>

9 de dez de 2017

[Poesia] PEDRO LUSO – Fuzis e Jasmins





FUZIS E JASMINS
PEDRO LUSO DE CARVALHO


Dedico este poema, que reedito
às Mães da Praça de Maio 
(Madres de Plaza de Mayo), 
Buenos Aires, Argentina.



Quando a moça regava os jasmins
céu de chumbo escureceu o jardim –
sentiu a pátria ferida de morte.

A moça sugou da terra a seiva,
de vulcões esbraseantes lavas,
sua couraça de ossos e nervos.

A pátria seria defendida,
bocas famintas teriam pão
os jasmins tinham o seu jardim.

Foi na noite cúmplice a tocaia,
enfrentou soldados e fuzis –
jogaram o corpo na erma vala.

Uma luz, na escuridão da noite,
clareou a boca, rosa de sangue.
– Os tantos sonhos foram desfeitos. –

Quem por aquele campo passar,
ouvirá as lamúrias do vento,
sentirá dos jasmins o perfume.





 *   *   *




51 comentários:

  1. Linda poesia meu amigo, é sempre um gosto ler tudo o que escreve!
    Adorei! Meu Fraterno Abraço, e um feliz e abençoado final de semana.

    ResponderExcluir
  2. Una poesia intensa e assai significativa, su cui porre profonde riflessioni
    Un caro saluto,Pedro, silvia

    ResponderExcluir
  3. Un maravilloso recuerdo el que has elaborado con sensibilidad y delicadeza.
    Precioso todo el poema con un cierre regio.
    Muy bonita la pintura, me gusta mucho.
    Un abrazo y buen domingo.

    ResponderExcluir
  4. Lindíssimo e profundo, tocante teu poema, Pedro e bela dedicatória, merecida! abração, lindo fds! chica

    ResponderExcluir
  5. Bom dia. Belíssimo poema. Fechou com 'chave de ouro'. :)

    Hoje, um mini conto:- lembranças do meu coração...

    Bjos
    Um Sábado feliz

    ResponderExcluir
  6. Boa inspiração, amigo Pedro! Daquelas que nos tocam de verdade.
    Que a pureza e o perfume dos jasmins invada o coração dos homens.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  7. Bonita essa dedicatória!
    Acresce além do poema, essa maravilhosa tela, gostei muito!
    Parabéns aos dois!
    Abraço e bom fim de semana.
    OLHAR D'OURO - PHOTOGRAPHY

    ResponderExcluir
  8. Excelente poema!

    Beijo e um excelente sábado

    ResponderExcluir
  9. Lindo poema como todos que tive oportunidade
    de ler e conhecer.
    Um feliz final de semana.
    Evanir.

    ResponderExcluir
  10. Os delicados jasmins contracenando com a brutalidade dos fuzis - nada tão desigual, tão covarde! Esse poema emociona pela luta, pela revolta daquelas mães da praça de maio convivendo com a eterna dor pelos seus filhos desaparecidos. Só restou o perfume dos jasmim para acalentar a dor e deixar que viva a saudade.
    Quanto à minha obra, 'Tormento', foi uma surpresa que me escondeste! Um mimo que adorei para ilustrar tão forte poema que disse a que veio...

    Beijinho daqui do lado!!

    ResponderExcluir
  11. maravillosos Jazmines... Feliz domingo

    ResponderExcluir
  12. Pedro, emocionou-me muito este teu poema/ homenagem às Mães da Praça de Maio.
    Mães a quem a mais lancinante das dores dá força e coragem para continuarem a exigir esclarecimentos sobre o desaparecimento dos seus filhos durante a ditadura milita na Argentina (1976-1983).
    A escolha da obra da Tais “Tormento” foi acertadíssima.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  13. Lindo o poema, muito bem ilustrado por essa tela magnífica. Uma simbiose perfeita.
    Uma mensagem de terror, onde a revolta, se faz sentir, perfumada pelos jasmins
    Parabéns aos dois.
    Um abraço e bom domingo

    ResponderExcluir
  14. Emociona tu poema, resalta el dolor de esas madres unidas en el mismo sentir por la desaparición de sus hijos.
    Hasta los jazmines de la plaza, intentan acariciar sus corazones ofreciéndoles su delicado olor.
    Cariños.
    kasioles
    Felicitaciones a Tais, es precioso.

    ResponderExcluir
  15. Oi, Pedro, tempos de Tormenta que deixaram rastros de sangue e medo em toda América Latina...restam perfumes de jasmim. Belíssima postagem
    Um abraço

    ResponderExcluir
  16. Tus palabras están llenas de olores, como al pasar por mi portal siento el aroma del jazmín cuando me acerco a él.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  17. Sensible y precioso poema.
    La pintura es muy bella.

    Un beso

    ResponderExcluir
  18. A sua poesia é de uma sensibilidade ímpar. Muito doce e maravilhosa
    .
    Hoje
    Margens de sedução de branca espuma
    .
    Deixo um abraço poético.
    Boa tarde. Domingo feliz

    ResponderExcluir
  19. Que emotivo, Pedro. Cuantos sueños rotos...
    Magnífico poema.
    Abrazos

    ResponderExcluir
  20. Nossa que beleza e que tristeza este excelente poema. Adorei!
    Obrigada caro amigo por compartilhar.
    Meu grande abraço.
    SU

    ResponderExcluir
  21. Não é tão difícil imagina uma sena assim,bom seria que só existisse dor assim,na mente fertil dos poetas, pois é muito triste, porem linda, digna de um grande poeta e escritor!

    ResponderExcluir
  22. caro Pedro Luso, meu amigo

    ambos sabemos que a emancipação da Humanidade se alimenta dos seus heróis e de seus mártires, tantas vezes anónimos, sem um nota de rodapé sequer a assinalar a sua entrega.

    o teu poema, ao homenagear as "Mães da Praça de Maio" heroína anónimas da resistência contra a ditadura argentina, décadas atrás, é um rasgão luminoso na escuridão destes nossos tempos sem memória, que tudo uniformiza

    mas sem Memória não há Futuro, nem História, também ambos o sabemos.
    por isso te agradeço este poema, que além formalmente muito belo, me serve de lenitivo e conforto, por me lembrares que existe sempre uma luz, ténue e frágil que seja (como a poesia é) na escuridão dos dias

    e que não podemos desistir!
    caloroso abraço, meu amigo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, amigo Manuel.
      Também eu não posso apoiar qualquer espécie de ditadura, seja ela militar ou dita "governo do povo", isto é, de esquerda (socialista ou comunista), como as ditaduras da Venezuela e de Cuba.
      Nada melhor, pois, que a democracia.
      Um grande abraço.
      Pedro

      Excluir
    2. não serei eu quem agitará fantasmas, meu caro Pedro.
      mas o "governo do povo para o povo" constitui o cerne da Democracia.

      ideia que vem de Rousseau, como bem sabes.

      pretexto para mais um abraço

      Excluir
    3. Esta minha resposta, amigo Manuel, não se dá para polemizar, mas tão só para dizer que escrevi a frase "governo do povo", entre aspas, por ser, dita frase, uma das falsas afirmações das ditaduras comunistas, para enganar o povo dominado.
      Um grande abraço.
      Pedro.

      Excluir
  23. Um belíssimo poema dedicado às Mães da Praça de Maio. Sensibilizou-me muito, Meu Amigo Pedro. Gostei da pintura da Tais.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  24. Boa tarde, Pedro, extremamente emocionante este poema que dedica as "Mães da Praça de Maio", mães que lutam há anos, pela memória de seus filhos e lutam também, pela vida.Ainda faz a comparação com os jasmins, que nos dão o perfume, por isso, elas não querem ser chamadas de heroínas, pois fazem o que qualquer mãe faria pelo filho amado, além do sangue, ficou o perfume personificado na linda flor do jasmim.Sensibilidade à flor da pele. Abraço!

    ResponderExcluir
  25. Poema emotivo de gran significado, estimado Pedro.

    Saludos australes.

    ResponderExcluir
  26. Amores em guerras que não deveriam existir.

    Gostei do perfume a jasmim.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  27. Veo su comentario, Pedro. Cuántos tristes recuerdos.

    En mi caso fueron sólo 24 horas que pase en Buenos Aires, venida de Uruguay.
    Ver aquellas mujeres tan maltratadas en lo que más duele, sus hijos y nietos desaparecidos, ocupando la plaza de Mayo con sus pañuelos en la cabeza hechos con tela de pañales, fue una experiencia inolvidable. Eran la estampa de la dignidad irreductible ante el dolor.

    ResponderExcluir
  28. Uma bela homenagem a essas resistentes e corajosas Mães da Praça de Maio.
    Uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir

  29. -`✺´-
    Você retrata um fato cruel com tanta sensibilidade na metáfora jasmins e fuzis.
    Deveríamos aprender com os erros do passado para evitá-los no presente, mas o problema troca de roupagem mas, continua!... Falta humanidade e solidariedade no mundo de hoje.

    Uma boa semana, cheia de surpresas agradáveis!
    Beijinhos.
    -`✿´-

    ResponderExcluir
  30. Un bello poema, la lírica de unir jazmines y fusiles,logran aunque sea simbólicamente, la guerra y la paz.

    mariarosa

    ResponderExcluir
  31. En contra totalmente de toda la maldad que reina en este mundo y de todos los sucesos que riegan con sangre nuestro planeta.
    Saludos y muchas gracias.

    ResponderExcluir
  32. Hoje quem passa por esse campo
    deserto ouve as lamúrias

    saludos y buena jornada

    ResponderExcluir
  33. Los ecos de los fusiles en la plaza se oirán, pero los bellos jazmines jamás se marchitarán.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  34. Belíssimo e sublime poema dedicado.
    Uma rica simbologia tocante, o título: "Fuzis e Jasmins" é uma
    originalidade encantadora, a nos revelar um duelo da força bruta (Fuzis)
    com a força da sensibilidade (Jasmins), do
    poderoso amor das mães!...
    A obra de arte da Taís ficou perfeita para o poema, Pedro.
    Parabéns! Abraço.

    ResponderExcluir
  35. Olá Pedro
    Poema tão actual...
    Em quantos campos por esse mundo fora as lamurias emanam de terrenos cobertos de flores!
    Um beijo
    Teresa

    ResponderExcluir
  36. ¡Hola, Pedro!

    Nos dejas un bellísimo poema perfumado con esos jazmines simbólicos, que nos recuerda la gran tragedia que vivió Argentina y que aún lloran con amargura y reclaman las madres de la plaza de mayo que jamás olvidaran sus rosas cortadas del tronco de su corazón; mas hoy siguen igualmente en más de medio mundo, masacrando sin piedad, a niños ancianos, jóvenes y otros seres humanos en común. ¡¡¡Malditas guerras!!! Que son el gran tesoro para el bolsillo de los poderosos -políticos –gobernantes –corruptos.

    Vivimos en un podrido mundo en el que la vida de nosotros los de a pié, ya no tiene valor. Es triste, pero es así, amigo Pedro.
    Decirte que me gusta mucho esa obra, TORMENTO, felicidades a la autora.

    Bueno, he tardado en pasar, por problemas de salud.
    Y me despido hasta 2018, con mis mejores deseos de felicidad para ti y tu familia en estas fiestas que se avecinan. Mucha prosperidad en el año que entra.
    Un abrazo, mi gratitud y mi estima siempre.

    Chauuuu, Brasil.

    ResponderExcluir
  37. Pedro, desculpa estava com muita dor e excluí a postagem e tive que fazer outra e você já tinha feito o comentário.
    Se quiser voltar e comentar a outra ficou melhor e diferente,
    me perdoe. foi sem querer
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  38. Uma bela homenagem.
    Num poema que é excelente, parabéns.
    Bom fim de semana, caro Pedro.
    E um Feliz Natal, extensivo aos seus familiares.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  39. Quisiera ser capaz de transmitir con mis palabras la hondura de mis mejores deseos para que la felicidad sea una realidad en vuestra vida:en estas Navidades y en el año que está a punto de llegar.

    Voy a tomarme algún tiempo de descanso y es por esa razón que no llegarán mis comentarios a vuestros blogs. En cuanto me sea posible, retornaré.

    Con el afecto y la cordialidad de siempre, repito:

    ¡Feliz Navidad y que el Año Nuevo os colme a todos de paz, amor y libertad!

    ResponderExcluir
  40. Oi Pedro,
    Lindo e triste poema a discrepância foi muito grande entre fuzis e os jasmim, mas para quem passe por esses lados sentem o cheiro gostoso do jasmim.
    Lindo demais.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  41. Olá, Pedro.
    este é um belo poema que mexe com as nossas emoções e memórias. Obrigada, por tê-lo escrito.

    Foi um enorme gosto e um privilégio, ter conhecido e convivido com duas pessoas tão singulares, tão humanas e bem formadas, quanto são o Pedro e Taís.

    Desejo a ambos e toda a família, um Feliz Natal e boas entradas no Novo Ano.
    Se possível que tudo seja melhor para todos nós.

    Um abraço sentido.

    Janita

    ResponderExcluir
  42. Mais do que emocionante, comovente, Pedro.
    Imagens e contrastes de rara beleza num
    poema singular.
    Uma sentida e justa homenagem àquelas mães
    argentinas.
    Abraço, Amigo
    ~~~

    ResponderExcluir
  43. Que beleza de reedição amigo, uma pérola extraída da dor em meio ao perfume inerte ás sujeiras de toda ditadura.
    Belo trabalho e homenagem que deve ser compartilhado.Nós que tivemos nossas Zuzus sabemos da dor das mães metades.

    Valeu a reedição.
    Abraços

    ResponderExcluir
  44. Ah, em tempo, perfeita escolha da ilustração com a arte da Taís.

    ResponderExcluir
  45. OI PEDRO!
    LI LÁ NA TAÍS TEUS VERSOS SOBRE SETEMBRO E VIM ATÉ AQUI PENSANDO EM TE PARABENIZAR POR ELES, MAS, FIQUEI PASMA ANTE OS QUE ENCONTRO AQUI, LINDOS TAMBÉM E DIGNOS DE APLAUSOS.
    ABRÇS
    -http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  46. Un poema que huele a jazmines, a sueños perdidos. Un poema dedicado a esas Madres que nunca se rindieron. Excelso.
    Abrazo

    ResponderExcluir
  47. Quando a política toma rumos... que só a barbaridade conhece... um belíssimo poema a propósito... muito bem harmonizado, com a linda tela da Tais... adorei esse turbilhão apaixonante e aguerrido de cores e sentimentos... de quem sente... enquanto está vivo!...
    Estão ambos de parabéns! Um grande abraço! Festas Felizes, para ambos!
    Ana

    ResponderExcluir
  48. Pedro:
    como sâo corajosas as madres da praça de Maio!
    Abraços.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO