>

18 de jul de 2018

[Poesia] PEDRO LUSO – Terra Ferida






TERRA FERIDA
- PEDRO LUSO DE CARVALHO



Olhos cansados do velho,
presos olhos no horizonte,
pedras e arbustos,
terras removidas,
rios desviados
dos leitos,
mortandade de peixes,
tristeza e dor
por tudo que se perdeu.

O velho mantém fixos os olhos,
secos olhos,
no horizonte à frente,
sem lágrimas para chorar.

Na linha ao longe,
que separa o céu e a terra,
o último suspiro,
do sol que se afunda.






 *  *  *





28 comentários:

  1. Linda esta poesia, adorei!
    Abraço fraterno, amigo Pedro!

    ResponderExcluir
  2. A natureza moribunda pela inconsciência de quem se diz o único animal racional ao cimo da terra.
    A realidade feita poesia.
    Tão belo e simultâneamente tão triste.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Un bello poema donde transmites desolación, según la mirada del anciano. Preciosa la ultima estrofa.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  4. Um poema sublime. Adorei :)) Parabéns.

    Bjos
    Votos de uma óptima Quinta-Feira.

    ResponderExcluir
  5. Magnífico poema, meu Amigo Pedro!
    Lembrei-me de Miguel Torga quando diz: "a velhice é isto: ou choramos por tudo e por nada, ou os olhos ficam secos de tanta lucidez"...
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Partilho das palavras da Amiga Graça Pires! Amei o poema!!

    No silêncio do meu olhar...

    Beijos e um excelente dia!

    ResponderExcluir
  7. Os idosos sofrem muito mais com as alterações das coisas para pior...
    Excelente poema, parabéns pela inspiração.
    Caro Pedro, continuação de uma boa semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. O mundo em eterna transformação nos deixa cada vez mais ansiosos pois a esperança de um mundo melhor desmancha-se a olhos vistos Uma sombra de desalento quanto ao futuro e uma urgência de começar agora a regeneração.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  9. Olá Pedro,
    a revolta de quem vê com amargura, o horizonte perder o brilho
    e a terra a perder a sua fecundidade
    muito bem representado :)
    Vim pelas Veredas, e
    deixei o meu abraço no Poetizando da querida prof. Lourdes!
    https://poesiesenportugais.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. los años secan los ojos pero el corazón conserva toda la historia de los sentimientos. Siempre quedan en la vida añoranzas, algo en lo que pensar y que quisieramos finalmente fuera vivido. Sentido y profundo poema.

    Saludos afectuosos y muy cordiales.

    ResponderExcluir
  11. E da tua " revolta " pelo que vês tu pelas ruas , que vejo eu, nas calçadas por onde passo, que vê tanta gente de bem, pelos caminhos e e ruelas por onde andam ,
    passamos para o desgosto e tristeza de vermos a " terra ferida " , a tua, a minha e a do mundo em geral; natureza pedindo socorro há anos e, como diz a nossa amiga Elvira, continua a ser " ferida " pelo tal homo sapiens, o único ser inteligente nessa terra costantemente ferida. Como dizia a Juma , naquela fantástica novela " o pantanal", o homem é o único animal que suja a água que bebe, água que um dia vai ser mais disputada que, hoje, o petróleo. Mas, amigo, neste aspecto, também somos bastante culpados, pois continuamos a usar plásticos ( evito -os bastante ) e temos bastante preguiça para fazer a separação dos lixos; digo preguiça, porque aqui na minha cidade há bastantes contentores , um para cada tipo de lixo, vidro, cartao, plastico e latas; estão todos juntos e só preciso atravessar a rua para fazer o que devo; mesmo assim, amigo, há quem não se dê a esse trabalho e eu, confesso, às vezes também misturo com o residuos normais,
    E assim vai indo aa nossa terra, com os rios sujos e os mares com toneladas de plásticos que se vao desfazendo e entrando na cadeia alimentar através do peixe que comemos. Estou a ficar mais velha, mas também mais consciente, mas ainda não faço tudo o que deveria para que as feridas desta nossa querida terra comecem a cicatrizar. Pedro, caro amigo, à tua revolta junto a minha, tanto pelo que vejo pelas ruas quanto pelo mal que estamos a fazer à nossa terra. Obrigada pelos " alertas " e deixo-te um beijinho e votos de uma noite tranquila
    Emilia

    ResponderExcluir
  12. Grande Pedro, que beleza de mergulho nestas recordações aos olhos do velho, que creio seja todos nós amantes da terra e que entristecem com os desmandos. Que olhamos para o leito seco do rio devastado pela cegueira humana.
    Um grito amigo que há de ser ouvido.
    Meu abraço e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  13. Algunas veces nos quedamos como el anciano.
    Feliz día

    ResponderExcluir
  14. Já vi um velho chorar lágrimas vivas

    ResponderExcluir
  15. Se puede tener años, pero por más años que se vayan cumpliendo, siempre pueden permanecer intactas las ilusiones que han sido el motor de la vida.

    Besos

    ResponderExcluir
  16. Pedro, é lindo este teu poetizar sobre a nossa "terra ferida" .
    Eu nunca vi um velho chorar lágrimas vivas (como diz que viu o nosso amigo Eufrázio) mas já vi toda a tristeza do mundo nos olhos vazios de um velho.
    O Homem não aprende nada!
    Abraço, meu amigo.

    ResponderExcluir
  17. Há que dar o grito de revolta e recuperar esta bela e generosa natureza.
    Um abraço e bom Domingo.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  18. Nunca vi algum habitante, lúcido, tocar fogo em sua morada! Mas o único ser pensante desse planeta, incendeia matas, florestas imensas, como a Amazônia, polui rios, mares, e o ar que respira, tornando o planeta um inferno. A natureza não chora, nem grita, ela se vinga! E merecemos.
    Não respeitamos nada. O velho do teu belíssimo poema, com certeza já se debateu, agora nem lágrimas mais existem para serem derramadas. E por aqui não pararemos, ainda não fizemos o suficiente para a Terra sangrar.
    Parabéns, TERRA FERIDA, um poema que grita as dores de um planeta em agonia.
    Beijinho, daqui do lado!

    ResponderExcluir
  19. Que belo grito Pedro, a Táis tem razão, o bicho homem destrpoi a sua própria fonte de sobrevivência.Pobre velhinho que antes viu tudo florido, agora com seus olhos ressequidos não mais vislumbra as belezas de outrora.
    Feliz demana desejo a vc com grandes inspirações!
    Gratidão pela benfazeja visita, Pedro!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  20. Olá Pedro
    Só as pessoas lúcidas sofrem ao ver a destruição da natureza e são capazes de derramar lágrimas quando contemplam a sua mãe Gaia sangrando de dor ante tamanha destruição. O personagem do seu poema é o retrato fiel de quem ama e sofre com a ganância e o desrespeito de seu semelhante
    Um abraço e uma feliz semana

    ResponderExcluir
  21. Um poema sentido e profundo, um grito poético de dor pela falta de consciencialização, sobre a necessidade urgente de cuidar e proteger o nosso planeta.
    Beijinhos
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  22. Maravilloso poema.
    Profundo.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  23. Passei para ver as novidades.
    Mas gostei de reler o seu excelente poema.
    Caro Pedro, continuação de boa semana.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  24. Um poema sentido, emocionante e introspectivo... que nos faz sentir a todos, na pele desse velho... assistindo a cada dia, às barbaridades, que vão sendo praticadas, contra a Natureza... e terminamos cada dia, observando cada entardecer, com resignação... ainda que sem aceitação...
    Deixo um grande abraço, Pedro, e um até breve, durante as próximas semanas, em que estarei ausente... também num local, próximo do mar...
    Tudo de bom, por aí, para vocês!...
    Ana

    ResponderExcluir
  25. Quedarnos estimado Pedro, "sem lágrimas para chorar" es una constante de la poesía, en este caso como siempre notablemente situada por ti, corta, precisa y sentida.

    ResponderExcluir
  26. Bom dia, Pedro,
    os poetas são capazes de grande lutas, grandes gritos através de seus versos.
    Seu poema cheio de dor, a qual muitos sentem, pois através dos olhos do velho, figurante de seu poema podemos ver a triste destruição da nossa Mãe natureza. Infelizmente, essa visão triste nos mostra uma realidade distante de acabar.A tela bem sugestiva.
    Tenha um abençoado final de semana!

    ResponderExcluir
  27. Enquanto houver um horizonte, caminhamos.

    ResponderExcluir
  28. Maravilhoso, amei!
    Abraços!

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO