>

25 de jul. de 2020

[Poesia] T. S. ELIOT - Os Homens Ocos



PEDRO LUSO DE CARVALHO

T. S. ELIOT é o nome literariamente adotado por Thomas Stearns Eliot. O escritor norte-americano nasceu em St. Louis, Missouri. Estudou na Universidade de Harvard, onde concluiu o curso de medicina, em 1910. E depois, também em Harvard, doutorou-se em Filosofia. Mais tarde, tornar-se-ia um dos poetas modernos mais discutidos na Europa e nos Estados Unidos. Eliot também foi responsável por importantes ensaios, e, como dramaturgo, por peças de teatro, dentre elas, Assassinato na Catedral (1935).
Em 1914, Thomas Eliot passou a residir na Inglaterra. Após a deflagração da Primeira Guerra Mundial, lecionou filosofia na conceituada universidade de Oxford. Com 25 anos, Eliot resolveu que não mais voltaria a morar nos Estados Unidos. Quando contava com 39 anos de idade, no ano de 1927, tornou-se cidadão britânico. Em 1948 , recebeu o Premio Nobel de Literatura. A sua morte, em 4 de janeiro de 1965, na Inglaterra, deixaria uma importante lacuna na literatura.
Segue o poema de T.S. Eliot “Os Homens Ocos”, escrito em 1925, traduzido pelo poeta e crítico literário Ivan Junqueira, já falecido, membro da Academia Brasileira de Letras (In Escritores em ação. Coordenação de Malcolm Cowley. Literatura e Teoria Literária, vol. 15. Rio de Janeiro, Editora Paz & Terra,1982, p. 159-1810):

OS HOMENS OCOS
 T. S. Eliot


Nós somos os homens ocos
Os homens empalhados
Uns nos outros amparados
O elmo cheio de nada. Ai de nós!
Nossas vozes dessecadas,
Quando juntos sussurramos,
São quietas e inexpressas
Como o vento na relva seca
Ou pés de ratos sobre cacos
Em nossa adega evaporada
Fôrma sem forma, sombra sem cor
Força paralisada, gesto sem vigor;
Aqueles que atravessaram
De olhos retos, para o outro reino da morte
Nos recordam - se o fazem - não como violentas
Almas danadas, mas apenas
Como os homens ocos
Os homens empalhados.
               II
Os olhos que temo encontrar em sonhos
No reino de sonho da morte
Estes não aparecem:
Lá, os olhos são como a lâmina
Do sol nos ossos de uma coluna
Lá, uma árvore brande os ramos
E as vozes estão no frêmito
Do vento que está cantando
Mais distantes e solenes
Que uma estrela agonizante.
Que eu demais não me aproxime
Do reino de sonho da morte
Que eu possa trajar ainda
Esses tácitos disfarces
Pele de rato, plumas de corvo, estacas cruzadas
E comportar-me num campo
Como o vento se comporta
Nem mais um passo
- Não este encontro derradeiro
No reino crepuscular
               III
Esta é a terra morta
Esta é a terra do cacto
Aqui as imagens de pedra
Estão eretas, aqui recebem elas
A súplica da mão de um morto
Sob o lampejo de uma estrela agonizante.
E nisto consiste
O outro reino da morte:
Despertando sozinhos
À hora em que estamos
Trêmulos de ternura
Os lábios que beijariam
Rezam as pedras quebradas.
               IV
Os olhos não estão aqui
Aqui os olhos não brilham
Neste vale de estrelas tíbias
Neste vale desvalido
Esta mandíbula em ruínas de nossos reinos perdidos
Neste último sítio de encontros
Juntos tateamos
Todos à fala esquivos
Reunidos na praia do túrgido rio
Sem nada ver, a não ser
Que os olhos reapareçam
Como a estrela perpétua
Rosa multifoliada
Do reino em sombras da morte
A única esperança
De homens vazios.
              V
Aqui rondamos a figueira-brava
Figueira-brava figueira-brava
Aqui rondamos a figueira-brava
Às cinco em ponto da madrugada
Entre a ideia
E a realidade
Entre o movimento
E a ação
Tomba a Sombra
Porque Teu é o Reino
Entre a concepção
E a criação
Entre a emoção
E a reação
Tomba a Sombra
A vida é muito longa
Entre o desejo
E o espasmo
Entre a potência
E a existência
Entre a essência
E a descendência
Tomba a Sombra
Porque Teu é o Reino
Porque Teu é
A vida é
Porque Teu é o
Assim expira o mundo
Assim expira o mundo
Assim expira o mundo
Não com uma explosão, mas com um suspiro.



*  *  *



30 comentários:

  1. Uma publicação bela demais. Uma história muito interessante, mesmo!

    *
    Boa tarde. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Como en la mayoría de autores de la Generación Perdida, hay puntos oscuros en lo que conozco de este autor que siempre me inquietan, aunque no sea una experta.
    Aunque sus cantos son bellos y sabe mirar la realidad con unos ojos que piensan. Saludos

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Pois é, Ana, T. S. Eliot fez por merecer, sem dúvida, o Prêmio Nobel de Literatura de 1965.
      Muito se escreveu (e ainda se escreve) sobre o poeta estadunidense. Destaque-se a influencia de Ezra Pound, também escritor norte-americano, sobre Eliot.

      Um abraço, Ana.

      Excluir
  3. Poema que adorei ler
    .
    Abraço
    Cumprimentos poéticos

    ResponderExcluir
  4. Querido amigo poeta Pedro, que escolha perfeita do poema e nos diz do poeta um tanto, pois aqui nesses versos, caem muito bem o que estamos passando, as almas em estado de insegurança," ...Entre a emoção/E a reação..." assim seguindo meu amigo, "...Não com uma explosão, mas com um suspiro."
    Que lindo poema e amei conhecer a história do escritor norte-americano!
    Abraços bem apertados querido amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sempre com prazer que recebo sua visita e seus comentários minha amiga Ivone.

      Volte sempre.

      Excluir
  5. Muy buena su trayectoria.

    Consiguió, como escritor el Premio Nobel, que sólo lo alcanza los privilegiados.


    Besos

    ResponderExcluir
  6. Boa noite de paz,amigo Pedro!
    Confesso que não o conheço. Muito obrigada por me dar a conhecer.
    Sabe, algo me chamou atenção desde o título: Ocos
    No mundo pandêmico, ainda muitos de nós não nos nutrimos de substância relevante.
    Assim que cabe, perfeitamente, Os Homens Ocos...
    Fui lendo e sentindo o vazio existencial, almas danadas...
    Talvez num último suspiro haja um arrependimento. Quiçá?!
    Tenha dias abençoados!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  7. Um poema intenso, doloroso até, que espelha uma realidade cruel mas tão atual.
    Abraço e saúde

    ResponderExcluir
  8. Um grande poeta, cuja obra mais conhecida é Four Quartets.

    Saudações poéticas!

    ResponderExcluir
  9. T. S. Eliot um grande e magnífico poeta. Foi bom encontrá-lo aqui. Foi bom ler este poema sempre actual. Foi bom que ele tenha escrito que somos seres "uns nos outros amparados" porque neste tempo que vivemos é assim que deve ser. Cada um de nós a proteger-se e a proteger cada um dos outros...
    Um beijo, meu Amigo Pedro.

    ResponderExcluir
  10. Um grande escritor.
    Obrigado pela partilha deste poema, não o conhecia traduzido para português.
    Continuação de boa semana, caro Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  11. Famoso y destacado dramaturgo.
    Gran poema el que compartes.
    Un placer visitarte.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  12. "Entre a ideia
    E a realidade
    Entre o movimento
    E a ação..."

    inelutável,a Sombra, meu amigo!

    Poeta Grande. e um excelente poema

    forte abraço,
    Tomba a Sombra

    ResponderExcluir
  13. Uma instigante forma de ser e de viver o mundo...universal pode-se dizer para os tempos modernos e outros tempos escuros e obscuros.
    Um abraço e obrigada.

    ResponderExcluir
  14. Uau, que belíssimo poema, Pedro! Obrigada por compartilhar conosco!
    Os Homens andam cada vez mais ocos e nossos corpos espetados em paus a espera dos abutres. Até que se exploda.
    Abraço, bom domingo!

    ResponderExcluir
  15. Mais um belo trabalho desta sua série Pedro que nos alimenta de cultura.
    Bom ler mais sobre Eliot e ainda ler seu critico poema sobre a coisa humana com todas suas particularidades. Homens empalhados e ocos num mundo feito de de coisas ocas e desconexas.
    Grato Pedro por mais esta postagem de belo trabalho pela cultura.
    Meu terno abraço amigo na feliz semana de vocês.

    ResponderExcluir
  16. Olá amigo!! Adorei seu blog. Lindas postagens de grandes escritores e poetas. Que satisfação.
    Poema maravilhoso👏👏👏🎈


    Passa lá no blog e confere a postagem que fiz de como ganhar dinheiro na quarentena.
    Bjus!😘
    Paloma Viricio 🍃

    ResponderExcluir
  17. Pedro,
    Adorei ler e me encantar
    com tantas informações.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pedro,
      Voltei aqui para
      desejar uma ótimo fim de semana
      pra Você e pra sua Família

      Excluir
    2. Obrigado CatiahoAlc.

      Também desejo a você, minha amiga, em excelente final de semana com saúde.

      Beijo.

      Excluir
  18. Parabéns por esta incursão em obras cuja qualidade é largamente referenciada. T S Eliot é Nobel da literatura e encontrá-lo aqui é um privilégio. O poema agrada-me imenso. Parece que o autor previa uma morte antecipada.
    Grata, caro amigo Pedro, pela partilha das tuas excelentes leituras.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  19. Essa tua excelente 'série de poetas famosos' está na medida certa para se ler nessa triste pandemia. Grande poeta T.S. Eliot o qual revelaste sua biografia muito interessante.
    'Os Homens Ocos', em seu primeiro verso já nos situa num pobre mundo com seres vazios onde os sussurros humanos não têm força alguma, onde se vê que esses 'homens ocos' se debatem sem saírem do mesmo lugar, sem alcançarem coisa alguma. Triste já era, triste será esses homens, quiçá para sempre empalhados.
    Belo trabalho que postas, muito agradável de se ler.
    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pretendo continuar, por mais algum tempo, neste período de pandemia, com a apresentação de poetas importantes, com pequena biografia e um poema.

      Beijinho Taís, daqui do escritório.

      Excluir
  20. Voltei para ver as novidades.
    Mas gostei de reler as palavras do poeta.
    Bom fim de semana, caro amigo Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  21. Um dos grandes vultos da literatura americana.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  22. Finalmente cheguei, Pedro e ainda bem que ainda estás aí, pois assim podemos conversar um pouquinho. Esperas sempre pelos amigos, não é verdade? Nem vou perder tempo a desculpar-me pela minha ausência, pois já sabes pela Taís que a vossa Amiga anda um pouco desanimada; começo a sentir falta dos abraços, da saida com um casal de amigos ao sabado à noite, dos beijinhos dos meus netos que não se aproximam com receio de contaminar a avô...enfim, cansada de sair à rua, desviando-me das pessoas e evitando sentar-me na esplanada de um café, aproveitando o sol bom do nosso verão, sempre muito curto. Uma tristeza, querido Amigo! Gostei muito de saber mais sobre este poeta inglês e também do poema que fala dos homens ocos, homens que passam a vida com uma alma vazia de essência , homens empalhados, emparelhados, amparados, homens que " andam no mundo por verem andar os outros " ,como se costuma dizer, sem se preocuparem com o seu verdadeiro papel na sociedade em que vivem: sem terem a minima noção do que é a cidadania. Sabes, Pedro, sempre consideramos que a humanidade andava oca, vazia de afectos e agora, depois da pandemia, parece-me que vai ficar pior; vai perder o hábito de abraçar, de olhar para quem passa, de dizer um " olá, como vai", de visitar um amigo que está doente ou um idoso que viva sozinho. Há meses que estamos proibidos de o fazer e receio que percamos, por completo, a vontade de manifestar estes gestos tão importantes na vida de todos nós. Espero estar enganada! Amigo, já falei muito e acho melhor deixar-te trabalhar. Um dia destes volto, certo? Não te zangues comigo, se demorar...
    Beijinhos e SAÚDE para todos vós, grandes Amigos.
    Emilia



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida amiga Emília, este espaço está sempre à espera de todas as pessoas que gostam de literatura, e, de um modo muito especial, à espera das minhas amigas e dos meus amigos, dentre as quais estás incluída, Emília. Por isso mesmo estive aguardando a tua visita, que me é tão cara. Mas, essa visita viria mais cedo ou mais tarde. Os motivos devem estar atingindo a todos, pois não se pode deixar de temer esta terrível pandemia.
      Muita saúde, Emília, pra ti e tua família.
      Beijo

      Excluir
  23. Caro Pedro

    Ainda que já tenha lido alguns poemas de T.S. Eliot, não conhecia as características da sua obra.

    Por isso, é com prazer que o encontro aqui com biografia e um Poema fabuloso, "Os Homens Ocos", o retrato de um mundo que expira sem forças nem glória.

    Vejo que pertenceu ao período modernista o que nos faz lembrar o nosso Fernando Pessoa e tantos outros de renome.

    Bom domingo.

    Abraço

    Olinda

    ResponderExcluir
  24. Um grande autor, cuja obra não conheço a fundo... pelo que adorei descobrir um pouco mais da sua obra e percurso de vida, nesta magnifica publicação...
    Adorei o poema seleccionado... este mundo, parece mesmo andar meio esvaziado ultimamente... pela acção de tanta gente oca... de consciência, empatia, de sentimentos, de valores morais... que o poema, ganha uma incrível actualidade...
    Beijinho! Bom domingo, e votos de um Agosto o melhor possível, dadas as circunstâncias que este mundo oco de bons propósitos, atravessa!...
    Ana
    Ana

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho