>

16 de set de 2018

[Poesia] PEDRO LUSO – A Marca do Tempo







A MARCA DO TEMPO
PEDRO  LUSO  DE  CARVALHO



Vejo, de onde estou, o homem
marcado pelo tempo, no banco
descolorido pela maresia.

O mar recebe afagos do sol.
As ondas brindam o homem
com a água tépida do mar.

O homem aperta os olhos gastos
para além do horizonte, quer saber
o que lhe espera nas lonjuras.

As horas se sucedem. Apaga-se o brilho
do sol, apenas se ouve o rumor repetido
das ondas que se encrespam na praia.





*    *    *





40 comentários:

  1. Boa tarde, amigo Pedro!
    Incrível eu estar num cenário tão similar a este com esta realidade do sol a beijar o mar insistentemente com afagos delicados como convém ao Amor.
    Tenho contemplado as ondas nos rochedos e vêm fortes a abraça-los... me estonteia tal cenário.
    Foi mais uma pista ao meu coração nesta tarde dominical: estou no lugar certo.
    Tenha dias felizes e abençoados!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  2. Tao lindo te ler e deu pra imaginar a cena! Aplausos! Abração,chica

    ResponderExcluir
  3. Que lindo olhar mestre.
    Pude criar a imagem deste banco com o homem cansado das lutas e esquecido das esperanças vendo o sol morrer lentamente ao sabor da brisa. A noite o acolhe com seu manto de desilusões.
    Bravo Pedro, uma pintura de poema.
    Bela semana amigo para vocês.

    ResponderExcluir
  4. Uma cena tão nítida neste seu poema tão intenso que fiquem a imaginar os olhos "gastos" perdidos na infinitude do tempo
    Um poema primoroso e espetacular. Aplausos meu amigo
    Uma ótima semana
    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. Linda poesia, meus parabéns.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Oi,Pedro, uma linda imagem poética! expectativa de esperança ou talvez, saudade do infinto.
    um abraço

    ResponderExcluir
  7. Linda a sua poesia amigo!
    A imagem leva-nos a mergulhar, e meditar no sentido das suas belas palavras!
    Gostei, parabéns...)
    Um abraço fraterno, e uma santa e abençoada semana! Seja feliz...

    ResponderExcluir
  8. Molta creatività in questi bei versi ispirati dal fascino del mare
    Un caro saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  9. Todo tiene su momento mágico.
    Un saludo

    ResponderExcluir
  10. Una bella imagen Pedro, donde el lector se deja seducir por las olas de tus letras que llevan mensaje.
    Encanta de volver a leerte.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  11. Um poema que tem por cenário o mar e um homem de olhos gastos pela vida… Maravilhoso, meu Amigo Pedro!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  12. Boa tarde:- Poeticamente perfeito.
    .
    * De mãos dadas ... Seguimos unidos *
    .
    Feliz início de semana

    ResponderExcluir
  13. A solidão em belas e poéticas pinceladas. Adorei.
    Abraço e uma boa semana

    ResponderExcluir
  14. Bom dia, Pedro,
    bela escolha de imagens para nos presentear com tão belo e sensível poema.
    Emocionante ver mentalmente o banco já gasto pela maresia, a tristes do olhar em busca de alento, ao longe, quem sabe além do mar, exista algo que o espera...
    A luz e calor do sol se vão e com eles um pouco da vida, daquele que ficou sentado a sonhar. Lindo poema. Tenha uma semana abençoada!

    ResponderExcluir
  15. La incertidumbre es la cadena que el hombre lleva desde que nace hasta e llega el momento de la partida. La sol3edad de ese hombre sobre el banco y que pone su mira en la lejanía es lo más doloroso de esa estampa.






    Le felicito por su sensibilidad y porque ha conseguido dar una imagen muy acertada de soledad en la vejez.

    Gracias por su última visita a mi blog. Saludos muiy afectuosos y cordiales.

    ResponderExcluir
  16. Como sempre, fabuloso!!

    A lacuna na inspiração
    Beijos e uma excelente semana.

    ResponderExcluir
  17. Caminamos por la senda de la vida y del tiempo.La vida es un camino , limitada por el tiempo, ese camino es más largo o más corto, según el tiempo que cada uno dispone en su largo o corto peregrinar.

    Besos

    ResponderExcluir
  18. Bravo! Hai fatto un film usando le parole ed io mentre ti leggo vedo il mare.
    Felice giornata, un abbraccio
    enrico

    ResponderExcluir
  19. O tempo vai passando e em tudo deixando as suas marcas.
    Maravilhoso poema.
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  20. O tempo passa meu amigo mas as marés vão continuar a vir todos os dias.
    Um belo poema.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  21. Una belleza de poema. Sensible y muy bueno.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  22. Una bella y nostálgica imagen del paso del tiempo. Precioso el texto.
    Abrazos

    ResponderExcluir
  23. Um poema que nos dá uma imagem bem visível ao leitor. Uma pessoa a quem o tempo deixou as suas marcas e que olha o futuro com incerteza.
    Excelente poema, gostei imenso. Parabéns pelo talento.
    Caro Pedro, um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  24. " O tempo não perdoa " lá diz o povo e com razão; ele deixa marcas em tudo, até nos bancos de pedra que ficam gastos de tantas intempéries. Mas, o que mais nos aflige é que nós também ficamos gastos mesmo tendo a possibilidade de nos abrigarmos da fúria dos ventos, das descargas das nuvens e das ondas enormes e perigosas do mar. Fugimos, procuramos refúgio, mas, não adianta... o tempo pega-nos e lá vai deixando uma marquinha e outra e mais outra, sempre a marcar até àquele " instante da última despedida " . Não podemos parar o tempo e, apesar das marcas, o que na realidade todos querem é que ele continue para que o dito " ultimo instante " não nos peque já. Pedro, apesar de nostálgico, dou-te os parabéns, pois fizeste um poema a partir de uma realidade nada, nada agradável, mas, enfim...estás perdoado!!! Beijinhos
    Emilia

    ResponderExcluir
  25. ofereces a nossa leitura um belo e sensível Poema, meu caro amigo Pedro
    com tua marca incontestável - um fio de amargura terna e sensível a repassar as tuas palavras e a perder-se na lonjura de uns "olhos gastos",

    alta categoria, Pedro. parabéns.

    forte abraço

    ResponderExcluir
  26. Versos simples, delicados e belos sobre a passagem do tempo.
    Gostei muito do poema e da imagem.
    Um abraço, amigo Pedro, e bom fim-de-semana.

    ResponderExcluir
  27. Certero y poético análisis, amigo Pedro, del paso del tiempo. Viviendo la octava década de mi vida doy fe de aquello.

    Abrazo austral.

    ResponderExcluir
  28. Gostos dos seus poemas minimalistas, elegantes e expressivos.
    Neste, a imagética do mar potencia a beleza da poesia emanada do texto.
    Abraço de grande amizade em Dia da Paz.
    ~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  29. Amigo Pedro! Por mais que consigamos nos abrigar, o tempo não perdoa, não deixa de nos marcar. Belo e profundo o teu poema. Parabéns!

    Abraços e beijos no coração, teu e dos teus.

    Furtado
    PS: Amanhã tem um pedacinho de bolo te esperando no nosso humilde espaço. Dá uma passadinha por lá.

    ResponderExcluir
  30. Boa tarde meu amigo Pedro
    Um poema intenso e lindo. Bem nítido que ficamos a imaginar o olhar no infinito. Um lindo domingo para vocês. Enorme abraço.

    ResponderExcluir
  31. Lindíssimo!
    Como escreveu Camões:
    "...a nossa vida escassa
    foge tão apressada,
    que quando se começa já é acabada"
    É por isso que devemos aproveitar todos os segundos e dar-lhes sempre valor :)
    Obrigada pela partilha
    Um abraço

    ResponderExcluir
  32. As 'marcas'... é um pensamento intrigante e que não escaparemos: o tempo! Será ele generoso conosco? Penso que depende dos nossos atos, da nossa maneira de encarar a vida e de enfrentar as circunstâncias nem sempre boas. Depende do nosso equilíbrio, do nosso emocional. Ter uma mente aberta para aprender com a própria vida a trilhar a escolher caminhos mais suaves, não ferindo princípios.
    O Tempo não para, as marcas chegarão, mas dependerá de nós serem essas marcas por vezes suaves, outras bem mais profundas.
    Belíssimo poema! Há o que pensar.
    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  33. Até o mar se encrespa num poema trespassado de nostalgia e interrogações. E o olhar do poeta ficou, aqui, bem marcado.

    Beijos, amigo Pedro.

    ResponderExcluir
  34. "O tempo é como o rio onde banhei os cabelos da minha amada, água limpa, que não volta, como não volta aquela antiga madrugada". O grande Nelson Mota cunhou este versos que se casam com os dois enamorados do mar: o poeta e o homem com as "marcas" do tempo.
    Forte abraço, Caríssimo Pedro!

    ResponderExcluir
  35. O mar é infinitamente belo, sim


    E do seu poema gostei imenso

    Abraço grande, boa semana

    ResponderExcluir
  36. Todos quisiéramos conocer, Pedro, que nos depara el destino en las lejanías, como el hombre de tu hermoso poema...y también en las cercanías, pero me temo que ni el ni nosotros lo lleguemos a saber antes de tiempo.

    Abrazo.

    ResponderExcluir
  37. Meu caro Pedramigo

    Uma Marca do Tempo bem cadenciada, bem enrugada, bem enrolada nas ondas que morrem na areia da praia. Belo poema, meu caro Amigo, bela inspiração, uma marca que o tempo não pode apagar.

    Um abração deste teu amigo também luso e admirador
    Henrique, o Leãozão

    Já está publicado na Nossa Travessa mais um episódio da saga VIVER COM UM IRMÃO PORTADOR DA SÍNDROME DE DOWN que desta feita leva o título de O Super Frederico, Nele o nosso herói desdobra-se em actividades diversas face a mais uma situação muito difícil: a irmão dele Leonor caiu na teia demoníaca da droga, E ele, sozinho, vai resolvendo a par e passo os múltiplos problemas que tem pela frente!

    ResponderExcluir
  38. O tempo... que tudo nos traz... e que no limite, tudo nos leva... havendo sempre mais tempo, que marés... uma belíssima e profunda inspiração, que gostei de apreciar, por aqui...
    Um grande abraço!
    Ana

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO