>

1 de jan de 2018

[Poesia] PEDRO LUSO – Minha Caminhada





MINHA CAMINHADA
PEDRO LUSO DE CARVALHO





Quanto tropeço, quanto sofrimento
quis o destino – nesta caminhada!
Faltam-me números para contá-los.

Foram longas minhas noites insones,
pelos males cometidos na estrada,
pelos muitos reparos que não fiz.

Quantas desculpas terei que pedir?
São muitos os amigos esquecidos!
Fosse meu desejo, como encontrá-los?

Ficou amargura desses meus caminhos,
não perdoei, também não fui perdoado,
vingou-se a estrada tirando-me a alma.






          *   *    *






51 comentários:

  1. Linda e tao profunda tua poesia,Pedro! Abraços, chica e Tudo de bom em 2018!

    ResponderExcluir
  2. Versi intensi e tristi. L'augurio che il Nuovo Anno porti serenità e amore.
    enrico

    ResponderExcluir
  3. Versi intensi, dai toni nostalgici, molto apprezzati per la loro originalità
    Tantissimi auguri, Pedro, per un radioso nuovo anno, silvia

    ResponderExcluir
  4. Se não fossem as amarguras... jamais se descobríria o prazer da doçura... por qualquer razão... a felicidade tantas vezes nos passa despercebida...
    As amarguras também servem para ver de que barro somos feitos... se as aguentamos... ou simplesmente quebramos...
    Sendo ruins de as suportar, e às vezes de as aceitar... só nos tentar descobrir o seu lado mais útil... :-)
    Um feliz 2018, para si e todos os seus, Pedro, com muita saúde, alegria, afectos, muitas realizações... e muita inspiração por aqui...
    Tudo de bom! Um grande abraço!
    Ana

    ResponderExcluir
  5. Poema muy bello y profundo.

    Te deseo un año 2018 muy feliz.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  6. Pedro:
    creo que hay que pedir disculpas, es bueno y proporciona paz.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Olá amigo Pedro!
    Nesta vida nem sempre conseguimos fechar contabilmente favorável e vem esta angústia tão comum da alma.
    Que 2018 nos surpreenda com movimentos positivos, que traga nosso sorriso solto de volta.
    Vamos mais um ano em sintonia espalhando sentimentos.
    Meu terno abraço amigo e tudo de bom para vocês todos os dias de 2018.

    ResponderExcluir
  8. A vida é uma longa estrada de encontros e desencontros amigo Pedro.
    Gostei do poema, apesar do seu sabor amargo.
    Um abraço e Bom Ano

    ResponderExcluir
  9. Que el año que empieza, este 2018, cumpla todos tus sueños.
    Un beso

    ResponderExcluir
  10. Um poema muito reflexivo, meu Amigo Pedro. Quando fazemos o balanço da vida encontramos sempre algo que gostaríamos de ter feito. É difícil, sim, este "jogo" de viver.
    Uma boa semana e um ano de 2018 excelente,
    Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Pedro, esse teu poema é excelente. Quantas vezes cometemos erros e também somos vítimas! Mas sobram arrependimentos. Sempre repetimos a mesma coisa dizendo: 'se voltássemos no tempo, faríamos tudo diferente'. Não cometeríamos os erros, não magoaríamos amigos, relevaríamos ofensas. A vida seria bem melhor. Mas o tempo é implacável, não nos dá uma segunda oportunidade. Nessa vida, não temos ensaio: os anos perdidos não voltam.
    'vingou-se a estrada, tirando-me a alma.'. Lindo!
    Belo poema!
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  12. Brilhante.
    -
    Para o segundo dia do Ano, temos: "Perambular nesta viagem da vida"
    .
    Bjos e 2018 em grande.

    ResponderExcluir
  13. Poema bem interessante em modo refletivo!
    Desejo um excelente 2018!
    Abraço
    Rui Olhar d'Ouro - bLoG
    Olhar d'Ouro - fAcEbOOk

    ResponderExcluir
  14. Excelente poema este.

    Beijo. Um excelente ano de 2018

    ResponderExcluir
  15. Caro Pedro, eis um poema bem trabalhado, denso e belo. Um abraço. Tenhas um bom dia, uma boa semana, um bom ano e uma boa vida.

    ResponderExcluir
  16. Acho que quando a gente consegue pensar no que fez de errado sem tentar arranjar desculpas e justificativas, estamos para lá da metade do caminho.
    Belo poema!

    ResponderExcluir
  17. Siempre hay que perdonar y seguir en el camino para que no haya nada que te impida seguir siendo feliz.
    Un feliz 2018.

    ResponderExcluir
  18. Feliz y prospero año 2018.
    Que tengas mucha salud y dinerito para gastar, que nunca viene mal.
    Un fuerte abrazo

    ResponderExcluir
  19. Parece ter sido uma dura caminhada.
    Sentido e belo poema
    Um excelente Ano 2018.
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  20. É um prazer lê-lo, Pedro Luso. Mas "Vingou-se a estrada, tirando-me a alma"? A alma é grande e engrandece a caminhada.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  21. Muy buena entrada..Feliz Año..un saludo desde Murcia.

    ResponderExcluir
  22. Um feliz ano novo cheio de poesia e amor. Abraço

    ResponderExcluir

  23. La intensidad de tus palabras me inunda

    ResponderExcluir
  24. Vingou-se a estrada, tirando-me a alma.
    Gostei muito meu amigo. Os meus parabéns.
    Desejo que se encontre bem.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  25. No balanço das horas temos a visão de conjunto, dos acertos e dos erros que
    em geral foram aleatórios causados pela nossa inexperiência .Temos que aprender a pedir e a conceder perdão.
    um abraço

    ResponderExcluir
  26. A estrada se vinga, tirando a alma, porque amigos foram deixados por ela...
    Muito bom.

    ResponderExcluir
  27. Bom dia, Pedro,
    Ah! A estrada é a nossa julgadora, pois quantas pessoas deixamos sem perdão, deixamos com mágoas, deixamos com falta do abraço, deixamos sem dizer nada, mas a estrada que pode ser comparada à nossa consciência nos cobra com dureza.E, nestas curvas da vida paramos para refletir e sentimos a falta da alma, a qual ficou pela estrada. Gostei muito do seu poema, a tela faz jus ao que escreveu. Abraços!

    ResponderExcluir
  28. Caro Pedro Luso

    permito-me escrever que no balanço de perdas e ganhos (ou perdões e vinganças), salva-se a Poesia - e o poeta está salvo!
    a alma não sei julgar.

    excelente.

    abraço, meu amigo

    ResponderExcluir
  29. Magnífico, profundo e reflexivo seu poema, amei!
    Desejo um ano de bem-aventuranças, paz, saúde e continuemos nessa bela partilha entre amigos na blogosfera. Obrigada pelo carinhos aos meus espaços e muita inspiração a cada dia desse ano.
    Beijos afetuosos!

    ResponderExcluir
  30. Pedro Luso
    Caminhada poética, bem intuída mas a deixar expressa uma espécie de pesadelo, tudo bem delineado. Bela reflexão.
    Abraço

    ResponderExcluir
  31. Olá Pedro, hoje estava com aquela sua poesia na cabeça, O Assalto e assim inspirado nela com referencia escrevi uma cronica.
    Um abração e boa semana.

    ResponderExcluir
  32. Cuanta nostalgia hay en tus letras de hombre enamorado!
    Un beso.

    ResponderExcluir
  33. Nossa que beleza e que tristeza este excelente poema. Adorei!
    Obrigada caro amigo por compartilhar.
    Meu grande abraço.
    SU

    ResponderExcluir
  34. Um poema excelente, porque é a síntese da caminhada de cada um de nós, a humanidade civilizada.

    Gostei que se tivesse lembrado de mim. ao tempo que não me dirigia uma palavrinha... mesmo na Quadra Natalícia...

    Ótimo 2018, Pedro e viva tranquilo e felix, pois os amigos verdadeiros perdoam sempre...

    Abraço amigo.
    ~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  35. Uma reflexão poética muito interessante meu amigo e aproveito para lhe desejar um Excelente Ano.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  36. Caro Pedro,

    Mais um excelente poema,
    senti e percebi na estrada poética
    do mestre poeta, João Cabral de Melo
    Neto e tenho a certeza que ele faria
    um dueto com você neste poema
    ímpar de profundidade humana e
    beleza:
    "Não perdoei, também não fui perdoado,
    Vingou-se a estrada tirando-me
    a alma."
    Votos de uma semana luminosa!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  37. Que reflexão doída! Tanto atropelo, tanta pressa, tanto esquecimento! A vida impele-nos a seguir em frente e não é possível levar connosco todos os bocadinhos. E a estrada nada tem de lisa!

    Muito inspirado e sentido este poema, amigo Pedro Luso.
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  38. Gran poema para empezar el año, Pedro.

    Muy feliz 2018.

    ResponderExcluir
  39. Nada melhor que começar o ano fazendo um balanço e esperar uma nova chance da vida para refazer caminhadas. Mas o que passou, passou. Todavia, este poema traz para todos a possibilidade da reflexão. Mas, sobretudo, o que fica é a depuração de linguagem que o poema revela.
    Um 2018 auspicioso para toda família, meu caro amigo!
    Um caloroso abraço,

    ResponderExcluir
  40. Profundo poema, la vida comienza permanentemente. Feliz Año Nuevo!
    Abrazo

    ResponderExcluir
  41. Boa noite amigo poeta sensível, Pedro, eu de volta de umas férias, estava com saudade daqui!
    Seus versos nos mostram como a vida é, com o passar do tempo muitas coisas vão nos fazendo ver que, nem tudo é possível se fazer para se viver com calma, com amigos por perto!
    Também sinto a "caminhada" ficando algumas vezes, pesada!
    Mas vamos indo, que bom que podemos colocar em versos assim, poéticos!
    Abraços apertados e um feliz ano novo meu amigo querido!

    ResponderExcluir
  42. Olá amigo faz parte da vida, sofrer, ser feliz, perdoar ou não, sermos compreendidos e perdoados ou não. Isso é viver, sempre sonhando com a plena felicidade que na verdade não existe, ela aparece em alguns momentos da jornada e só, mas viver é aprender e esperar uma melhor na próxima.
    Lindo poema.
    Que seu 2018 tenha estradas largas, lisas, floridas e perfumadas, para seguires sem sustos e magoas, Felicidades, saúde, amor e paz.
    abraço forte. Léah

    ResponderExcluir
  43. Ningún ser humano es perfecto.
    En nuestro largo caminar por la vida, hacemos cosas buenas y malas, lo importante es detenernos a reflexionar sobre ellas y darnos cuenta que hemos obrado mal, es una buena forma de no volver a repetir aquello que nos atormenta la conciencia.
    Cariños.
    kasioles

    ResponderExcluir
  44. Un poema profundo para comenzar el año, Pedro.
    Me ha encantado.
    Abrazos

    ResponderExcluir
  45. ¡Hola Pedro!!!

    Nos dejas unos bellísimos versos envueltos en melancolía que aflora de vez en cuando, sobretodo cuando uno hace balance de lo vivido y, creo que todos, o la mayor parte de nosotros pensamos lo mismo, a cuestas llevamos fallos porque somos humanos y no somos perfectos, no existe la perfección.

    Me ha encantado leerte este profundo y nostálgico poema. Gracias por tu buen hacer, y por tu huella en mi espacio.

    Perdona mi demora, por motivos de salud, voy muy despacio correspondiendo.
    Te dejo mi fraternal abrazo con mis mejores deseos para este 2018.
    Que todos tus anhelos se realicen.

    Se muy .muy feliz.

    ResponderExcluir
  46. Os balanços que fazemos implicam sempre a descoberta de falhas e omissões. Mas também de muitas coisas positivas.
    Excelente reflexão poética, parabéns.
    Bom fim de semana, caro Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  47. Sempre é tempo de corrigir os erros desde que tenhamos consciência de que os cometemos. Cada dia é nova chance de acertar pois cada erro propicia uma aprendizagem
    Um ótimo sábado para você
    Um abraço

    ResponderExcluir
  48. Pedro
    um poema que nos leva a equacionar toda uma vida nossos erros e não só.
    uma retrospectiva que por vezes nos faz reflectir a nossa trajectória de vida.
    beijo
    :)

    ResponderExcluir
  49. Amigo Luso, aquí estamos de nuevo.
    Con mis deseos de que esta vez las puertas y ventanas se abran de par en par. Y que el grito de libertad salga completo, sin nada que lo aprisione y se expanda por todo el 2018.

    ResponderExcluir
  50. Poesia molto intensa che mette l’ansia e trasmette l’angoscia di chi è “Prisioneiro”
    Buon Weekend.
    Un abbraccio
    enrico

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO