>

15 de set de 2017

(Poesia) PEDRO LUSO – A Mulher e o Algoz



Escrevi este poema como forma de denúncia pelo assassinato de treze (13) mulheres brasileiras por dia, em média, segundo estatística oficial, vítimas de seus maridos, companheiros ou namorados, a maioria mulheres negras ou de condição pobre.



A MULHER E O ALGOZ
PEDRO LUSO DE CARVALHO



Quarto às escuras, a mulher olha
através da vidraça.
A luz da rua entra e clareia livros
em cima do velho baú.

Na calçada, o relógio iluminado,
envolto em ramos de árvores,
com os longos ponteiros duplicados
pelos efeitos das sombras.

De um amor que se fez ódio, ameaça.
É longa demais a espera
na escuridão do quarto, amedrontada –
sabe ela de sua sina.

Na rua, som e silêncio alternados,
carros no asfalto molhado.
Só no quarto, mulher sem esperança
e sua espera pelo homem.

A mulher ouve passos, que cessam
já proximos à porta.
Com o impacto da força cede a porta,
ruído gerado fere o silêncio.

De repente, aí no escuro do quarto
na fria, gélida noite,
zune no ar a lâmina na mão do homem –
cai uma rosa da roseira.





*   *   *



49 comentários:

  1. De arrepiar a poesia e tão triste esse fato.Até quando mulheres terão suas vidas abreviadas assim? abraços, chica, ótimo fds com chuva por aqui!!

    ResponderExcluir
  2. Lindo poema, Pedro, tendo por tema uma realidade horripilante, constante e insuprível, infelizmente.
    Um abraço da amiga
    Teresinha

    ResponderExcluir
  3. Pedro Luso
    É lamentável mas o belo poema tem razão de ser. Que fará algozes de certos homens? Será só prepotência ou demência?
    CONVITE A COMENTÁRIO
    Brasil – País do futuro:
    Agricultura ou Agronegócio, Vocação do Brasil
    amornaguerra.blogspot.pt

    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Nem a forma poética que foi utilizada disfarça o pesadelo que é essa estatística. Que raiva é essa que arma a mão do homem, para matar, quem lhe devia merecer amor e respeito?
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  5. Muito triste esses fatos. Escrevestes de uma coisa triste um belo poema. Uma crítica, uma alerta. Parabéns!Tenha um bom fim de semana. bjs

    ResponderExcluir
  6. Como sempre, um poema bem escrito e de uma magia sem par. de um tema triste, você escreve versos perfeitos. Parabéns! Para que esse fim de semana seja de muita paz, amor e esperança de dias melhores, , deixo esse pensamento da Ana Carolina:
    “Diga o que você pensa com esperança.
    Pense no que você faz com fé.
    Faça o que você deve fazer com amor!”
    Abraços da amiga Lourdes Duarte.

    ResponderExcluir
  7. Crimine odioso anche se colpisse una sola donna ma il numero di vittime che tu indichi è sconvolgente.
    Complimenti per la tua bella poesia di denuncia.
    Buon fine settimana
    enrico

    ResponderExcluir
  8. Un poema que le da belleza literaria a un drama que se vive en todos nuestros países de América Latina. Sólo un poeta logra hacer poemas de un drama.

    mariarosa

    ResponderExcluir
  9. Linda demais! Atribuiria também às mulheres Portuguesas, que todos os dias há mulheres que perdem a vida por assassinato

    Beijo. Bom fim de semana

    ResponderExcluir
  10. Olá, Pedro!
    Li seu poema como se assistisse a um ato de uma peça teatral, atenta ao suspense e apreensiva quanto ao desfecho. Genial, adorei.
    Um abraço,
    Celêdian

    ResponderExcluir
  11. Um poema triste sobre uma triste realidade... quantas causas...
    um abraço

    ResponderExcluir
  12. "Cae una rosa del rosal", que bella expresión para terminar un hermoso poema homenaje a tantas victimas en el mundo por esta lacra que es el machismo.
    "el ruido generado hiere el silencio", me encantó este verso también.
    Un gusto ha sido leerte Pedro. Un abrazo.

    ResponderExcluir
  13. Uma forma de alerta bem interessante!
    Subscrevo as palavras da Cidália!
    Abraço

    ResponderExcluir
  14. Un notevole testo poetico per denunciare la vergognosa violenza sulle donne.
    Buon fine settimana e un caro saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  15. Amigo Luso, un poema lleno de sensibilidad para una realidad terrible.
    En España estamos a la cola de asesinatos de mujeres por parte de sus parejas y aún así vamos a una por semana.
    Pero lo más curioso es que a la cabeza de la lista están varios países nórdicos que en otros campos figuran como un ejemplo de sociedad, lo que nos informa de que hay fallos ocultos que sólo salen a la luz cuando hay muertes. Saludos.

    ResponderExcluir
  16. Un excelente poema para reflejar una lamentable realidad.

    Un gran drama.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  17. Bela homenagem fazes aqui às mulheres que, em pleno seculo XX, continuam a sofrer violência doméstica não só física quanto psicológica e também aqui o caso é muito grave. Pensa-se que só acontece em classes mais baixas onde não há dinheiro e a fome aperta, mas não é verdade; acontece em todas as classes sociais e com morte, infelizmente. Obrigada, Pedro, por esta " chamada de atenção"; pouco podemos fazer a não ser denunciar casos dos quais tenhamos conhecimento. Beijinhos e um bom fim de semana
    Emilia
    ,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seculo XX????? Mas onde estava eu com a cabeça? Claro que não preciso de dizer aqui em que século estamos!!! Desculpa Pedro! Beijinhos e um bom Domingo.
      Emilia

      Excluir
  18. Tava aqui pensando:

    Como a poesia pode ser tão forte e tão delicada ao mesmo tempo?

    Parabéns e obrigada por esta postagem tão importante e necessária.

    : )

    ResponderExcluir
  19. Lindo bem escrito uma homenagem
    maravilhosa as mulheres,mas muito triste
    o que acontece por ai pura realidade

    Abraços com carinho!

    └──●► *Rita!!

    ResponderExcluir
  20. Pedro, no quisiera ser una mujer en un cuarto con un hombre que tiene un cuchillo afilado. Femicidio hay en todas partes y desde hace tiempo. Muy buen poema. Qué vamos a hacer? si hacés muchas veces la denuncia y la policía no te la toma. Gracias por tu tiempo y pasar por mi blog. Te cuento, me encanta Brasil, el baile, la música, la gente. Cariños.

    ResponderExcluir
  21. tema MUY SIMILAR,AL QUE ESCRIBÍ! creo que lo poste, hace unos años,
    Mira Pedro, el psicoanálisis abre puertas,a mentes abiertas,-no es raro, a mentes comprensivas- no todos pueden transitarlo,por los costos, y los MIEDOS! mi propia vida tiene unos 20 años del mismo, Lacan, Freud,Jumg, en fin...fue muy fructífero! en el arte y en la vida, pues pude despegar de feos momentos,ingratos!-GRACIAS POR COMENTAR, tan sinceramente, como abiertamente!
    un abrazo,amigo
    lidia-la escriba
    www.nuncajamashablamos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  22. Um belo poema que traz uma triste mensagem desde sempre e um alerta a essa covardia e gravíssima patologia disseminada pelo mundo. É o 'poder' que muitos homens atribuem-se sobre as mulheres, e não medem atos covardes nem loucuras. Acontece muito mais nas classes pobres, mas nem só.
    Um verdadeiro poema de alerta!
    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  23. Muito bom Pedro e que mais de nós gritem pelos porões imundos da inoperância das leis, que permitem,que a cada hora cai uma rosa.Ouvi estarrecido a estatística da violência deste ano aqui na Bahia devido uma campanha Sou mulher e exijo respeito. Fico imaginando o exigir e tombar na ponta de uma lâmina fria ou bala quente, pois nem a Penha tem pena destas mulheres, que isoladas correm atrás da lei que não as protege.
    Um poema num grito de basta e assino como você amigo.
    Belo trabalho e que faça escola.
    Meu terno abraço de bom domingo.

    ResponderExcluir
  24. Olá Pedro!
    Grande homenagem a todas as mulheres assassinadas por heróis covardes.
    Também em Portugal a violência contra as mulheres faz muitos títulos nos jornais. Na última década, foram assassinadas 380 mulheres, a maioria por maridos, ex-companheiros ou namorados.
    Quando o amor se faz ódio, as lágrimas ganham a cor vermelha do sangue. Uma tristeza!
    Belo, comovente e conveniente poema.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  25. Uma denuncia para alertar as consciências desta tragédia que infelizmente não tem fim.
    Um abraço e bom Domingo.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  26. Querido poeta e amigo Pedro, sim, belos e tristes versos com sensibilidade, pois o que falta mesmo é homem de verdade, o que sabe amar e respeitar a mulher!
    Que pena que está cada vem mais aumentado os índices de violência contra a mulher, ou melhor, acho até que as mulheres estão denunciando mais.
    Seus versos de uma colocação impar, parabéns!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  27. Olá!
    Para fugir da rotina, lancei hoje a brincadeira “POETISANDO E ENCANTANDO, no blog Filosofando na vida.
    https://filosofandonavidaproflourdes.blogspot.com.br/
    Vim convidar você a participar da saudável brincadeira.
    Como acontece, postarei uma foto e a partir desta foto, criamos um verso. Não precisa ser poeta, basta usar da criatividade e postar seu versinho ou poesia em sua página. Exercite sua imaginação, use sua criatividade.
    Comente, leve o selinho número 1º, desta saudável brincadeira.
    Postarei aos domingos e deixarei durante toda segunda feira, a sequência da brincadeira para que facilite os participantes pegar seu selinho e a imagem.
    O link desta página, ficará na lateral do meu blog.
    Ficarei feliz com sua participação.
    Abraços, Profª Lourdes Duarte.
    Desculpe, estou com um convite, igual para todos, sei o grande poeta que és.

    ResponderExcluir
  28. Uma mulher que espera pacientemente pelo golpe fatal, já está morta há muito tempo. Essa é uma realidade muito triste, mas o poema é simplesmente lindo e tocante.

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  29. E que nunca as mãos lhe doam, caro amigo, na denúncia, na luta e na qualidade poética.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  30. Fiquei sensibilizada com este poema que é uma denúncia e mais um grito de alarme destas situações tremendas que persistem de modo vergonhoso. Triste quando as mulheres são tão vítimas, tão desamparadas...
    Uma boa semana, meu Amigo Pedro.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  31. Palavras que nos transportam até esse quarto frio e sombrio, onde reinava a solidão e o medo e onde finalmente a morte venceu.
    Uma triste e tão dolorosa realidade que assombra não só Brasil, mas muitos outros países.
    Um poema sublime!!!
    Boa semana
    Um abraço
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  32. É lamentável, mas é uma realidade que cresce a cada dia que passa. Fraqueza, covardia ou impunidade? Belo poema Pedro. Parabéns!

    Abraços e uma ótima semana para ti e para os teus.

    Furtado

    ResponderExcluir
  33. Gran poema, estimado Pedro, el que refleja no solamente el drama de esas abominables agresiones contra las mujeres en Brasil, sino también la triste realidad en la materia en otras naciones, incluida la mía.

    ResponderExcluir
  34. Mais de uma dúzia de mulheres assassinadas diariamente ?! Meu DEus, que coisa terrível !!!

    Em nome de todas nós , o meu agradecimento pelo belo poema.

    Abraço grande

    ResponderExcluir
  35. Uma dolorosa realidade... brilhantemente transposta em palavras!... E sentida em cada palavra!...
    Parabéns, por este notável poema, Pedro!
    13 mulheres por dia... uma verdadeira barbaridade! Nem tinha ideia...
    Um grande abraço! Desejando-lhe a continuação de uma boa semana...
    Ana

    ResponderExcluir
  36. Um poema fortíssimo! Realidade cruel e que merece providências sensatas.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  37. Um poema que mostra uma realidade brasileira muito dolorosa.
    Um abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  38. Es aterradora esa cifra. Nos parece tremenda en España que se suelen dar una muerte a la semana: unas cincuenta al año y se añaden las brutales muertes también de los hijos, en algunos casos. Es una plaga este tema de la violencia contra las mujeres.

    Es demasiado el dolor que se extiende sobre los hijos que terminan sufriendo que se diga de ellos que son hijos de un asesino. Es el colmo de la crueldad.

    Hoy lo he comentado en otro blog que escribía un relato sobre el tema, a mi me parece que son "enfermos" cosa que no se quiere reconocer porque ello les aliviaria el peso de la justicia y, porque, a todas luces, parecen llevar una vida normal y razonan. Bo sé no puedo comprender ese odio cuando en la sociedad actual nadie está obligado a vivir con nadie: existe el divorcio.

    Creo que hay que educar a las mujeres para que sepan practicar defensa personal y para que aprendan a no tolerar que nadie las maltrate de palabra ni de obra. Hay que introducir en los colegios una cultura de respeto e igualdad entre hombres y mujeres. Yo empezaría por ahí. Igual que a mi se me educó en el amor y el respeto por mis padres y por valorarlos, ahora es muy necesario defender la vida de las mujeres y también su educación. Su independencia económica es muy necesaria y es la única manera efectiva de plantar cara al maltratador. Creo que estaremos de acuerdo.

    Mi felicitación por la iniciativa porque no hay que guardar silencio.
    Un abrazo. Franziska

    ResponderExcluir
  39. Yo creía que era solo en España donde esos descerebrados "maridos, amantes o novios" matan a sus mujeres. No se cual sería la solución.
    No te he contestado antes porque he tenido avería, se me rompió el disco duro y mi hijo ha tardado un par de días en arreglarlo.
    Es bueno tener el técnico en casa.
    Un abrazo Pedro

    ResponderExcluir
  40. PEdro

    Seu poema é fortíssimo,o tema é arrepiante, mas eu li-o como um grito de alerta sobre um pesadelo mundial.
    e assim sendo é um bom momento de poesia.
    beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  41. Contundente como a lâmina fria do ferro assassino. Parabéns pelo belo poema e pela intencional chamada de atenção ao escopo dessa delinquência. A humanidade está doente e a gaiola das doidas está lotada. Grande abraço, Pedro. Laerte.

    ResponderExcluir
  42. A violência doméstica é uma praga social que tem alastrado por todo o mundo. E os crimes, sempre hediondos, sucedem-se num ritmo alucinante sem que haja força para os deter.
    Excelente poema, gostei muito.
    Bom fim de semana, caro Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  43. Versos soberbos expressando a triste realidade da estatística apresentada. Um chamado oportuno, que as mulheres não sintam medo de denunciar a violência contra si, e também tenha forças para não temer as ameças sobre a retirada da queixa.
    Agradecida pela visita e desculpe demora em retribuir sua visita.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  44. Olá Pedro! Passando para te cumprimentar e te convidar para comer um pedacinho de bolo lá no nosso Arte & Emoções.

    Abraços e um ótimo final de semana para ti e para os teus.

    Furtado

    ResponderExcluir
  45. Até quando iremos denunciar esta triste realidade? Mas o seu poema amplifica e caminha certeiro à realidade objetivada. Com belas imagens.
    Um abraço,

    ResponderExcluir
  46. Fiquei demasiado sensibilizada e comovida...
    Fiquei atordoada... Li o comentário do Toninho...
    Lamento muito.
    Excelente poema... é urgente denunciar e intervir.
    ~~~ Abraço, querido amigo. ~~~

    ResponderExcluir
  47. Uma grande poesia. Sem dúvida, a agonia é maior quando se espera pelo piore e se entende sem defesa.

    ResponderExcluir
  48. Una poesia particolarmente evocativa con attimi di suspance.....e coinvolgente nel suo genere.
    Ti auguro una buona settimana

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO