>

6 de nov de 2016

[conto] PEDRO LUSO – O menino




    
   
     O MENINO
  – PEDRO LUSO DE CARVALHO



Manuel, homem dedicado à família e ao trabalho, aos domingos deixava a fazenda bem cedo, com a mulher e o filho, para chegar à igreja da vila antes do início da missa. Não se esquecia da advertência do padre Onofre: “Às dez horas começa a Santa Missa, caros irmãos, com a pontualidade que deve ser respeitada”.
Embora fosse homem de poucas rezas, Manuel apreciava os sermões breves do padre Onofre. Diante dele, não se sentia pecador por não dedicar mais tempo à igreja. Mas não se esquecia do que sempre dizia, do púlpito: “A qualquer momento, podemos ser chamados para prestar contas ao Senhor”.
Era um domingo, Manuel dirigia o carro com desatenção, lembrando-se do filho de cinco anos, que perdeu. Nessas viagens, que faziam para assistirem à missa, sentia o frio de sua ausência. Desviava os olhos da estrada, às vezes, para olhar sua mulher. Vi-a triste, por não se conformar com a morte do menino.
No vilarejo, algumas pessoas perguntavam ao padre Onofre qual fora o motivo da morte do menino. Para acabar com a curiosidade, o padre resolveu fazer a pergunta ao Manuel. No dia e na hora marcada Manuel entrou na sacristia, onde o padre esperava por ele. Curvou-se para beijar o anel na mão do padre Onofre.
– Padre, eu poderia ter evitado a morte do meu filho.
– Estou aqui para ouvi-lo, Manuel.
– Como o senhor sabe, meu filho era uma criança dócil. Era um anjo, como dizia a mãe.
O homem contou ao padre que, quando seu filho tinha pouco mais de quatro anos encantou-se com o arvoredo; falou da preferência do menino por quatro árvores, muito grandes, entre outras tantas, que cobriam uma parte do terreno da sua fazenda. “As quatro árvores tinham nomes, que foram dados por meu filho”, disse Manuel.
– Fale mais sobre o menino – pediu-lhe o padre.
– Cerquei essa parte da fazenda, como a mulher havia pedido.
– Não se acanhe, prossiga.
Um tanto nervoso, Manuel explicou que foi sua intenção ampliar os estábulos da fazenda, e que, para isso, teria que limpar o terreno com o corte das árvores. Disse-lhe que havia falado à mulher sobre esses planos, e que ela se opôs com energia: “Não faça isso, essas árvores são os amiguinhos do nosso filho, homem”.
– Continue – pediu-lhe padre Onofre.
Manuel contou ao padre Onofre que não quis ouvir a mulher, e que certo dia mandou o menino para a casa de uma tia, na cidade, para que ele não visse o corte das árvores. “Padre, quando o menino voltou para casa, correu ao encontro de suas árvores e encontrou apenas os tocos delas, muitos tocos” – disse, com esforço.
– Quando meu filho viu os tocos das suas árvores, padre, passou a gritar como se estivesse louco.
– Prossiga, Manuel.
– Depois o menino abraçou um dos troncos, repetindo os nomes das suas árvores favoritas.
– Continue – disse padre Onofre.
– Após esse dia, padre, o menino não comeu mais. A mãe pedia que comesse alguma coisa, mas ele se recusava. Chamei um médico, ele receitou alguns remédios, mas o menino não tomou.
Condoído pelo estado de espírito de Manuel, que tinha os olhos marejados, muito nervoso, tremendo algumas vezes, padre Onofre levantou-se e colocou a mão sobre o ombro do homem, para confortá-lo. Esperou um pouco, depois pediu a ele para continuar.
– Faz mais de um ano que perdemos nosso filho, padre Onofre – concluiu Manuel.
No meio da tarde, o homem despediu-se do padre Onofre. Na estrada, que cortava em duas partes o campo amplo à sua frente, Manuel levava consigo o mesmo sentimento de culpa. Talvez a ação do sol forte sobre o para-brisa do carro tivesse lhe dado à impressão de que seu filho acompanhava-o, correndo sobre o asfalto.
Quando Manuel chegou em casa, sua mulher esperava-o ansiosa, querendo saber o que a conversa com o padre Onofre poderia acrescentar na vida do casal. Mantinha a esperança de que o padre tivesse iluminado o marido. A pressão no peito foi o sinal de que alguma coisa estava por acontecer, para aliviar a dor e a saudade.
– Mulher, amanhã nós vamos começar a plantar muitas árvores; vamos refazer o arvoredo do nosso filho – disse Manuel, com firmeza.
As muitas árvores, que foram plantadas, cresceram robustas, criando um colar verde em torno da casa. Os passarinhos ali construíram os seus ninhos. Manuel e a mulher envelheceram. Em frente ao arvoredo eles sentiam a presença viva do filho, e, às vezes, o viam correr risonho por entre as árvores, como sempre fazia.



  *    *    *





46 comentários:

  1. Lindíssimo conto, Pedro!
    Sinceramente não sei como seja conviver, com uma culpa assim semelhante, que tenha causado a morte de um filho... e como se consegue prosseguir a vida, pensando nisso... mas no caso, o pai, redimiu-se da única forma possível... pois o que tinha feito, não fora intencional, apesar de causar inadvertidamente a morte do filho... e acho que talvez tenha sido isso, que o levou a prosseguir com sua vida... castigo suficiente... envelhecer, sem ver seu filho crescer... a não ser através do crescimento das árvores...
    Abraço! Boa semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  2. Lindo e triste. Mas a maioria das histórias lindas são tristes.
    Plantemos mais árvores!

    ResponderExcluir
  3. Belíssimo conto, Pedro. Me encantei e me emocionei demais. Tudo aquilo que envolve a força do amor de um ser humano, ainda mais quando se trata do amor de uma criança, me toca profundamente ao coração. E há uma lição humanitária também, neste lindo conto, que é o amor pela natureza, o qual todo ser humano deve aprender.
    Parabéns, pela obra sensível!

    ResponderExcluir
  4. Tocante e emocionante,Pedro. Sobraram as recordações e a saudade...LINDO! abração,ótima semana! chica

    ResponderExcluir
  5. Un toccante, emozionante racconto che porta a riflettere su quanti errori di insensibilità si commettono nel ruolo di genitori!
    Dobbiamo ascoltare i figli, aiutarli a diventare forti e soprattutto a rispettarli! Grazie Pedro per questo racconto che lascia tracce nel cuore! Buona settimana a te.

    ResponderExcluir
  6. Um conto de um imaginário maravilhoso. Triste, sim, mas cheio de humanidade...
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Pedro,
    Foste além da imaginação natural nesse belo conto! Usaste a emoção, o amor pela natureza, a culpa irremediável do pai e sua tentativa de preservar a memória do filho, finalmente. Lógico que não fez por querer, nem pensava nas consequências trágicas, mas usou de má fé, mandou o filho para casa da tia... sabia do amor da criança pelas árvores. Não queria estar na sua pele, conviver pelo resto da vida com isso, é melhor morrer logo...
    Trouxeste uma enorme emoção a esse conto!
    Beijinho daqui do gabinete do lado, da tua maior fã!!

    ResponderExcluir
  8. El cuento de hoy me ha hecho volver a aquellos maravillosos que leía cuando era niña. El misterio de un amor que tenía raíces de árbol, que era un sentimiento de pertenencia a la naturaleza, que se sentía árbol vivo, provocan la muerte de un niño. Desde luego, entra dentro de los relatos que escapan al realismo y entran en la magia.

    Y los adultos nos quedamos con el mensaje de que somos naturaleza, somos árbol, río, nube, aves, vida en suma.

    Saludos cordiales. Franziska

    ResponderExcluir
  9. Oi Pedro,
    Filho é a fofura que Deus nos Deus, por causa de umas árvores ele carrega a culpa da morte do filho.
    Hoje os filhos nos dão trabalho: perdoamos, bate o carro: perdoamos até chegar o amadurecimento.
    Eu quase fui assassinada pela minha tia que me criou, se não fosse o anjo do meu tio que foi interferir, coitado, levou um tapa na cara, nesse instante ela frouxou o pé do meu pescoço, daí correndo toda mijada e me fechei a chave no quarto.
    Ela gritava:abra a porta e eu ria e dizia: só porque a senhora quer. Bem quebrar a janela ela até podia, daí a pular de que jeito parecia uma elefanta.
    Eu cuidei dela até morrer- sua morte no hospital foi horrível- ela explodiu em m... aí chorei muito. Meu tio morreu um mês depois, não tinha nada e quem diz que saudade não mata.
    Tenho saudades dele que me amava devagarzinho e dela pelo seu jeito de ser.
    Valeu a lição para eu estudar e ser pessoa do bem.
    Adorei seu conto.
    Amanhã vou postar algo engraçado.kkk é para rir...
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  10. Oi Pedro,
    Desculpa o erro na primeira linha deu ao invés de Deus
    Desculpa, me empolguei e ainda não enxergo de uma vista da nisso.kk
    Abraços
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  11. Pedro
    O conto teve o poder de me emocionar, mesmo sabendo ser fição, é certo. Mas sou muito emocional mentalmente e o conto é muito bem conduzido, a agarrar o leitor.
    Abraços

    ResponderExcluir
  12. Emocionante Pedro.Un gran cuento, inmensamente humano. Sobrecoge.

    ResponderExcluir
  13. Muy hermosa y sensible historia. Muchas gracias.

    ResponderExcluir
  14. Que emocionante Pedro
    As lágrimas chegaram a turvar minha visão ante a comoção da sua história
    Um abraço

    ResponderExcluir
  15. Buenos días Pedro... Venia a darte las gracias por las bellas palabras que siempre me dedicas y me he encontrado, además que en tus textos Google me ofrece la posibilidad de traducir, así que yo también he saboreado tus palabras. Un abrazo

    ResponderExcluir
  16. Meu amigo que conto fabuloso, ainda por cima eu sou um amante de árvores quase que me revi no menino que amava as "suas " árvores.
    Um abraço e boa semana.
    Andarilhar

    ResponderExcluir
  17. Muito interessante, de certo modo, uma lição para a vida!
    Abraço.

    Rui

    ResponderExcluir
  18. Qual criança não teve a sua
    Árvore de estimação?
    Eu tive o meu Jambolão
    Que à cereja se insinua.

    A frutinha meia-lua
    Era da coloração
    Da cereja. E, a mim, se não
    Fosse, era cereja da rua.

    À criança, a fantasia
    É tão real, por magia,
    Que no irreal ela avança.

    E adulto tem mania
    De esquecer que um dia
    Ele também foi criança.

    Lindo e comovente conto por tocar à alma que ainda a temos da infância distante. Parabéns! Abraços. Laerte.

    ResponderExcluir
  19. O menino espírito da natureza.
    A metáfora do amor à natureza na
    dimensão de um ensinamento!...

    Muito belo o conto, Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  20. Un brano intenso ed emozionante che induce a profonde riflessioni...
    Un caro saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  21. Pedro,
    Um conto que nos prende, nos emociona e nos faz reflectir.
    Não consigo imaginar a dor de perder um filho e quando esse perda é causada pelos pais, mesmo que inconscientemente, é a suprema dor.
    Mas esse "renascimento" do filho através das árvores tocou-me profundamente.
    Um beijinho grato.

    ResponderExcluir
  22. Um conto triste, Pedro e que nos leva a pensar que nós, Pais, tambem devemos dar atenção ao que os filhos pensam e, se possivel respeitar os seus interesses, Apesar de crianças, muitas vezes eles são mais sabios que nós e devemos ouvi-los. Além disso, podemos interpretar este teu conto como uma grande metáfora; natureza é vida e aqui, menino e árvores, duas formas de vida que fazem parte da mesma natureza,; matando-se uma, a outra vai desaparecendo também Não se brinca com a vida. Parabéns , Pedro e muito obrigada. Um beijinho
    Emilia

    ResponderExcluir
  23. Parabéns meu caro Pedro, pois apesar de o conto ser triste traz uma bela mensagem, coroado por um fazer literário lapidado, de uma limpidez deslizante.
    Um abraço. Tenhas um ótimo dia.

    ResponderExcluir
  24. Lindo conto, me prendeu do começo ao fim, triste, mas isso pode acontecer, a alma se prende e quando perde o alento vai morrendo aos poucos!
    As crianças são sábias por natureza, elas dão os devidos valores a tudo, sendo assim é bem comum morrer de tristeza, embora haja quem, não acredite nisso.
    Seu belo conto me levou a lembrar do livro que li, reli, "O Meu Pé de Laranja Lima" de José Mauro de Vasconcelos, li todos os livros dele!
    Amei ler, aproveito para agradecer o carinho da visita e comentário lá no meu espaço, as férias chegaram ao fim, mas deixaram boas energias!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom retorno das férias, Ivone, que como você diz, deram-lhe boas energias.
      É sempre muito bom receber neste espaço a sua visita. Espero sempre que volte mais vezes. Abraços.
      Pedro.

      Excluir
  25. Olá Amigo como sempre leio seus contos com bastante curiosidade, visto que são sempre muito interessantes e reais. Esse foi tudo isso e emocionante. Pobre pai, qualquer coisa por menor que seja quando fazemos e os filhos ficam sentidos conosco já é ruim demais, imagine levar um filho à morte!É melhor morrer também.
    O final do seu conto redimiu um pouco o sofrimento do pai, mas sempre fica a mágoa o remorso.
    A inspiração que o levou a escrever esse conto é um alerta para preservarmos a natureza,árvores,principalmente e para a atenção dos pais com relação aos sentimentos dos filhos, mesmo quando pequenos com suas fantasias.
    Terminando esse meu comentário Dr.Pedro, amei seu conto, obrigada por compartilhar sua maravilhosa inspiração.
    bj. Léah

    ResponderExcluir
  26. Molto commovente, spesso bisogna accontentare i figli, non bisogna essere drastici in determinate decisioni. E poi la natura è amica dell'uomo. Un bel racconto che ho molto gradito. Un saluto Pedro,Grazia

    ResponderExcluir
  27. Boa tarde, Pedro, esmerou-se além da conta neste conto,"Menino", eu li quase perdendo o fôlego, pois a emoção que nos transmitiu através dele foi enorme. Sempre soube que a morte prematura de um filho pode causar a loucura dos pais. Pior, culpar-se da morte do pequeno foi horrível. Imagine o quão doído deve ser morrer de tristeza.O menino conhecia o valor da natureza. Obrigada pelas visitas ao meu blog e ricos comentários!Abraço!

    ResponderExcluir
  28. Este foi de tocar fundo o coração. Excelente conto, Pedro.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  29. Um belo e tocante conto! a sintonia da criança com a natureza à qual se sentia profundamente ligada, a dor da consciência de não terem sidos respeitados os limites dessa profunda conexão e finalmente o resgate através da reconstrução de um ideário perdido. Finalmente o perdão!
    Um abraço

    ResponderExcluir
  30. Belo conto, Pedro , realmente tocante, e com ele refleti : o adulto precisa estar mais próximo da criança para compreendê-la e assim entender os seus quereres e sentimentos!
    Parabéns !!! Bjs

    ResponderExcluir
  31. Boa tarde Pedro.
    Um conto emocionante.Infelizmente casos assim não é raro. Muitos agem sem pensar nas consequências dos seus atos e carregaram uma culpa eterna. Ainda ficarei ausente do virtual. Mas uma vez ou outra aqui estarei matando a saudade. Um feliz fds para você é a querida Tais. Abraços.

    ResponderExcluir
  32. Saludos, Pedro, qué bello relato.
    Entiendo bien a ese niño que amaba sus árboles y a los padres que envueltos por sus ramas lograron sentirse vivos otra vez. Mi infancia no hubiera sido la misma sin el olivo por el que trepaba y al que hace muchos años dediqué un relato:
    http://amf2010blog.blogspot.com.es/2015/01/la-olivera.html

    ResponderExcluir
  33. Triste pero con su lección, así como la vida.
    Besitos

    ResponderExcluir
  34. Boa noite amigo Pedro.
    Um conto lindo carregado de emoção, e muita realidade.
    Parabéns, você é um escritor nato!
    Obrigado pela partilha.
    Um forte abraço, e um fim de semana recheado de felicidades.
    Paz e Bem....

    ResponderExcluir
  35. Hola Pedro.
    Muy bello pero triste, muchas veces por alcanzar algún sueño que nos parece importante, perdemos lo que más valor tiene para el corazón.

    Ya estoy de regreso y paso a disfrutar del regalo de tus maravillosas letras.
    Gracias por siempre tenerme en tu recuerdo.
    Un abrazo.
    Ambar
    http://ambaringles.blogspot.co.uk/2016/11/triste-canto.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem-vinda Ambar, neste espaço amigo.
      Espero que tenha desfrutado de ótimas férias.
      Abraços.
      Pedro.

      Excluir
  36. Creo que sólo hay algo peor que ver morir a un hijo: que desaparezca y no saber dónde está.
    Supongo que esa pérdida hay que suplirla con lago.
    Si este matrimonio puede sobrellevar la muerte del hijo con la plantación de árboles, esos árboles que tanto amaba el hijo, mejor.
    Mejor recordar al hijo con algo de esperanza.
    Triste y bonito relato, don Pedro.
    Muitos abraços.

    Estoy muy contento porque puede leer su idioma con mucha facilidad. En esta ocasión, no he tenido que buscar ninguna palabra en el diccionario.

    ResponderExcluir
  37. El seguir viviendo con un sentimiento de culpa, es de lo más doloroso y difícil de superar.
    Si el volver a plantar esos árboles les ha devuelto la paz y la esperanza, ha sido la mejor idea que han podido tener, seguro que el padre Onofre ha influido en esa decisión.
    Cariños y buen fin de semana.
    kasioles

    ResponderExcluir
  38. Bom dia Pedro
    Um conto muito comovente, que causa um nó na garganta.
    Não posso imaginar a dor da perda de um filho (eu, que sou mãe galinha...) e muito menos conseguir viver com o sentimento de culpa desse homem.
    Às vezes os adultos não dão o devido valor aos sentimentos das crianças, que são tanto ou mais fortes que os seus.
    Triste, mas muito bom, este teu conto.

    Bom Fim-de-semana
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  39. Una bella historia que he seguido con empeño y placer.
    Me ha gustado mucho Pedro.
    Mis felicitaciones.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  40. Un relato muy, muy triste. Tristísimo,
    pero que arroja una reflexión sobre el respeto
    que debemos, como especie, a la Naturaleza.
    Algo que el niño de este relato sabía y practicaba.

    Ya estoy de regreso de mi viaje a Sudamérica a visitar
    a mi familia de allá. Gracias por tus comentarios en casa
    en mis entradas programadas para publicar durante mi ausencia.

    Un abrazo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem-vinda Myriam.
      Espero que tenha tido boas férias,
      aqui na nossa América do Sul.
      Abraços.
      Pedro.

      Excluir
  41. Hermosa historia Pedro, dentro de su tristeza, encantada de leerte.
    Feliz domingo.
    Un abrazo Pedro.

    ResponderExcluir
  42. Aqui a ignorância se fez machado e feriu a arvore mais linda do casal.
    O arrependimento, a busca pela paz, a reparação da falta. Atos impensados, que podem nos levar às piores formas de solidão como do Manuel.
    Um belo conto triste Pedro de sua bela inspiração/construção com uma lição de vida e respeito ao outro.
    Abraços amigo.

    ResponderExcluir
  43. Lembrei me de “meu pé de laranja lima”.
    Este conto é uma forte metáfora da realidade dos nossos dias. Pouca importância damos aos outros e ao que os faz viver. É preciso perde los. Depois vive se de saudade, de remorso e de tentativas de remediar. Amemos aquilo que, os que amamos, amam.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO