>

6 de ago de 2017

(Poesia) PEDRO LUSO - Hemoptise






   

    HEMOPTISE

   - PEDRO LUSO DE CARVALHO




Vi naquele quarto sombrio
aquele homem de vítreos olhos
palidez de cera no rosto
as profundas marcas gravadas
pelo tempo nesse seu andar
com a dor que espera passar.

A ameaça se faz presente
(não cessa o martírio da tosse)
o risco de romper-se a veia
azulada, que a pintou mão
de algum espectral ser no rosto
marmóreo, para seu desgosto.

Não mais quer lutar pela vida:
irrompe-se, qual meteoro,
a hemoptise; sente-se o frio,
silêncio no quarto vazio.



 *   *   *




34 comentários:

  1. Maravilhoso poema, como sempre aqui leio!!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Olá amigo, como sempre, mais uma postagem interessante,poesia, de um quadro triste mas descreve a realidade de muitas pessoas que sofrem.

    Abraços, tenha uma noite abençoada e que seu amanhecer seja com muitas energias boas para que reinicie uma semana com saúde e força para seguir sua caminhada feliz. Abraços, fica na paz de Deus.
    Lourdes Duarte.

    ResponderExcluir
  3. PEDRO,

    Não faz muito que essa luta pela vida era inglória. A expectativa da cura, no século passado, era agonizante. Hoje, cura-se a tuberculose, descobrem-se vacinas, mas outras lutas serão travadas, parece um desafio eterno, a vida nos levando às mais terríveis provações.
    Triste poema, mas forte e desafiador. E a hemoptise (expectoração do sangue do aparelho respiratório) não deixa dúvidas do quadro dramático do teu poema.

    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  4. Olá Pedro seu poema mostra a tristeza do fim de uma vida. Cada época uma doença uma mazela para a humanidade, a morte faz parte da vida, mas bem que poderia vir com mais suavidade para todos. Sei que isso é um sonho utópico.
    Gostei de seu poema, Abraços Léah

    ResponderExcluir
  5. Muy sugerente tu poema donde trasmites la angustia de una enfermedad donde la persona se rinde por el cansancio de una cura que no llega.
    Triste y a la vez hermoso lo que has escrito.
    Me encanta la pintura que has dejado como imagen.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  6. Triste quadro e o pior de tudo é quando desistimos de viver, entregamos ,.como ele, os pontos...abraços, linda semana,chica

    ResponderExcluir
  7. Um poema intenso e profundo.
    Ainda me lembro dessa doença ser fatal, tive um tio que embora tenha conseguiu sobreviver à doença, ficou demasiado debilitado e acabou por morrer ainda novo.
    Um abraço
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco


    ResponderExcluir
  8. Pedro,
    que magistral poesia!
    Se me permite, lembrei-me
    de um poeta que amo:o
    Manuel Bandeira com seu texto
    pneumatorax.
    Eu disse que lembrou-me
    pq cada Poema é único como
    nossas digitais.
    Linda nova semana.
    Bjins
    entre sonhos e delírios
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, minha amiga, este é o famoso poema, "Pneumotórax", de Manuel Bandeira, que juntamente com Carlos Drummond de Andrade e João Cabral de Melo Neto formam os três nomes mais importantes da Poesia Brasileira. Segue, na íntegra, o famoso poema a que você faz referência.


      – MANUEL BANDEIRA – Pneumotórax


      Febre, hemoptise, dispneia e suores noturnos.
      A vida inteira que poderia ter sido e que não foi.
      Tosse, tosse, tosse.
      Mandou chamar o médico:
      – Diga trinta e três.
      – Trinta e três... trinta e três... trinta e três...
      – Respire.

      ...............................................................

      – O senhor tem uma escavação no pulmão esquerdo
      e o pulmão direito infiltrado.
      – Então, doutor, não é possível tentar o pneumotórax?
      – Não. A única coisa a fazer é tocar um tango argentino.

      Excluir
  9. Olá Pedro!
    Natália Correia, poetisa portuguesa, diz nos dos seus poemas que "o poema é o que no homem para lá do homem se atreve."
    Tu atreveste-te a escrever sobre o triste, lento e doloroso fim da vida e daí resultou um poema profundo e belíssimo.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  10. Quase todos os fins de vida são tristes... implicando sofrimento crescente... que se vai instalando na alma... como uma falta de ar...
    Sorte de quem se vai de uma forma pacífica... sem dar por isso...
    Um poema intenso e tocante... que aborda muito bem... os últimos dias... de quem já desistiu de viver...
    Abraço! Continuação de uma excelente semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  11. Uma situação dramática neste poema. Parece um quadro vivo...
    Uma boa semana, meu Amigo Pedro.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Pedro Luso
    O escrito português Júlio Dantas (era médico) no seu livro, escreveu com certo rigor sobre as hemoptises. Estávamos no no século passado e ainda a tuberculose aqui não estava debelada. Mas o poema é bem construído e a recordação fica.

    CONVITE A COMENTÁRIO
    Brasil – País do futuro:
    Análise Sociológica das Elites Basileiras

    mornaguerra.blogspot.pt

    Abraço

    ResponderExcluir
  13. "Vi"
    Fiquei imaginando o cenário. A esperança e o desejo de querer viver, em guerra com a ânsia de parar de sofrer. Sem dúvida, uma visão melancólica!

    abraços, Pedro.

    ResponderExcluir
  14. A morte vem, com toda a certeza, Pedro! Custa-nos a aceitá-la, mas bem melhor seria que nos fossemos habituando à ideia. Não avisa, chega, entra sem bater, mas bem que podia chegar silenciosa, sem grandes barulhos para não acordar os que connosco vivem, mas...não...ela por vezes chega com muito furor, zangada, barulhenta a tal ponto que todos gritam assustados. Mas...que havemos de fazer? Nada, amigo! Ela pode e manda muito mais que nós. Muito boa esta tua poesia, mas, confesso...muito triste. E, agora, aqui que ninguém nos ouve...o que deu a você e à Tais? Os dois tão macabros!!!
    Beijinhos Pedro.
    Emilia

    ResponderExcluir
  15. Oi.Pedro, impressionante a arte expressiva de Cândido Portinari, a árvore simbolizando um pulmão corroído e a marca vermelha do sangue...muito expressivo também o seu poema descrevendo a angústia da doença que corroeu o mundo por séculos. a lembrança de Bandeira no Pneumotorax...lembrei dele esta semana ao ler as notícias políticas e recitei mentalmente "o jeito é dançar um tango argentino" (rs)
    Um abraço

    ResponderExcluir
  16. Quando nada mais pode-se fazer e sente-se o frio fio da lâmina certeira. e vem este pensar de incompletude que causar um certo desprazer e numa ultima tosse o expectora-se a ultima gota de vida.
    Um belo poema Pedro na bela arte de encantar palavras.
    Abraços amigo.

    ResponderExcluir
  17. Envolviendo tu poema, tan sentido, hay como una alegoría en la imagen que lo ilustra. Lo que supongo son dos globos aerostáticos, en la lejanía semejan dos gotas al revés, rojo y azul, sangre y ¿plomo?
    Saludos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é uma das interpretações, Ana, de que gostei; os dois balões, azul e vermelho, da obra de Portinari, ilustram, para mim, os dois pulmões, o vermelho seria a hemoptise (sangue). Obrigado pelo comentário.
      Um abraço

      Excluir
  18. Eres muy bueno haciendo versos amigo Pedro, mientras los leemos no pensamos en el calor que estamos pasando.
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  19. Olá Pedro
    Quando li o título de seu poema meu primeiro impulso foi fechar a página e sair porque recordações de sofrimento e dor inundaram a minha mente. Mas... a curiosidade foi mais forte e fui adentrando no seu poema. Poeticamente lindo com palavras tão bem colocadas que não agride as lembranças. Então fixei meus olhos na pintura e aquela gotícula vermelha me fez derramar o pranto
    Belíssima construção meu amigo como é do seu habitual estilo
    Peço desculpas por extravasar na sua página minhas recordações e minha dor
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gracita você não tem desculpa a me pedir por ter extravasado emoções, como diz, "minhas recordações e minha dor", pela leitura deste meu poema. Ao contrário, poetisa amiga, sinto-me honrado com o seu comentário, pelo qual agradeço.
      Um abraço.

      Excluir
  20. Felicitaciones por tu blog, tu poesía. Desde Chile un abrazo grande¡¡¡¡

    ResponderExcluir
  21. Oi, Pedro!
    Os sonhos daqueles que sofrem mais pelo abandono do que pela doença em si, sempre se esvaem numa hemoptise dolorosa. E como você bem assinalou lá no nosso espaço, as coisas por aqui estão cada vez mais confusas, sem sentido, obscuras. Como mudá-las? Por onde começar? Sempre me torturo com esses questionamentos que faço a mim mesma. Então, que pelo menos, as denunciemos com alguma poesia e , quem sabe, os poetas salvarão o mundo. Seu poema é um despertar para a realidade que nos cerca, uma realidade dura, seca, sem enfeites. Gosto muito, faz-me lembrar Bandeira e João Cabral.
    Amigo, um bom fim de semana pra você e sua família! Beijos na Tais!

    ResponderExcluir
  22. Bom dia Pedro.
    Meu querido amigo. Estava com saudade de ler as suas poesias e interagir com uma pessoa como você e a Tais. Ambos que gosto muito. Um poema relatando o sofrimento de uma evolução tão trágica. Agora no presente menos devastadora que no passado . Era como uma sentença de morte. No passado eu tive muitas vezes hemoptise. Mas no meu caso não se tratava de turbeculose. Mas um sintoma decorrente de um nódulo no pulmão. Mas complicado do que eliminar sangue pela boca e os olhares das pessoas a nossa volta. Muito constrangedor. Que bom que felizmente não ocorre mas esse sintoma. Muitos vezes mas que a própria doença e ter que aos poucos se conformar que toda doença evolui e a morte chega mas perto. No poema acima talvez não tenha ocorrido a desistência da luta. Mas o conformismo diante do inevitável. Um lindo dia para vocês. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  23. Um belo poema meu amigo que ilustra bem o Inverno da vida.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  24. Fantástico poema y ademas con mucha verdad.
    Besitos

    ResponderExcluir
  25. Sentido y excelente poema.

    Muy bueno.
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  26. Um poema muito forte e realista. Reflete instantes de agonia e desesperança. Bem construído, Pedro, parabéns.
    A pintura/imagem é linda.

    Um abç

    ResponderExcluir
  27. Passando para deixar um abraço como
    sempre ver e gostar do seu post,desejar
    um final de semana cheio de muita paz
    Boas amizades sempre é um privilegio ter
    Bjuss com meu carinho de sempre

    └──●► *Rita!!

    ResponderExcluir
  28. Decerto uma morte bastante dolorosa, mas o poema é belíssimo e bem construído. Parabéns, Pedro.

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  29. Bom dia amigo!
    Minha visita hoje é para divulgar o blog da Biblioteca da escola que trabalho EREM DR Mota Silveira. Biblioteca Madre Ódila Maroja, este cantinho especial nasceu recentemente. É um blog voltado para pesquisas nas mais diferentes áreas de conhecimento, já tem postagens de , Matemática, Química, Biologia, Língua portuguesa, Filosofia, Sociologia, Direitos Humanos e outras áreas de conhecimento. Também faço parte na organização e pesquisas das postagens. O link é este, http://bibliotecamadre.blogspot.com.br/ caso deseje conhecer e seguir, será um grande prazer, pois como seguidor e comentarista dos meus blogs, você só engrandece as postagens. Obrigada, tenha um Domingo de muita paz e um início de semana abençoado.
    Desculpe não comentar a sua maravilhosa postagem, logo retornarei. Abraços Lourdes Duarte.

    ResponderExcluir
  30. Boa tarde, Pedro, seu poema mesmo sendo sobre doença e tristeza você o faz de uma maneira muito bem construída. Temos alguns autores brasileiros que também escreveram poemas com temas que lembravam doenças da época.Seu poema no mostra a dor, a angústia, e a falta de esperança de lutar pela cura, um tempo que houve a falta de tudo. Hoje, mesmo com mais condições, ainda o sofrimento nos pega e deixa as famílias em frangalhos. Excelente seu poema. Tenha uma boa tarde!Feliz Dia dos Pais!

    ResponderExcluir
  31. Todo, absolutamente todo tiene su final... también la vida.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO