>

12 de jan de 2018

[Poesia] PEDRO LUSO – Prisioneiro





PRISIONEIRO
PEDRO LUSO DE CARVALHO




Tem-me prisioneiro esta casa
às escuras, no seu denso silêncio,
assustador silêncio dilacera
os meus nervos já tão debilitados.

Fechadas todas janelas e portas
da casa, abri-las inútil esforço,
força não tenho para cadeados
e fechaduras com rigidez do aço.

Pulmões inflados, grito que não sai,
a jugular inchada pelo esforço,
som algum se expande neste vazio –
alguém ouvirá o meu surdo grito?

Portas ou janelas não se abrirão,
terei de aceitar esta minha sina,
prisioneiro da hermética casa –
vivo o que me resta nesta agonia.





*   *   *





40 comentários:

  1. Olá caríssimo Pedro,
    A imagem é linda, apesar das ruínas, o poema expressa um momento de enclausuramento d'alma e ficou belo demais. Há momento sim que ficamos aprisionados a tantas coisas! Receba meus aplausos pára sua obra prima!
    Feliz 2018 com muita paz, saúde e conquistas!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Como o conhecimento da situação do eu lírico, essa opressão, se traduz na construção do sentido do poema, deixando o leitor igualmente sufocado com o fato de estar prisioneiro. Poema vigoroso. Gostei da atmosfera do poema criado por uma linguagem tão rica.
    Um abraço, caro amigo!

    ResponderExcluir
  3. Que bonito!
    :))

    -
    Do Gil António, que se encontra doente, motivo porque não vos visita. Pedimos a compreensão: Hoje:- Luz no teu quarto ...Tentação do meu olhar
    .
    Bjos
    Resto de uma boa noite

    ResponderExcluir
  4. Me parece un excelente poema.
    Un placer tus letras.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  5. Como sempre, maravilhoso!!

    Beijo. Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  6. Boa noite querido amigo Pedro.
    Um poema tão bem escrito, que me fez me sentir a opressão de esta prisioneira nesse lugar rsrs. Só os grandes poetas e escritores consegue da essa sensação aos seus leitores, como se fossemos nós mesmo a passar por algo assim. Mas como sempre algo muito bem inspirado e bem criativo. Você e a querida Tais são excelentes escritores. Um feliz final de semana para ambos. Grande abraço.

    ResponderExcluir

  7. Belíssimo teu poema, e quantos de nós não se sentem prisioneiros em corpos que não se abrem como se cadeados e trancas houvessem, qual uma casa com trancas intransponíveis! Assim somos nós nos emaranhados de nossas mentes frágeis muitas vezes sem dar-lhes um rumo certo. Um grito que não ecoa, um coração descompassado, uma vida ao léu.
    Um dos mais belos poemas que li aqui, mostrando agonia, tristeza, solidão e uma vida que nada valeu.
    Beijinho daqui do lado, querido.

    ResponderExcluir
  8. Caro amigo Pedro, a primeira impressão sentida ao ler este denso, mas belo poema, foi de um sentimento de viver sob um regimento ditatorial; a segunda impressão: de algo espiritualizado onde o corpo aprisiona o espírito, mas, enfim, seja como for, tenho lido que não devemos pedir ao poeta para que explique seus versos. Um abração. Tenhas um bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Pedro, um belo poema reflexivo que pode nos levar a algumas direções, mas todas inquietantes...quantas vezes nos sentimos presos dentro do nosso próprio corpo e quantas vezes a criança em nós ficou presa em uma "casa" da infância?
    Um abraço

    ResponderExcluir
  10. Un momento inquietante in cui ci sentiamo soli con noi stessi e
    non riusciamoad uscire da questa triste situazione, che ci assila
    Sempre bello leggerti, Pedro, un caro saluto,silvia

    ResponderExcluir
  11. Estupendo poema que al leerlo produce las mismas sensaciones que tan maravillosamente versificas.
    Me gusta mucho la pintura que acompaña al poema.
    Un abrazo Pedro.

    ResponderExcluir
  12. O grito de uma alma que sente aprisionada.
    Maravilhoso poema.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  13. Maravilhosa composição que inquieta a alma produzindo reflexão.
    Parabéns!
    Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  14. Hace sentir esa angustia del personaje en su encierro. Excelente como lo has narrado.
    Un fuerte abrazo, Pedro.

    ResponderExcluir
  15. Amigo Pedro uma bela expressão de sentimentos vários num poema de rara beleza ainda que o triste e o melancólico predominem. Uma imagem dura do tempo, do descuidado e que muio=to bem pode ser o ser em suas mutações e enfraquecimento natural de suas forças. Seria a clausura a saudade nas lembranças da casa onde vivera belamente uma infância e hoje ao vê-la vem este sentimento de prisão. Muito bom poema amigo, que sempre me inspira a viajar pela palavras e pela imagem.
    Aplausos Pedro por tão belo talento.
    Abraços e bom domingo na feliz semana de vocês, que estimo muito.

    ResponderExcluir
  16. Así nos podemos sentir prisionero sin fuerzas.
    Un bonito domingo.

    ResponderExcluir
  17. Que bella imagen e inspiradora de tus versos lindos, Pedro. A pesar de que refleja soledad aparece sobre ella ese claro de luna que le da vida. Es uno exquisita pintura.
    Gracias por compartir algo tan hermoso. Ha sido placentero leerte.
    Un abrazo y mi gratitud.

    ResponderExcluir
  18. Por vezes é assim
    sequestrados no paraíso

    ResponderExcluir
  19. Um poema inquietante, meu Amigo Pedro. Quantas vezes a vida nos parece uma casa fechada onde ninguém ouve os nossos gritos de alarme, os nossos densos silêncios, as palavras que murmuramos baixinho...
    Gostei imenso do poema.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  20. Um poema forte e inquietante, que me fez pensar nos transsexuais que devem viver assim prisioneiros numa casa (o seu corpo) que não reconhecem e de onde não conseguem sair.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderExcluir
  21. Hola Pedro, hermoso mensaje en tu poema, esa casa puede ser la ida misma o la sociedad en la que vivimos y nos hace prisioneros.

    mariarosa

    ResponderExcluir
  22. A vida por vezes é mesmo assim como uma casa fechada onde não encontramos a saída.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  23. Pedro Luso
    Grandioso poema que me parece ser todo ele uma metáfora, será contudo poema de intervenção, que os próceres políticos precisavam ler e equacionar.
    (Daniel)

    ResponderExcluir
  24. Um poema que nos conduz a uma imediata reflexão sobre o tema...
    Prisões em sentido figurado há muitas, porém, esta é trágica por ser absolutamente irreversível...
    Acontece quando normas sociais obsoletas acorrentam, ou quando deveres morais aprisionam...
    Um poema estética e literariamente impecável, expressivo e impressivo.
    A ruína da casa a par da ruína humana...
    Um 'post' com a classe a que nos habituou.
    Abraço, Amigo.
    ~~~

    ResponderExcluir
  25. PEdro
    um poema forte e denso que nos leva a reflectir sobre a ruína não só de uma casa mas também do ser humano.
    Abraço
    :)

    ResponderExcluir
  26. Una introspezione malinconica che mi ha colpito molto! Noi prigionieri di noi stessi. inquieti inquilini della vita...
    Bellissima!

    ResponderExcluir
  27. Poema bastante expressivo em sentimentos aprisionados e inquietantes numa alma que deseja a libertação. Bela imagem, mesmo mostrando o abandono, mas que já foi berço de famílias felizes a lhe habitar.
    Abraços afetuosos!

    ResponderExcluir
  28. Me ha encantado tu poema, lo interpreto como una metáfora de la vida, de como, en ocasiones, en momentos de reflexión, nos sentimos encerrados y prisioneros de recuerdos, de vivencias que marcarán por siempre nuestra existencia,
    Me ha encantado el cuadro, mientras te escribo, estoy escuchando el Claro de Luna de Debussy, prueba tú a escucharlo mientras miras el cuadro:
    https://www.youtube.com/watch?v=Yaxu4qEXDJs
    Cariños.
    kasioles

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ouvi Clair de Lune, de Debussy, numa excelente execução ao piano.
      Música e execução magistrais.
      Obrigado pelo link, querida Kasioles.
      Um beijo.
      Pedro

      Excluir
  29. Pedro Luso,
    prisioneiros somos dos passos que damos
    e quando julgamos chegar ao topo, rebolamos no barro
    de que somos feitos!

    poema de excelência!

    abraço, meu amigo

    ResponderExcluir
  30. Muy bonito poema. Admiro a los que tenéis la suerte de saber escribir de esa manera. Yo soy incapaz de hacer una rima, por eso os admiro tanto.
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  31. A veces nos sentimos prisioneros de nuestros propios miedos, como encerrados entre cuatro paredes... son circunstancias de la vida.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  32. As casas, como dizia Ruy Belo, nascem, vivem e morrem - como as pessoas. No entanto temos tendência a permanecer nelas, encarcerados. Há pedaços de vida a que ficamos ligados. Belíssimo poema, caro amigo Pedro!

    ResponderExcluir
  33. Uma casa... que poderá ser uma analogia, de tantas coisas que nos aprisionam... preconceitos, fobias, circunstâncias, dúvidas, receios... no limite, somos prisioneiros de nós mesmos...
    Mais um excelente trabalho que nos faz reflectir... e com a qualidade de sempre!...
    Finalmente, só agora consegui passar por aqui... resolvendo uma série de questões, por estes dias, que limitaram imenso o meu tempo, esta semana... pelo que nem tive oportunidade de informar, que um dos seus trabalhos, estaria em destaque, lá no meu canto, por estes dias... mas felizmente, que o Pedro, deu por tal... :-))
    Um grande abraço! Continuação de uma óptima semana!...
    Ana

    ResponderExcluir
  34. Amigo Luso, aquí estamos de nuevo.
    Con mis deseos de que esta vez las puertas y ventanas se abran de par en par. Y que el grito de libertad salga completo, sin nada que lo aprisione y se expanda por todo el 2018.

    ResponderExcluir
  35. Poesia molto intensa che mette l’ansia e trasmette l’angoscia di chi è “Prisioneiro”
    Buon Weekend.
    Un abbraccio
    enrico

    ResponderExcluir
  36. Pedro, este seu excelente e ímpar poema, nos presenteia a
    Poesia na função da arte, como a leitura na experiência
    catalizadora de um mesmo sentir, um sentir sufocado, "prisioneiro"
    na casa interior e nas casas da vida no sentido pleno do tempo
    em aprendizagem, afinal viver é aprender...
    Parabéns, meu amigo!!!
    Um ótimo final de semana para você e a Taís!
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  37. Não recebeu o meu comentário Pedro?

    Comentei aqui ontem e gostaria de saber se o recebeu, porque andam a 'desaparecer' comentários meus, ou, então, vão parar ao Spam do Blogger. Importa-se de confirmar?
    Obrigada, bom fim de semana.

    Janita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não recebi o teu comentário, Janita.
      Procurei no e-mail, inclusive no spam, mas não o encontrei.
      Lembro-me ter feito um comentário na tua penúltima postagem, no poema em que aparece uma imagem, que pensei ser do Cristo Redentor, mas tu esclareceste que não era uma imagem do Rio de Janeiro.
      Um ótimo final de semana.
      Pedro

      Excluir
    2. Que pena, Pedro! Quando repetimos um comentário nunca sai igual nem com o mesmo ímpeto e sentimento do primeiro, não é verdade?
      Espero que este chegue a bom porto, já que não os vendo publicados, de imediato, não sabemos.
      Pois, creio ter escrito que o pior cárcere é o que nos impomos a nós próprios. Isto, na sequência deste seu admirável poema.

      Um abraço grato e votos de excelente fim de semana para toda a família, meu Amigo.

      Janita

      Excluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO