>

12 de out de 2018

[Poesia] PEDRO LUSO - Esperança





ESPERANÇA
- PEDRO LUSO DE CARVALHO




Que não morra a esperança,
(para muitos esperança finada),
que seja ela o nosso norte,
(não seja âncora que aprisiona).

Que se acalme este vendaval,
(impróprio vendaval que não cessa),
intrometido vendaval de males,
nesta Primavera viva, estação de flores.

Que ventos cálidos agora soprem
neste tempo de ódios e de dor,
que haja viço nesta terra arrasada,
que nesta estação vicejem as flores.





*   *   *








36 comentários:

  1. Boa Noite, Pedro!
    Uma singeleza e beleza ímpar... que a Primavera rompa com a força do mal que tenta minar a esperança do nosso coração!
    Um poema tecido nas entranhas de uma nobreza delicada.
    Promovendo a fraternidade e a solidariedade vamos vivendo bem melhor!
    Deus o abençoe muito!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  2. Que lindo poema, sem dúvida mostra nossa agonia; que os ventos tragam logo a paz desejada e a vida que todos os brasileiros merecem; que não morra a ternura que há dentro de cada um de nós; que não morra a esperança! Que possamos amar cada vez mais nossa terra como sempre amamos. Enfim, que volte nosso orgulho de brasileiros pelas belezas que temos, pelo calor humano, pela nossa garra por lutar por uma terra que é nossa.
    Um poema lindo, vi uma súplica!
    Beijinho, Pedro.

    ResponderExcluir
  3. É puro desencanto e alguma desesperança o que perpassa deste belo poema.
    Federico García Lorca dizia que «o mais terrível dos sentimentos é o de ter a esperança perdida», então Pedro, “que não morra a esperança… que se acalme este vendaval… que ventos cálidos agora soprem…”.
    E digo eu... que a estação das flores encha de cor, paz e alegria todos os corações brasileiros!
    Beijo meu amigo e um excelente fim-de-semana.

    ResponderExcluir
  4. Que assim seja...Que os ventos levem esse ódio que circula e deixe as flores... Linda poesia! Precisamos esperança!!! abração, ótimo fds! chica

    ResponderExcluir
  5. Pedro,
    também assino por baixo:
    "...que nesta estação vicejem as flores."

    nós também somos um pouco, esse grande Brasil !
    felicidades,
    Angela

    ResponderExcluir
  6. Muito bom. Adorei:))

    Bjos
    Votos de um óptimo sábado

    ResponderExcluir
  7. Grande sensibilità, che ti contraddistingue sempre Pedro, nei tuoi spartiti poetici.Un caro saluto,silvia

    ResponderExcluir
  8. Que nunca se pierda la esperanza.
    Maravilloso tu poema.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  9. O poema descreve a preocupação com o momento atual. Oxalá seja para o bem do país e do seu povo.
    Um abraço e bom fim-de-semana

    ResponderExcluir
  10. Excelente poema!! Amei. Obrigada pela partilha!

    Fosse eu, a flor que perfumasse teu interior
    Beijos e um excelente fim de semana.

    ResponderExcluir
  11. Por cá meu amigo costuma-se a dizer "A esperança é a última a morrer".
    Um belo poema.
    Um abraço e bom Domingo.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  12. Nada cuesta imaginar, amigo Pedro, el destino de tus palabras. Solidarizo con tu angustia, tus anhelos y tu esperanza.

    ResponderExcluir
  13. Un bello poema lleno de energía positiva, yo comparto contigo la ilusión de que jamás perdamos la esperanza por conseguir un mundo mejor y continuar caminando más felices por la vida.
    Os echaba en falta, estoy encantada con visitar a todos mis amigos blogueros, lo haré poco a poco hasta que vuelva a publicar.
    Cariños.
    Kasioles

    ResponderExcluir
  14. OI PEDRO!
    A ESPERANÇA NOS MOVE. TOMARA QUE DELA VENHAM AS FORÇAS PARA ESPANTARMOS OS VENTOS MALFAZEJOS QUE HORA SOPRAM SOBRE NOSSAS CABEÇAS.
    QUE VINGUEM AS FLORES SEMEADAS NAS PALAVRAS DE TEU LINDO POEMA.
    ABRÇS
    https://zilanicelia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Que la esperanza nunca se pierda y que reine en ti, un abrazo.

    ResponderExcluir
  16. Que a esperança seja "o nosso norte, (não seja âncora que aprisiona). Tão belo e quase um grito de alarme…
    Uma boa semana, meu Amigo Pedro.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  17. Quase tudo se conquista
    quando se luta por valores
    Abraço

    ResponderExcluir
  18. que dizer, meu caro amigo? quando se sabe quão funda é essa dor
    apenas que comungo contigo esta (des)esperança esperançosa.

    forte abraço, caro Pedro Luso

    ResponderExcluir
  19. E sem esperança como escolheríamos caminho?
    Que ventos de paz e progresso soprem no Brasil!
    Belo poema, meu amigo Pedro Luso.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  20. Bom dia, Pedro,
    belíssimo e sensível poema, apropriado para a época em que vivemos.
    Que a esperança não morra e que sejamos confiantes como a criança que almeja o colo da mãe.
    E, que a primavera seja apenas de flores, de cores e paz, e que possamos vivenciar num futuro próximo, a paz tão almejada por nos, brasileiros. Abraço!

    ResponderExcluir
  21. Mai perdere la speranza!
    Bella poesia complimenti.
    Un abbraccio
    enrico

    ResponderExcluir
  22. Olá Pedro,

    Um poema muito belo, habitual aqui no teu espaço, em que
    o poeta conhece o caminho que leva as palavras numa
    expressividade da arte literária, a oferecer a cada leitor
    o seu significado singular na leitura.

    "que haja viço nesta terra arrasada,
    que nesta estação vicejem as flores."
    Sinto as flores no simbolismo do sublime da contemplação
    e pacificação.

    Votos de final de semana na paz, admirável poeta.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  23. Leer tu poema nos arrastra hacia tus deseos.
    Fin de los vendavales. Fin de la pena. Fin del triste pasado y sus anclas.
    Y comienzo del vuelo alegre que merece el país, colgado en la punta norte de la brújula.

    Saludos

    ResponderExcluir
  24. caro amigo PEDRO, creio que existe em nós brasileiros uma esperança genética, que a pesar todas as dores e decepções, teima em sobreviver e emergir, é este o caminho que seu poema maravilhoso nos indica.
    Vamos esperar pela paz e que Deus nos ajude.
    Abraço forte
    Léah

    ResponderExcluir
  25. Que a esperança nunca morra nos nossos corações, pois ela tal como a primavera, vai dando cor aos nossos dias.
    Maravilhoso poema.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  26. Ventos cálidos e flores são o que mais falta fazem nesta fase da vida brasileira. Mas não só, porque essa carência campeia um pouco por todo o lado.
    Excelente poema, gostei imenso.
    Caro Pedro, uma boa semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  27. Pedro Luso, o poema, verdadeiramente de intervenção, está a propósito do momento, bem construído.
    Reportando-me, curiosamente, o melhor emprego, que tive, em termos de condições de trabalho, foi numa empresa de um grupo brasileiro, do Rio de Janeiro. Depois por correspondência fui muito apoiado por amigos do Brasil. Conservo uma pasta de recortes de jornais, todos de SP onde eu ou a minha FRANQUIA - Revista Filatélica Portuguesa. A revista foi de âmbito Lusófono e nesse aspecto o Brasil foi bastante destacado, como o foi em Espanha, onde escrevia como Freelancer. Daí a grande afeição pelos irmãos brasileiros e pelo imenso Brasil. Um pais cheio de potencialidades desaproveitadas.
    Abraço

    ResponderExcluir
  28. Diariamente entrego-me a DEUS e peço-lhe bênção e proteção para mim, minha família, meus amigos e para todos aqueles que DELE precisaram, precisam e, com certeza, irão precisar. Daí, aumentam as minhas esperanças de ter um Brasil que, futuramente, possa orgulhar nossos netos e bisnetos. Belo, profundo e bem pertinente o teu poema.

    Beijos no coração, teu e dos teus.

    Furtado

    ResponderExcluir
  29. Expressou lindamente um dilema que consome a mim e acredito também que a milhões de pessoas.

    Abração, Pedro. Ótima semana/

    ResponderExcluir
  30. Ainda bem que as cores da pintura de Iberê Camargo sempre nos dão alento. E esperança é o que mais precisamos em tempos tão difíceis da sociedade brasileira. O poema espelha com uma bela estética essa dura realidade. Façamos do nosso voto a arma que nos redima!
    Um forte abraço, meu caro amigo!

    ResponderExcluir
  31. Grande Pedro, venho da sala da Taís donde conversamos sobre uma onda de ataques, sobre uma intolerância, sobre um clima de ódio e creio que nesta onda a esperança passa ao largo amigo. E neste esperar sem acreditar vem uma solidão, apatia e que sua poesia nos resgata para uma realidade tão dura e perversa, que não nos seja possível ter que beber do vinho amargo da desilusão.

    Um bom fim de semana para vocês.
    Meu abraço amigo com paz e luz.

    ResponderExcluir
  32. Em primeiro lugar, Pedro Luso meu amigo, muito obrigado pelas palavras amigas e afetivas no meu espaço! Creia amigo, devo muito a ti e à Tais! Enviarei e-mail. Quanto à postagem, devo dizer que teu poema está maravilhoso. Creio ainda que "a esperança é a última que morre" para os brasileiros, e é possível que o menos pior seja ótimo, pois a cada esperança há um sonho objetivo a ser alcançado. Mesmo que o objeto do sonho não seja pleno em seu alcance, que ele seja à imagem dos anseios do povo. Tenho a crença que irá melhorar! Abraços. Laerte.

    ResponderExcluir
  33. Um bonito poema! Que a esperança seja avivada em cada coração!!
    Boa semana. Muita paz!

    ResponderExcluir
  34. Que os ventos de mudança... tragam paz e estabilidade... à nação brasileira... e que a esperança... se converta mesmo, numa positiva concretização de intenções... para o bem colectivo...
    Belíssimas e assertivas palavras, Pedro!
    Abraço! Bom fim de semana
    Ana

    ResponderExcluir
  35. Haja sempre esperança
    Parabéns pelo poema
    Beijinhos

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO