>

29 de jun de 2018

[Poesia] PEDRO LUSO – Caprichos da Natureza





CAPRICHOS DA NATUREZA
PEDRO LUSO DE CARVALHO


O luar vem no rasto da tarde,
morna tarde desse mês dourado
de outono, neblina já invade
o solo no verão tão queimado.

As folhas secas no outono morno
no chão espalhadas e coloridas,
a cada estação do ano retorno,
na roda do tempo repetidas.

Alteram-se elas no correr do ano,
outono não se fez imutável,
cedeu o seu lugar sem desengano
ao frio inverno, não tão afável.




*    *    *




42 comentários:

  1. Que lindo, imagem inspiradora,tens o dom poético de transformar palavras em sensações, pois ao ler aqui senti todos os lindos "Caprichos da Natureza"!
    Amei ler como sempre! Parabéns!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  2. E que frrrrrrrrrrrrrrrrrio chegou nesse início de inverno...A natureza é assim...Ciclos,alternâncias..Vamos viver bem cada um deles! abraços, chica

    ResponderExcluir
  3. Boa Tarde, Pedro Luso!
    Os caprichos da natureza vêm ressaltados também pelos sentimentos que permeiam nosso coração... eles parecem que os acompanham ou estes aqueles... mistério!
    Seja muito feliz e abençoado junto aos seus amados!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  4. Muito bom!!Parabéns! AMEI!:)

    Beijinhos. Boa noite.

    ResponderExcluir
  5. Ciao Pedro è sempre molto piacevole leggere i tuoi bei post.
    Felice giornata, un abbraccio
    enrico

    ResponderExcluir
  6. Gostei de ler. As quatro estações entrelaçadas no sentir do poeta.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderExcluir
  7. Olá Pedro uma belo canto ao inesperado da natureza.
    Às suas surpresas em cada estação, onde muitas vezes se oculta para sentir a reação, mas logo se acumula.A natureza é sabia, é banco de escola.

    Meu abraço amigo.
    Bela apresentação.

    ResponderExcluir
  8. Así vamos pasando estas estaciones acogiéndolas lo mejor que podamos con mucho calor o frío según en el hemisferio que estemos viviendo.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  9. O esplendor da Natureza no seu poema, meu Amigo Pedro. É muito belo quando o outono ganha tons de mel…
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  10. muito bom sentirmos a roda das estações, Pedro
    e nós por aqui estamos a entrar no verão e o calor aperta !
    a natureza cobre-se de ervas doiradas pelo sol e as raízes hibernam para voltar a verdejar com as primeiras chuvas…
    abraço
    Angela

    ResponderExcluir
  11. Lindo. O nosso verão está muito fraco. :))

    O meu olhar triste, reflecte no coração

    Bjos
    Votos de um óptima Terça-Feira

    ResponderExcluir
  12. O outono, minha estação preferida, dá azo a múltiplos olhares - mesmo quando cedo o passo ao Inverno. E quando
    "O luar vem no rasto da tarde,
    morna tarde desse mês dourado
    de outono, neblina já invade
    o solo no verão tão queimado."

    Vem o frio num poema Tão bonito, Pedro!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. uma toada dolente e um poema muito belo
    brilhante identificação do "estado de alma"
    e o percurso inexorável do tempo...

    "desenganos de Outono" são indeléveis, não é meu amigo?

    gostei muito Pedro. tu és poeta de elevada craveira.

    grande abraço

    ResponderExcluir
  14. Um poema lindo como os tons dourados do outono.
    Um beijinho.
    Ailime

    ResponderExcluir
  15. Lejos estmos aquí en España, de ese otoño que nos dejó imágenes fantásticas.

    Ahora nos encontramos con el verano y sus días calurosos, que sólo puede mitigar un baño en el mar.

    Me ha encantado esa herosa poesía.

    Besos

    ResponderExcluir
  16. E a roda do tempo... não pára... com a Natureza marcando a cadência do mesmo... com os seus subtis caprichos... próprios de cada estação... se bem que os mesmos, se pautem por fenómenos extremos, cada vez mais... a cada ano são batidos novos records... de temperatura, humidade, pluviosidade... e as oscilações... cada vez mais abruptas e acentuadas... até o tempo... do tempo, está a mudar...
    Belíssimo trabalho, Pedro, que nos remete para outros tempos... em que o tempo... seguia a ordem no calendário... e cada estação, era facilmente reconhecida... hoje em dia... cada dia... é uma perfeita incógnita... e ainda haverá quem nos diga, que as alterações climáticas, não estão ocorrendo!...
    Abraço! Votos de continuação de uma óptima semana!...
    Ana

    ResponderExcluir
  17. Parabéns Pedro por este belo poema sobre os "caprichos da natureza".
    Que o inverno seja ameno para que o poeta possa criar mais versos encantadores.
    Abraço e... saúde!

    ResponderExcluir
  18. O outono também tem seus encantos...a moderação do calor do verão que incendeia os sentidos encontra novas formas de usufruir a vida...antes do inverno tão ranzinza.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  19. Grande Pedro p titulo já diz muito e tudo, caprichos da natureza.
    No giro das estações a sensibilidade capta todos os mistérios e belezas, que pouco encontram e assim poetizam, como neste estranho crepitar das folhas do Outono. Voltei para reler Pedro um poema onde voce usa as rimas numa elegância maravilhosa e inspiradora.
    Coisa de mestre amigo.
    Bom fim de semana inspirado neste inverno que acelera novas emoções e caprichos.
    Meu abraço de paz e luz.

    ResponderExcluir
  20. Es un hermoso poema.
    El otoño es mi estación preferida. Me gusta mucho su colorido. Parece que transmite serenidad.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  21. Meu caro Pedramigo

    Já está na Travessa o n.º 6 da saga É DIFÍCIL VIVER COM UM IRMÃO MONGOLÓIDE que desta feita leva o título Um vândalo mentiroso e traiçoeiro. Este texto tem imagem muito difícil, não aconselhável a pessoas sensíveis.

    Voltarei depois para comentar.

    ResponderExcluir
  22. Oi Pedro!
    Aliás, nada afável está sendo este inverno principalmente para nós aqui do sul.Não consigo perceber o dito glamour do mesmo só sinto o frio.kkk
    Mas amigo, viajei na beleza de tuas palavras e conseguí ver as folhas caídas neste teu outono morno.
    Abrçs

    ResponderExcluir
  23. Pienso en el cálido clima de tu país, amigo Pedro y me cuesta imaginar una tarde de frío allí, por más que haya diferencias entre región y región. Pero el poema está muy bello.

    ResponderExcluir
  24. Maravilhosa essa sua sensibilidade para utilizar as palavras, encaixando-as numa sublime e delicada perfeição!
    Os meus parabéns estimado amigo Pedro!
    Abraço.

    Olhar d'Ouro - bLoG
    Olhar d'Ouro - fAcEbOOk

    ResponderExcluir
  25. Um belo poema meu amigo "pintado" com as cores outonais.
    Um abraço e bom Domingo.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  26. Linda homenagem ao Outono, por aqui chegou o Verão.
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  27. um poema outonal, embora todas as estaçoes tenham a sua beleza.
    bom domingo
    beijinho
    :)

    ResponderExcluir
  28. Es un canto al otoño tu poema, un placer es leerte.

    mariarosa

    ResponderExcluir
  29. Boa tarde, Pedro,
    poema que com perfeição retrata a roda que gira mudando os ciclos da natureza.
    Caprichosa, às vezes por não levar a sério as datas, faz frio quando devia fazer calor, gia enquanto ainda é dezembro, mas mesmo assim não deixa de aparecer em sua formosura de cada estação.O outono,
    " cedeu o seu lugar sem desengano
    ao frio inverno, não tão afável."
    O frio veio, nem um pouco afável.Gosto muito do outono, o qual descreve com tanta perfeição, as folhas caídas no chão, para mim são como tapetes que se formam para nós. Muito lindo seu poema em homenagem à mãe natureza. Abraço!

    ResponderExcluir
  30. Pedro, meu amigo

    Poema belíssimo, "caprichos da natureza" com o privilégio
    de serem descritos na tua arte poética, que cada palavra (exata)
    ocupa o seu brilho imagético, a sonoridade harmônica e este
    sentir do poeta que leva a Poesia numa expressividade máxima,
    a perfeição de ser arte!...
    "As folhas secas no outono morno
    no chão espalhadas e coloridas,
    a cada estação do ano retorno,
    na roda do tempo repetidas."
    Meu amigo, tu sabes que eu sou admiradora desta tua
    precisa (excelente) e bela arte poética que eu
    acompanho sempre aqui.

    Votos de feliz semana!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  31. E a natureza segue o seu ritmo, sem se importar com os gostos dos seres nela viventes, principalmente com os humanos que tudo fazem para a contrariar; não adianta, pois ela é soberana e no fim acaba por vencer a luta. O outono sabe que terá de dar lugar ao inverno e este à primavera e depois chegará o verão e nós....bem...lá vamos passando pelas nossas estações também, só que sem termos qualquer controle sobre elas; de repente a vida diz " pára " e lá ficamos nós naquela última estação onde já nenhum comboio nos pegarå. Terminou a nossa caminhada...será que foi o inverno que chegou? Não gosto de inverno, nem do da natureza e muito menos do inverno da vida;
    este último é muito triste, amiga! O melhor é concentrar-me neste teu outono e encher o coração de poesia, lendo-o de novo, pois é muito belo. Obrigada e fica bem, Pedro. Um beijinho
    Emilia

    ResponderExcluir
  32. Belíssimo poema em homenagem ao Outono!
    Parabéns, é um prazer ler tão magnifica poesia.
    Obrigada amigo, Beijo de paz e bem!

    ResponderExcluir
  33. É verdade, meu amigo, a natureza é mesmo caprichosa...
    Por aqui tivemos no Inverno sol radiante com temperaturas noturnas muito baixas, clamava-se por chuva, falavam-se em alterações climáticas... Agora, no verão, temos chuvas e temperaturas amenas, mas que não convidam à praia...
    Raramente chove no verão...
    Gostei do seu poema - esmeradamente construído - que nos reporta à translação da Terra no espaço e aos ciclos que provoca na Terra.
    Tudo está bem quando eles se cumprem.
    O meu abraço.
    ~~~

    ResponderExcluir
  34. Aos poucos estou voltando...
    Adorei estar novamente aqui...
    Dá uma passadinha lá...
    Beijos
    Ani

    https://cristalssp.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  35. Lindo poema sobre o Outono que surge para apaziguar a entrada do temeroso inverno. Preparar não só a natureza, mas o nosso espírito para a nova estação, chuvosa e fria. Um tanto desagradável para muitos.
    Surgem essas estações intermediárias, Outono e Primavera como se quisessem nos deixar seu recado de renovação, de alegria, de otimismo.
    E a natureza toda agradece a delicadeza da troca. As Estações definidas jamais chegarão de súbito! Gostei desta tua construção.

    Um beijinho!






    ResponderExcluir
  36. Un poema muy lírico donde los versos dedicados al otoño, tienen la calidez de sus colores.
    Las estaciones del año van rodando sin pausa, y ahora os toca el invierno donde el paisaje pierde todo su color.
    Me gustó mucho tu poema.
    Feliz invierno y un abrazo.

    ResponderExcluir
  37. Una estampa del otoño muy ajustada que lleva a la reflexión y que nos hace pensar que pronto llegará con sus luces y sombras a navegar por nuestra vida el invierno. Hermoso poema. Gracias por compartirlo.

    Saludos muy afectuosos y cordiales, junto con mi admiración por su poesía.

    ResponderExcluir
  38. Meu amigo passei para desejar um bom "restnho" de domingo e uma excelente semana.
    Um abraço
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  39. Poema bonito!
    Grata pela visita no Fragmentos Poéticos.
    Muita paz!

    ResponderExcluir
  40. Un saludo para tu poema fresquito, desde el caluroso Mediterráneo.
    Para nosotros empiezan las vacaciones de verano.
    Un saludo, Pedro.

    ResponderExcluir
  41. Passando para deixar um beijo e desejar uma semana cheia de paz.

    Ani

    ResponderExcluir
  42. Um belo poema que enche nosso ser de poesia, encantos e sensações de paz oriunda da mãe natureza, tão bem, retratada nessa arte poética.
    Beijos carinhosos!

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO