>

11 de ago de 2015

[Poesia] PEDRO LUSO – A Noite




   
 A NOITE
– PEDRO LUSO DE CARVALHO

A janela do quarto,
na semiobscuridade,
bate repetidamente.
É o vento
trazendo lembranças
e fantasmas
das lonjuras do tempo.
Vento forte
quebrando a solidão
do bronze das estátuas,
esquecidas
nas praças desertas.
A cidade dorme
com suas feridas expostas.


   *  *  *



26 comentários:

  1. " A cidade dorme com o sangue
    de suas feridas expostas".

    Lindo isso! Tua poesia me trouxe lembranças bem remotas e que eu nunca me dei conta:
    Os bronzes das praças na solidão da noite! Sempre achei triste.

    Beijinho, daqui do gabinete do lado!

    ResponderExcluir
  2. Olá Pedro!
    Acabo de ler o seu último poema no blog da Tais! Gostei imenso e vim aqui e deparei-me com este poema. Uma beleza...e até o "vento trazendo lembranças e fantasmas" ou o "vento forte quebrando a solidão do bronze" são versos admiráveis.
    Um abraço.
    M. Emília

    ResponderExcluir
  3. El viento en la noche tiene su propio lenguaje. Besicos.

    ResponderExcluir
  4. Olá Pedro
    O silêncio na noite é sempre inspirador... (geralmente é de noite que escrevo) e quando as luzes acendem e a cidade adormece é bom deixar o pensamento voar!
    Um beijinho e bom fim de semana
    Teresa

    ResponderExcluir
  5. A noite traz sempre lembranças, quando o sono não chega e o vento, inquieto, faz voarem, também nossos pensamentos. Ainda bem que as estátuas não o recebem no íntimo e têm seus segredos lacrados, salvo nos escritos da história. Muito belo! Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Noite e noites na semiobscuridade me trazem lembranças
    e fantasmas
    das lonjuras do tempo.

    Me toca profundamente, linda obra!

    Obrigada pelo carinho da visita, fica com Deus querido!

    ResponderExcluir
  7. Oi Pedro,
    Pensei que tinha esquecido de mim.
    Eu acredito em fantasmas, mas fantasmas da corrupção que assolam nosso país.
    Você é clássico e sua poesia também. Gosto de quem tem bom gosto, aliás gosto do lindo casal.
    Beijos
    Dorli Ramos

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde, Pedro, belíssimo seu poema para nos falar da noite, da escuridão e solidão.
    A cidade finge que dorme, mas o vento acorda as estátuas de bonze que nos fazem lembrar um pouco da história que ficou em um tempo esquecido.....A cidade pode até dormir , mas suas feridas doem... Tenha um bom final de semana!

    ResponderExcluir
  9. Pedro, veio da lonjura dos tempos essa inspiração?
    Menino, adorei!!!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  10. la noche es el mejor espacio donde escribir poemas

    gracias por tu saludo
    ten un precioso fin de semana

    ResponderExcluir
  11. O som do vento veio contudo e o poeta captou com precisão à mensagem. Linda poesia.
    Gostei imenso do que li. Estou seguindo seu blog.
    Abç de paz, deixo-vos!

    Diná

    ResponderExcluir
  12. muchas gracias por pasar y comentar!tanto tiempo ha pasado...bellísima semblanza de la noche! es mi tiempo adorado! si por mi fuese,no me levantaría con el sol, simplemente,así, un abrazo fraterno
    lidia-la escriba
    www.nuncajamashablamos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Ola caro amigo,muito,muito linda "A NOITE".Parabéns e meu grande abraço.SU

    ResponderExcluir
  14. E são tantas as feridas expostas... Haverá um dia um bálsamo? Estamos todos desacreditados. Linda inspiração. Parabéns. Obrigada pela visita. Abraço, também em Tais.

    ResponderExcluir
  15. Una combinación de gran originalidad.
    Asomarse a una ventana, a una escena, y provocar la reacción del poeta.
    Excelente en este caso.
    Enhorabuena

    ResponderExcluir
  16. Olá meu sempre querido dr Pedro, fiquei honrado demais com sua ilustre presença em meu blog e um comentário que me deixou sem folego e feliz...aqui me quedei na tela que ilustra o poema, que linda, parece que sai uma luz da escuridão, muito linda. Quando durmo adentro um mundo que existe em mim e está exposto, com suas feridas abertas, e por vezes consigo lembrar de algum sonho ou pesadelo. O tempo antes de iniciar esta viajem, no silêncio, lembro da infância em que não conseguia dormir, o vento trazia fantasmas e fantasias, e antes de adentrar o mundo dos sonhos andava com o vento e a solidão voando inexplicavelmente sobre as praças, a cidade...meu caro poeta dr Pedro, é tão claro e límpido teu poema, o tema flutua em tuas palavras que dançam nos meus olhos e sentidos, como disse a blogueira Lourdinha, linda inspiração.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde Pedro.
    Um belíssimo poema. A noite e seus mistérios, onde as feridas as vezes sangram mais. Onde o silencio se faz presente, muitas vezes tornando assustador. Mas lhe confesso amo a noite, pois é no silencio da madrugada que encontro forcas para enfrentar os problemas do dia a dia. Um feliz final de semana para vocês. Beijos.

    ResponderExcluir
  18. OI PEDRO!
    ADOREI TEU TEXTO.
    ACHO QUE ESTE, É DAQUELES QUE ESCREVEMOS E AO ACABARMOS DIZEMOS, PERFEITO!
    É O QUE TE DIGO TAMBÉM, PERFEITO.
    ABRÇS
    -http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Oi amigo, vim lhe desejar uma ótima semana, abraços!!

    ResponderExcluir
  20. Hola Pedro, bello poema nos regalas.
    La poesía es bálsamo para el alma.
    Un abrazo y feliz día.
    MA.
    El blog de MA.

    ResponderExcluir
  21. Gracias Pedro por tu visita y huella amiga.
    Un placer grato es leer tus poemas.

    Abrazos y feliz semana.

    MA.
    El blog de MA.

    ResponderExcluir
  22. Oi amigo, que você tenha um excelente começo de semana, abraços!!

    ResponderExcluir
  23. Oi Pedro
    A noite suscita lembranças dos fantasmas que moram no porão do nosso pensamento
    Que lindo!!!!!
    beijos de amizade

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO