um casal de filhos,ele escolheu​ o curso
    deu sequência a tudo, e hoje exerce a profissão escolhida por ele,sinto que é feliz,mas minha filha começou dois cursos superiores e desistiu, só com o tempo acertou e deu início ao terceiro curso superior, e pós graduação hoje, está atuando na profissão desejada por ela.Muito difícil esta fase,temos que estar juntos para apoiá-los dá melhor maneira possível.Grande abraço!

    ResponderExcluir
  30. O triste, é verificar que tendo os pais feito todos os esforços possíveis, e os filhos com vontade férrea terem percorrido todo esse percurso difícil, na sua vida académica... muitas vezes, tal não chega... quando um país não tem capacidade de absorver tanta mão de obra bem formada... restando o caminho da emigração... ou da sujeição, a trabalhar em outras áreas, que não as de sua formação... ou a trabalhar em condições onde o seu mérito nem sequer é devidamente reconhecido...
    Uma belíssima crónica, Pedro, com um tema bem na ordem do dia...
    Abraço! Continuação de uma óptima semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  31. Pedro, lembras daquela poesia do Guieroni - ter filho é: "ter, cuidar, criar, depois perder. / Perder o filho é como achar a morte"... Dizem que criamos filhos para o mundo e não para nós. Mas creio que o importante é dar ao mundo um filho pronto. E eis a tua tese - um médico poderá fazer um estágio de uma semana e tornar-se um bom assentador de tijolos, ou motorista de caminhão, mas um pedreiro ou motorista, jamais ousaria a um procedimento cirúrgico sem uns seis anos de curso. Gostei da crônica, amigo. Parabéns! Obrigado pelas palavras gentis e de apoio ao meus exercício literário, no qual estou palmilhando com cuidado. Minha gratidão. Abraços. Laerte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, amigo Laerte, lembro-me desse poema, cujo título é Mãe, que começa com estes versos:

      Mãe, hoje volto a te ver na antiga sala,
      onde uma noite te deixei sem fala,
      dizendo adeus, como quem vai morrer


      Um grande abraço. Pedro

      Excluir
  32. Pois é amigo Pedro,o tema de sua cronica é otimo. Entretanto, apesar de ter feito isso com os meus, sinto em discordar.Os jovens aqui neste nosso país vivem angustiados, apesar da formação superior, das pós graduações, mestrados ou doutorados, ganham pouco, às vezes nem conseguem seguir a carreira escolhida, sem contar com os empistolados aqueles que entram pela janela, nos bons empregos. Assim como vamos dizer para um filho, estuda que você vence, não nesse País.
    Abraços, Léah

    ResponderExcluir
  33. É bem isso. Nós não podemos fazer de nossos(as) filhos(as) o reflexo dos nossos desejos. Grande!

    ResponderExcluir
  34. Aquí en España, hoy por hoy, el que mas estudio, tubo mayor decepción...
    Aunque hay que reconocer que si quedaba 'cualquier' trabajo, era para el.
    ¡El saber no ocupa lugar! y ayuda a vivir... ¡Es natural que los padres quieran lo mejor para sus hijos!

    Un fuerte abrazo.

    ResponderExcluir
  35. Incuestionable planteamiento, Pedro. Sobre todo en nuestros tiempos de máxima exigencia.

    ResponderExcluir
  36. Como padres podemos aconsejar y desde luego intentar ofrecerles los medios necesarios para que puedan estudiar y labrar su futuro, pero éste siempre dependerá de ellos.
    Besos

    ResponderExcluir
  37. Amigo...
    E quando esse esforço não é recomendado pensado com o emprego? Quantos jovens desmotivados por não terem colocação na sua área de formação?
    É compensatorio quando os filhos trabalham e encaminho novamente a sua vida sem dependerem dos pais
    Kis:=}

    Adorei o texto

    ResponderExcluir
  38. Palavras sensatas, mas nem todos têm a ciência infusa.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  39. concordo plenamente com todos os comentários... pais conscientes querem sempre fazer o melhor ,mas não podemos esquecer de que nossos filhos devem ser orientados a escolher o caminho pelo qual eles vão desenvolver o potencial de sua preferência,não forçá-los a uma profissão em função de prestígio social e financeiro sem que nada tenha a ver com sua aspiração. A eles pertence o seu próprio futuro , a nós cabe dar o suporte possível
    Um abraço

    ResponderExcluir
  40. Muy de acuerdo con el comentario que te escribió Tais.

    Los hijos deben elegir la carrera que los entusiasme, que les guste y de acuerdo a sus habilidades, no al deseo paterno.

    Um abraço

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO