>

6 de fev. de 2020

[Poesia] PEDRO LUSO – Crepúsculo






CREPÚSCULO

-- PEDRO LUSO DE CARVALHO



Daqui do alto, onde estou,
vejo a rua toda à frente,
estendida entre prédios
até sumir
na perspectiva,
ilusão do olhar,
e cair nas calmas águas
encrespadas pelo vento,
mansas águas do Guaíba.

Nesse olhar fascinado,
vejo o sol cair lá adiante
no horizonte,
é o pôr do sol
na tarde que morre
na multicolorida claridade.

Fez-se anunciada a noite,
já bem próxima,
anúncio do breu
e dos mistérios da noite.

Retirei-me mansamente
da ladeira, aonde estava,
por medo das sombras,
enquanto gente ingênua
e gente maldosa
vagam na noite
sem rumo certo
com almas cinzentas,
até um novo amanhecer.




 *  *  *





37 comentários:

  1. Boa noite de paz, amigo Pedro!
    Um cenário deslumbrante que poderia ser desfrutado em todo momento, entretanto não se pode pelas sombras de todo tipo que nos rondam e desolam.
    O olhar fascinado está sob controle da violência de toda sorte.
    Até os poetas sofrem limitações na contemplação por medo do que possa ocorrer.
    Tenha dias abençoados na nova semana!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  2. Immagini speciali, sulle quali porre una particolare attenzione.
    Versi originali e creativi, molto apprezzati.
    Un caro saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  3. Que todo lo que puedas ver no se desvanezca y que las ilusiones no se pierdan, un feliz día.

    ResponderExcluir
  4. Una vista preciosa, un río grande, una despedida del sol en el horizonte donde la mirada se recrea. Sería fantástico verlo desde la ventana de la casa donde no llegan esa sombras de las que hablas en tu hermoso poema.
    Un gusto la lectura Pedro.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  5. É um momento do dia bem bonito... num cenário que impressiona.

    Um belo poema com muitas mensagens contidas.

    Abraço e boa semana

    ResponderExcluir
  6. Que pena quando temos que mesmo num cenário maravilhoso desses, ter que medo sentir que escureça e na noite,tudo pode acontecer.Linda poesia e foto! abraços, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  7. Olá Pedro, fazendo minha primeira visita.
    Linda foto, é um convite a apreciar a paisagem belíssima também na noite perigosa.
    Quem sabe um dia as belas paisagens sejam para todos os seres em harmonia, aproveitarem.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  8. Amigo Pedro,
    Embora tenha me situado neste teu belo poema, no ocaso - "Crepúsculo Vespertino" ("Pôr do Sol") - assim como o amigo mesmo citou: "...na tarde que morre na multicolorida claridade..." Eu também sempre vou à praia para ver o "lusco-fusco", este belo momento de transição entre o dia e a noite.
    Porém, acho o "Crepúsculo Matutino" igualmente magnifico ao pôr do sol. Quando estou viajando do Rio para Búzios (em meus momentos de lazer), vou dirigindo o meu automóvel (normalmente no período da madrugada) e assim, posso observar aquela belo nascer do Sol, trazendo a brisa suave do alvorecer. É também, um belo quadro que se pinta em nossa frente!
    Um abraço e boa semana que segue!!!

    ResponderExcluir
  9. Una perspectiva muy amplia, desde un seguro. Poema.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  10. Querido poeta amigo, Pedro, lindissima imagem que nos mostra seguida pelos lindos e inspirados versos que nos dão a dimensão do que há de liberdade e prisão!
    Que pena que não se pode mais ficar nas ruas em determinados horários, todos são perigosos hoje em dia, mas a noite, ah, essa tem que se ter bem dentro de nós um alerta de se recolher!
    Amei ler e ver esse lindo por do sol, meu filho sempre me manda fotos assim, ele mora em Ponta Negra, Manaus, do apartamento dele dá pra ver todos os pores do Sol!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  11. lindo poema! os limites que se impõe ao fim de um dia e nos faz melancólicos por mais uma etapa que termina...a espera da noite que também pode ser bela.A hora do Angelus !
    Um abraço

    ResponderExcluir
  12. Muy bello poema!!.
    Y linda imagen.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  13. PEDRO,

    Muita sensibilidade neste teu belo poema mostrando um crepúsculo radiante se pondo sobre o nosso Rio Guaíba. Logo surgirá o breu da noite temerosa que já não podemos festejar com tanta liberdade como em outros tempos. Muitas vezes me chamas à janela para ver um belíssimo crepúsculo como se fosse o primeiro visto! Os raios são tão intensos que o colorido se faz sempre diferente, iluminando as mansas águas do rio. Por isso sei de tua emoção ao terminares o último verso que ficou lindo, mas não deixa de ser um lamento.
    Beijinho, meu poeta!

    ResponderExcluir
  14. Imagem e poema, numa simbiose perfeita!...
    Segurança... o eterno problema, aí desse lado, do Brasil... subtilmente abordado, na última parte do poema...
    Gostei imenso! Beijinho! Continuação de uma feliz semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  15. ver com os olhos da alma é privilégio de Poeta
    não é verdade, Pedro?

    belo e sensível poema.
    gostei muito

    abraço

    ResponderExcluir
  16. Um poema de enorme sensibilidade, onde o quotidiano tem uma abordagem excelente.
    Parabéns, gostei imenso das suas palavras poéticas.
    Caro Pedro, continuação de boa semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  17. Uma poesia que mostras as belezas do dia, porém ao chegar a noite a de se ter um certo cuidado em determinados lugres.
    Bonita poesia.
    Meu amigo um grande abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  18. Olá, Pedro Luso

    Sempre me fascinou o espectáculo do Sol a cair na água envolto em cores fulvas e a aparição do crepúsculo nos seus tons macios, enquanto a noite se prepara nos seus mistérios de breu.

    E há os que não dormem, sim. E nisso se reflecte o lado mais assustador da vida.

    Poema belíssimo, meu amigo.

    Abraço

    Olinda

    ResponderExcluir
  19. Pedro Luso li o poema, como se o mesmo me sugerisse o filme de um ameno entardecer, o que poderá dar aos mistérios da noite, que bem estão focados. Belo poema, com a qualidade já habitual, no veredas. Abraço.

    ResponderExcluir
  20. São os nossos fantasmas que nos acompanham, mas as cidades estão infestada deles. E nunca sabemos quais são os caminhos mal-assombrados... Mas, apesar dos nossos medos, é preciso dizer que o pôr do sol no Guaíba é imperdível...
    Belo poema, meu amigo Pedro.
    Grande abraço,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia-se infestadas na segunda linha do meu comentário.

      Excluir
  21. Boa tarde,Pedro,
    que pôr de sol maravilhoso, foto linda, tanta beleza e metáforas em cada verso. Mesmo sendo ilusão de ótica, o Rio Guaíba é que é feliz, por receber o sol para despertar o outro lado do mundo. Quanto as sombras sempre há a necessidade de muitos cuidados. Gostei do seu poema, como sempre. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  22. Pedro, o ocaso é ocaso!
    E é sempre triste, um fim.
    Por isso, eu tiro por mim
    Que tudo tem tempo e prazo!

    Eu, para o fim me atraso...
    Não sou tolo - penso assim.
    Deixo aos outros dizer sim
    Nada eu digo, por acaso!

    Porém o Sol peregrino
    Volta sempre ao seu destino
    Do dia a dia a brilhar

    E nós? Sou o antigo menino
    Que sem ter rumo nem tino
    Tento, Pedro, o meu lugar.

    Parabéns pelo belo poema! Grande abraço, amigão! Laerte.

    ResponderExcluir
  23. Pedro,
    Suapoesia é maravilhosamente
    contagiante. É de fato uma
    linda viagem em palavras.
    Bjins
    CatiahoAlc./Reflexod'Alma
    entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  24. No instante mágico do dia um olhar poético sobre o Guaíba iluminado pelos últimos raios solares, para dormir sob breu que se aproxima. O rio seguirá seu destino mar, e nós os humanos encarcerados em nossos medos, nos recolhemos. Belo olhar sobre o rio e a sociedade em suda degradação.
    Belo trabalho, hoje também falei de rio com minhas saudades.
    Abraço terno amigo e bom domingo para vocês.

    ResponderExcluir
  25. ES el momento culminante del día. El sol se oculta y deja pasar la noche, para que pueda salir la luna y alumbrar así la ocuridad en la que nos sumergimos.

    Besos

    ResponderExcluir

  26. Bom dia, Pedro

    Relendo e apreciando este seu belo poema.
    Muito obrigada pelo seu precioso comentário no "Xaile de Seda".

    Bom domingo.
    Abraço
    Olinda

    ResponderExcluir
  27. A noite é companheira de muitas almas sombrias.
    Belíssimo poema
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  28. Uma pena essas "sombras" impedirem de podermos desfrutar da paisagem urbana com calma e tranquilidade.
    Um belo poema amigo Pedro, gostei.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  29. Ver o crepúsculo é sempre um privilégio embora ele seja o prenúncio da noite com seus fantasmas e suas sombras. Gostei muito do seu poema, meu Amigo Pedro. A fotografia é muito sugestiva e bela.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  30. E viu a cidade com apurada sensibilidade poética...

    Eu não vejo o ocaso como um fim, mas como o início de descanso e intimidade no lar...Srrsssss...

    Ótima semana, Pedro. Beijinho.
    ~~~

    ResponderExcluir
  31. Querido amigo Pedro, sempre que da minha janela olhar o crepúsculo, vou lembrar estes lindos versos, saídos do teu olhar atento e sensível.
    Almas cinzentas, aí como aqui, povoam a noite misteriosa.
    Poema e imagem: perfeito!
    Beijo, boa semana.

    ResponderExcluir
  32. Retorno para agradecer suas palavras amigas no dia do meu aniversário,
    Meu amigo obrigado e um grande abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  33. Un poema muy bello, Pedro.
    Luces y sombras.
    Día y noche.
    Maravilloso crepúsculo has descrito.
    Abrazos

    ResponderExcluir
  34. Su poema describe sensaciones que todo el que contempla un ocaso sobre el mar puede compartir.
    En estos día, nosotros también hemos visto unos ocasos impresionantes desde la ermita de Santa Lucía, en Alcossebre, Castellón. Está situada en lo alto de un pico de 300 m. frente a playa de Alcossebre y rodeada por dos sierras, la de Irta y el Bajo Maestrazgo, por lo que si giras 360 gº puedes divisar todo el paisaje como si te envolviera.

    Pensando en los grandes navegantes que al ver como nosotros el sol desaparecer bajo las aguas o tras las montañas, entendemos que pusieran en marcha sus engranajes mentales decidiendo embarcar e ir a su encuentro. Saludos, Pedro.

    ResponderExcluir
  35. Passei para ver as novidades.
    Mas gostei de reler o seu excelente poema.
    Caro Pedro, aproveito para lhe desejar um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO